Foto: Lisa Gabriela/Cada Minuto F827dc4a baf1 4b9d b331 535fc8cf3339 Estudantes aprovados na UFAL

O resultado do Enem 2018, divulgado no dia 29 de janeiro deste ano, pôs fim as expectativas de muitos alunos. Em entrevista ao CadaMinuto, quatro estudantes aprovados em Medicina na Universidade Federal de Alagoas (Ufal) falaram sobre a experiência pré-vestibular e sobre a emoção de estarem entre os aprovados de um dos cursos mais concorridos do país.

Romero Tenório, de 42 anos, 1° colocado na categoria cotas do curso, afirmou que a decisão de prestar vestibular para Medicina surgiu em decorrência de problemas familiares.  “Desde 2012 minha mãe vem sofrendo com questões de saúde, e isso já me motivava a fazer o curso. Em novembro de 2017 ela amputou uma perna, o que me deixou bastante sensibilizado e me fez pensar em fazer medicina de uma maneira diferente" disse ele.

Romero comenta ainda que é servidor público federal, e que está ciente das dificuldades que terá pela frente. “Enquanto servidor a lei disponibiliza um horário para estudar, e sei que serão anos de sacrifícios e renúncias, mas estou disposto a passar por tudo isso em prol do objetivo que criei” explicou.

Sobre a emoção de estar na lista, Romero diz que ainda não sabe descrever como está se sentindo. "É emocionante passar no curso que almejei, e ainda não sei como explicar esta sensação” finalizou ele.

Julia Pessôa, que disputou a vaga para o curso pela ampla concorrência, também comenta o sonho de exercer a profissão, e as dificuldades que enfrentou para conseguir a aprovação.

“Sempre tive isso na minha cabeça, e era muito curiosa e apaixonada por tudo que lia com relação ao curso. Estudei dois anos para conseguir passar, e durante esse tempo tive que abdicar da convivência com minha família. Mas acho que no final das contas é isso que seleciona quem realmente quer a profissão, por que é um trabalho que não se encerra com a aprovação.”

Esse também é o caso da estudante June Maria, de 19 anos, aprovada em 12° lugar. “Também passei dois anos apenas estudando para esse curso. No primeiro ano não deu, e em 2018 eu mudei minha maneira de ver os estudos, trocando algumas isoladas. Tive que aprender a administrar o meu tempo, ou ia surtar. O que senti com a aprovação foi puro alívio.” disse ela.

A estudante Thamara Almeida, de 19 anos diz que não atribui sua conquista apenas a esforço individual, estudos ou sorte. "Não tem explicação para o que sentimos quando sai o resultado. Não tem sucesso que vem sem esforço, e essa é minha segunda tentativa. Não foi apenas esforço individual, meus estudos ou sorte: tudo foi conjunto, e o apoio da familia foi fundamental. Estou muito feliz" finalizou.

Veja o vídeo: 

 

*Estagiária