19d2cae6 de81 43d0 bf36 ad340c33a835

Finalmente chegamos em 2018, um ano eleitoral que promete fortes emoções. Pela primeira vez na história teremos candidatos à presidência com claro posicionamento favorável a posse de armas pelo cidadão. Desde a redemocratização, com exceção de Enéas Carneiro, nunca tivemos nenhum candidato francamente favorável ao direito de defesa nas mãos da população com real chance de vitória. Entre os pré-candidatos atualmente na disputa temos não apenas um, mas três candidatos com esse posicionamento! São eles: Jair Bolsonaro, João Amoedo e Alvaro Dias.

Não bastasse isso os dois principais projetos de lei que tramitam no Congresso e que acabam com o fracassado Estatuto do Desarmamento são simplesmente os mais apoiados popularmente. As propostas do deputado federal Rogério Peninha e do senador Wilder Morais bateram todos os recordes históricos de apoio entre os eleitores brasileiros. Nenhuma surpresa por parte de quem acompanha essa história há mais de 20 anos ou assiste constantemente os massacres ocorridos em qualquer votação ou enquete espontâneas realizadas, incluindo aqui algumas feitas pela poderosa Globo News que, ao vivo, são simplesmente arrasadoras em favor das armas.

E eis que hoje, no meu último dia das pequenas férias que tirei, aparece uma pesquisa do Datafolha – carinhosamente apelidada de Datafalha nas últimas eleições – afirmando que a maioria da população continua favorável ao desarmamento. Faço aqui uma curta pausa para não soltar um longo e sonoro palavrão... Bom, continuemos. Primeiramente, se isso fosse verdade, o resultado do referendo teria sido outro e não foi! A maioria absoluta e inequívoca da população disse não ao desarmamento e ponto final. Foi o mesmo instituto de pesquisas que afirmava em julho de 2005, portanto há menos de três meses do referendo, que “80% acham que o comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido”. Será que é necessário dizer mais alguma coisa? Ah! Isso sem levar em conta a credibilidade de uma reportagem que não consegue saber sequer a diferença entre “porte” e “posse” de armas, pois ora usa uma, ora usa a outra para a mesma “pesquisa”.

Qualquer um que conheça alguma coisa desse tipo de pesquisa sabe que é muito fácil dirigir as perguntas para se obter a resposta desejada e, acredito, seja exatamente isso que tenha ocorrido embora confesse que não tive acesso à íntegra da mesma e a bem da verdade nem quero. Mas então qual o porquê dessa história? Qual o objetivo desse tipo de “pesquisa”? Respondo! O primeiro objetivo é dar sustentação para os discursos desarmamentistas dos – cada vez mais raros - candidatos que possuem isso como mote de campanha. E o segundo é tentar influenciar outros candidatos “indecisos” a se posicionarem favoravelmente à insustentável tese das restrições.

A estratégia empregada pela Folha é completamente furada e só funcionou no passado quando a opinião publicada era confundida com opinião pública. A Internet e as redes sociais acabaram com isso, acabaram com o monopólio da “opinião pública” forjada nas reuniões de pautas dos grandes veículos de imprensa nos barzinhos badalados do Leblon ou da Vila Madalena. O choro é livre e Feliz 2018 para todos!