Foto: Internet Ed68acc5 2911 440b 8a4c 0d98f6301fab Alagoas

O ano começou com diversos ajustes nas cidades alagoanas após os novos prefeitos tomarem posse das administrações. E com os ajustes também vieram os decretos de emergências, que passaram a ser investigados pelo Tribunal de Contas de Alagoas (TCE/AL) a pedido do Ministério Público de Contas em Alagoas. Uma comissão foi formada para fiscalizar as prefeituras que decretaram situação de emergência financeira e administrativa. Ao todo sete municípios publicaram decretos emergenciais neste início de ano, são eles: Água Branca, Cajueiro, Colônia Leopoldina, Japaratinga, Olho D’Água do Casado, Porto Real do Colégio e São Miguel dos Campos.

A primeira mulher a assumir o cargo de presidente do Tribunal de Contas de Alagoas (TCE/AL) tomou posse no dia 02 de janeiro. A conselheira Rosa Maria Ribeiro de Albuquerque foi eleita  para o biênio 2017/2018.

Os sertanejamos comemoraram a chegada das chuvas no mês de março que possibilitou um alívio para as famílias que vivem do campo. E assim as fortes pancadas de chuvas continuaram em todo o estado até o mês de julho. Essa foi a época mais chuvosas já registrada em todo estado após um longo período de estiagem. Na capital, onde o nível dos reservatórios estava bastante crítico, as águas trouxeram alívio, mas também muitos estragos com deslizamentos de barreiras e desabamento de casas. Essa situação também foi registrada nos municípios de Pilar e Marechal Deodoro. 

 

 

Com a situação provocadas pelas chuvas, Alagoas recebeu a visita do presidente Michel Temer que se reuniu com o governador Renan Filho e o prefeito Rui Palmeira.

E o ano também foi marcado por protestos promovidos pelos movimentos sociais contra os projetos e reformas implementadas pelo Presidente Michel Temer. As duas de maiores destaques foram as reformas trabalhistas e a da Previdência, que motivaram o bloqueio de vias públicas e caminhadas. 

Os moradores dos município de Teotônio Vilela e Junqueiro e também de todo o estado choraram a morte dos seis mortos durante um gravíssimo acidente ocorrido no mês de março no da AL 110.  A colisão envolveu dois ônibus que fazem transporte de estudantes das cidades de Junqueiro e Teotônio Vilela. Os dois veículos colidiram frontalmente, e transportavam estudantes dos dois municípios,  o de Junqueiro estava indo para uma faculdade em Arapiraca, o de Teotônio Vilela retornava da mesma cidade. 

A febre amarela chegou assustar os maceioenses depois que um macaco foi encontrado morto em área de mata. A morte provocada pelo vírus da doença foi confirmada pela Secretaria de Saúde e um monitoramento foi montado pela Coordenação de Entomologia do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ Maceió). Apesar desse registro, a doença não foi diagnosticada em nenhum popular. 

Oitenta municípios alagoanos foram escolhidos para receber o Programa Criança Feliz, promovido pelo Governo Federal, que visa fortalecer os cuidados das crianças de famílias menos favorecidas nos primeiros anos de vida. Objetivo do projeto é acompanhar gestantes e a vida das crianças de famílias cadastradas no Bolsa Família para estimular competências necessárias garantindo que as crianças recebam educação e outros benefícios para um melhor desempenho no desenvolvimento. 

Os donos dos food trucks ganharam espaço regulamento depois que a Câmara Municipal de Maceió aprovou o projeto e a prefeitura sancionou a regulamentação da destinação dos espaços. A regulamentação definiu área, distância entre os caminhões, horário e local de funcionamento.

As cidades de Arapiraca, Palmeira dos Índios, Craíbas, Taquarana e Coité do Nóia ficaram as escuras na madrugada do dia 21 de março após uma pane na linha de alta tensão que abastece parte do Agreste.  O apagão foi registrado por volta das 2h15 e durou mais de duas horas. 

A Zona Azul em Maceió não passou da fase de experiência e o  Ministério Público Estadual propôs uma Ação Civil Pública com pedido de liminar solicitando a anulação do contrato celebrado entre a prefeitura de Maceió e a empresa responsável pela cobrança da zona azul, além de pedir o cancelamento da implantação dos estacionamentos rotativos pagos. O projeto ainda continua sem ser implantado. 

E continuando a fiscalização, a prefeitura retornou com os pardais eletrônicos em diversos pontos da cidade para coibir o excesso de velocidade dos motoristas. A fiscalização funcionou durante todo o ano, sendo suspensa algumas vezes por decisão da Justiça a pedido do Ministério Público Estadual. A última suspensão ocorreu agora no final do ano. 

O Instituto do Meio Ambiente (IMA) passou a cobrar com maior rigor o encerramento dos lixões em Alagoas e atuou diversas prefeituras alagoanas para que o descarte do lixo fosse realizado de forma adequada. Diversos municípios atenderam ao chamado e o que tudo indica é que em 2018 muitos outros lixões sejam encerrados. 

Os taxistas tentaram barrar o funcionamento do aplicativo Uber em Maceió, mas atividade foi regulamentada a nível nacional e municipal depois de diversos conflitos, que envolveram agressões de motoristas e protestos. Atualmente as corridas feitas pelo aplicativo tem sido uma alternativa de transporte para população. 

Alagoas teve um representante na 17º edição do Big Brother Brasil (BBB).  Luiz Felipe Ribeiro, 28 anos. Luiz já foi Mister Alagoas e foi eliminado durante o meio da competição. 

O Ministério Público Estadual (MPE/AL) mirou a sonegação fiscal e criou o Grupo de Atuação Especial de Combate à Sonegação Fiscal e aos Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Conexos, o Gaesf. O colegiado já começou a funcionar em parceria com outras instituições, a exemplo da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz). O resultado foi uma mega operação que identificou a participação de empresários, servidores públicos e contadores em um grande esquema de corrupção e sonegação de imposto. 

Durante transcorreu na Câmara Municipal de Maceió a investigação da Comissão Especial de Inquérito (CEI) dos Combustíveis, que concluiu que existem indícios de ilicitude na prática de combinação de preços de forma dolosa por donos de postos de combustíveis na capital, mas reconhece que não possui mecanismos suficientes e legais que tragam provas conclusivas para caracterização da prática de cartel. 

A nova Estação de Jaraguá passou depois de muitos anos desativada. O projeto foi em parceria entre a Companhia Brasileira de Trens Urbanos de Maceió (CBTU) e a Prefeitura de Maceió, que viabilizaram o novo trecho Maceió-Jaraguá-Maceió.