Foto: Cortesia ao CadaMinuto 6088c137 84fb 4675 8a0a 8d6830e64741 Representante da Sinturb, Enildo Moura

O assessor técnico do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Maceió (Sinturb), Enildo Moura, afirmou que haverá um colapso no transporte público de Maceió caso não haja os aumentos propostos pelos rodoviários. A declaração ocorreu durante uma audiência pública realizada na manhã desta sexta-feira (02), na sede do Ministério Público Estadual (MPE), no bairro do Poço, em Maceió.

De acordo com Enildo Moura, o aumento de 15% vai proporcionar o reequilíbrio financeiro das empresas de ônibus, mesmo que o preço final de R$ 4,02 pese no bolso do consumidor, ao qual ele afirma que isto foge da alçada das empresas, sendo responsabilidade dos poderes públicos municipal, estadual e federal.

O Sindicato culpa o transporte clandestino, o elevado preço dos combustíveis, a diminuição do número de passageiros e o pagamento de pessoal como os maiores responsáveis pelo alto percentual proposto.

Por outro lado, o superintendente da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito de Maceió (SMTT), Antônio Moura, é contrário ao aumento das passagens pleiteado pelos empresários de ônibus.

Segundo ele, foram realizados estudos por parte da SMTT para contrapor o preço final da passagem. "Entendemos que este valor solicitado pelas empresas é um valor muito elevado de reajuste", disse Antônio Moura ao qual salienta que deve haver um equilíbrio entre o lucro dos rodoviários e o gasto de quem utiliza os coletivos.

Abuso

O diretor da Federação das Associações de Moradores e Entidades Comunitária de Alagoas (Famecal), Antônio Sabino, foi incisivo nas declarações ao considerar um abuso o aumento proposto pelos rodoviários.

A entidade solicita ao MPE que se instaure uma ação civil pública contra o aumento. "A federação luta por um transporte de qualidade e eficiente. Se os empresários entenderem isso, acredito que o lucro virá", concluiu.

A audiência foi presidida pelo Promotor de Justiça, Max Martins de Oliveira e Silva, que antecipou o ato em regime de urgência em virtude do carnaval que se aproxima. Estiveram presentes também representantes das empresas Veleiro e Real Alagoas, a promotora municipal, Fernanda Moreira, e entidades de classe.

*Estagiário