D6b837bc 3476 4cf7 b5d0 1117ae698c54

Quantas vezes você ouviu os adeptos da teoria desarmamentista afirmarem que inexoravelmente quanto mais armas em circulação, mais homicídios ocorrem? Infinitas, não é mesmo? Pois bem, o Estado de São Paulo se torna mais um exemplo de que essa afirmação é, como sempre dissemos, absolutamente falsa!

De acordo com reportagem exibida pela desarmamentista GloboNews e divulgada pelo portal G1, também da Globo, de acordo com os dados divulgados pela Polícia Federal, São Paulo tem o maior número de armas em circulação. O tom alarmista da matéria, como sempre, busca trazer crítica e infundir o medo nas pessoas. Fico até imaginando a carinha de horror do jornalista ao escrevê-la. Pois bem, o que a matéria não aborda, óbvio, mas que é abordada em outra matéria também do G1 é que é exatamente São Paulo a Unidade da Federação com o menor índice de homicídios no Brasil e com a maior taxa de redução desse indicador na última década! Mais uma vez os fatos – esses malditos fatos! – provam exatamente o contrário do que é repetido à exaustão pelos tais “especialistas” tão queridos pela imprensa.

Que pese ainda a constatação que a região nordeste, que possui o menor número de armas legais e foi campeã na entrega de armas nas campanha governamentais, segue como o mais violenta do país. Falei disso no artigo Homicídios: a triste lição nordestina.

Não! Não estou afirmando que é essa quantidade de armas em São Paulo – que é baixíssima em relação à gigantesca população paulista – é a responsável pela redução. Há outros fatores que claramente garantiram essa redução, entre elas cito três: política de segurança pública continuada, resolução de homicídios e encarceramento de criminosos. Sim, para o terror dos abolicionista penais o estado tem 40% de todos os presos do Brasil. Só seria possível comprovar os efeitos benéficos da presença de armas nas mãos certas com estudos, mas não há entre pesquisadores renomados nenhum interesse em fazer isso, preferem a cantilena ideológica mesmo. Por outro lado, repito, a tese que mais armas causam mais crimes, mais uma vez se mostra fracassada e indefensável. O resto é mimimi de sociólogo progressista.