Divulgação - Assessoria 7b265876 5de7 42bb a199 4c7dafb76991 Cidade de Mata Grande

Durante uma auditoria realizada na prefeitura de Mata Grande, o novo gestor se deparou com documentos sobre uma licitação para o fornecimento de quentinhas, com um valor muito acima do que é praticado no mercado.

A denúncia foi apresentada através de áudios, divulgados pelo aplicativo WhatasApp. Segundo a denúncia, o prefeito afastado, Erivaldo Mandú estaria desviando dinheiro dos cofres públicos, através de uma licitação de R$ 2,5 milhões com um restaurante pequeno na cidade.

Além de documentos duvidosos encontrados em pastas na prefeitura, os auditores vão anexar os diálogos da empresária que comprovariam desvios de verbas públicas. Um contrato milionário, com um restaurante que não chegava a fornecer R$ 100 mil em quentinhas.

De acordo com auditores, Mandú fez uma licitação alta para conseguir controlar o dinheiro que seria desviado. Apesar dessas informações, o filho do prefeito Aquiles Mandú, que agora é ex-secretário de finanças, Aquiles Mandú, rebateu as acusações alegando que todas as informações são infundadas, podendo ser comprovadas através de documentação.  

Em uma nota, a pregoeira Ana Maria afirmou que áudios comentam um valor inexistente e que“o Processo Licitatório n 08/2017 tem como objeto "fornecimento de quentinhas e coffee break" . O valor licitado foi de R$ 1.051.500,00 sendo que somente uma empresa pegou o edital e participou do certame. Foi cumprido o que a Lei determina do prazo de disponibilidade do Edital, publicado no Diário Oficial de Alagoas e no Jornal tribuna de Alagoas. Considerando que foi Registro de Preços onde o Gestor contratou somente R$ 588.450,00 para atender as necessidades das secretarias da Prefeitura. O referido processo encontra-se na Prefeitura para a disposição de qualquer cidadão matagrandense para confirmar se o que eu digo é verdade ou não”.

Sobre os áudios, Aquiles Mandú disse que nenhum deles aparece com sua voz.

Confira os trechos  dos áudios:

(Eliane Oliveira Cruz, Branca)  - As notas que tem lá, não chegam a 70 mil. Agora como disse a Kleiton (esposo de Branca), a não ser que eles (Erivaldo Mandú) tenham feito alguma coisa, sem eu saber.Por que assim, eu não entendo esse negócio de burocracia, eu não entendo nada disso.

Branca - Olhe... a licitação foram R$ 2 milhões e quintos mil. O valor da minha licitação que eu ganhei, sei lá onde.  Foi sem o meu consentimento que assinei, porque foi tanta coisa que assinei naquela prefeitura, mas não foi com meu consentimento, porque Kleiton (esposo da Branca) desde o começo que não queria nada. Uma vez João Paulo (contador da prefeitura) disse a mim, branca tem como você ajudar em dezembro, que foi em outubro, que dezembro ia entrar o dinheiro. Eu disse, olha Aquiles (filho de Erivaldo Mandú), não pode não, porque você sabe que não quero me prejudicar. A minha empresa é  nova, e fresquinha eu não quero problema  não.  Por conta disso, tava o comentário que ia perder a licitação pra “bolota”.

(Kleiton esposo da Branca) - Eles estão todos loucos atrás das notas. Eu não vou dá não essas notas. eu não confio neles (Erivaldo Mandú), Deus me livre.  O tal do Aquiles, quer as notas e eu não vou dá. Mandou até advogados da prefeitura, e eu não vou dá. Eles estão com dois dias atrás dessas notas e não vou entregar a ninguém.

(Aquiles Mandú, pergunta) -  Branca você entrou com um processo contra meu pai (Erivaldo Mandú)??? Aí eu fiquei assim... eu fiquei branca na hora, gelada. Aí eu disse, olha Aquiles estou em Paulo Afonso -BA, resolvendo umas coisas, quando chegar em Mata Grande, daqui a  duas horas você liga pra mim. Quando fui olhar no telegram, João Paulo (contador da prefeitura) tinha dito assim: oi Branca, boa tarde?  Aí eu pensei, o que tá acontecendo...

(Ana Maria Soares da silva – pregoeira da prefeitura) – mais eu acho melhor você ficar calada, quanto a esse negócio de notas viu. Deixa falarem, depois se resolve isso. Não fale esse negócio de notas mais não.