Arquivo: Cada Minuto D9714558 fd92 4f0d b992 07748715089d Renilde ao lado de Collor durante campanha 2014

O anúncio da pré-candidatura do senador Fernando Collor de Melo (PTC) a presidência da República, na manhã desta sexta-feira (19) em Arapiraca, na Região Agreste de Alagoas, movimentou o cenário político do Estado e repercutiu por todo o país.

Se confirmado, na convenção do partido, Collor terá que se afastar do cargo no início de Abril e a vaga será ocupada pela 1ª suplente, Renilde Bulhões. Outra maneira para Dra. Renilde assumir é pelo caminho mais fácil, ou seja, com uma licença médica do senador alagoano.  

Renilde Bulhões integra uma das mais tradicionais famílias da política alagoana e tem forte liderança no Sertão. Foi eleita prefeita de Santana do Ipanema por duas vezes, é esposa do atual prefeito da cidade, Isnaldo Bulhões (PMDB) e mãe do deputado estadual Isnaldo Bulhões Junior (PMDB). O cunhado, Geraldo Bulhões, foi governador de Alagoas (1991-1994). 

A médica Renilde Bulhões foi diretora da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) entidade que foi criada por Fernando Collor quando foi prefeito de Maceió (1979-1982). Ela pode ser a terceira mulher alagoana a assumir a vaga de senadora. Antes ocuparam o cargo Heloísa Helena e Ada Melo, suplente de Collor em seu primeiro mandato. 

A segunda suplência do senador Collor é também um ex-prefeito com tradição política. Trata-se de Severino Leão que administrou a cidade de Arapiraca por dois mandatos. Leão é filiado ao PMDB, partido do governador Renan Filho e do vice Luciano Barbosa e irmão do ex-deputado Demuriex Leão. Seu sobrinho, Fabiano Leão (PMDB) está no segundo mandato de vereador em Arapiraca.   

O senador Collor disse que é um dos momentos mais importantes da sua vida pessoal. “Hoje, a minha decisão está tomada: sou, sim, pré-candidato à presidência da República". O anúncio desta sexta-feira ocorre 25 anos após o processo de impeachment que culminou com sua renúncia do cargo em 1992. Ele fora eleito em 1989, na primeira eleição direta após a redemocratização do país.