2bfd629a 0895 4b2d 9b7f d596d21881f9

 

Ultrapassando a marca do ano passado, a Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (DRN), da Polícia Civil, apreendeu no ano de 2017 mais de 2,5 toneladas de drogas, em Alagoas.

Segundo o delegado Gustavo Henrique, titular da DRN, os dados contabilizados até sexta-feira (15), demonstram que foram apreendidos 2.523 quilos de maconha, 22 quilos de crack e 21 quilos de cocaína, em operações da Polícia Civil, por meio da própria DRN, outras equipes da PC, e também aquelas integradas com a Polícia Militar.

Gustavo Henrique revela que a delegacia que comanda instaurou este ano 290 inquéritos, concluindo 241 deles. Deste total, 230 apontam a autoria do crime, e apenas 11 deles foram concluídos sem autoria.  Este trabalho resultou em 425 prisões, sendo 348 homens e 77 mulheres. Além disso, foi apreendida grande quantidade de armas e munições.

O delegado diz que houve várias operações importantes, no período, com a desarticulação de diversas organizações criminosas envolvidas com tráfico de drogas. “Destaco a operação em que foram presos Clebson Vieira da Silva, conhecido como “Quebrado”; Raika Barros Calixto; Jair Marques Pinto Júnior, o “Vaqueiro”; e aprendida uma menor com 17 anos. Foram apreendidos também 377 kg de maconha enviadas para Alagoas por um traficante que se encontra foragido, há quase dois anos, mas ainda continuava remetendo grandes quantidades de drogas para o Estado”, afirmou.

Para Gustavo Henrique, o aumento do número de prisões e apreensões ocorre porque os traficantes passaram a adotar a estratégia de fracionar cada vez mais as drogas, para tentar evitar perdas maiores com grandes apreensões. “Ainda assim, a quantidade de drogas apreendidas é bem maior do que do ano anterior, o que demonstra que a atuação no combate ao narcotráfico tem sido cada vez intensificada pelas forças de segurança do Estado”.

Delegado Gustavo Henrique, ao lado do delegado-geral e do secretário de Segurança e do comandante-geral, fala sobre tipos de drogas.

A novidade este ano, de acordo com o delegado, é o aumento na entrada da droga conhecida como Skank, que, na verdade, não se trata de uma droga nova, mas um tipo de maconha mais concentrada, devido a forma como é cultivada. “Enquanto a concentração de THC da maconha comum varia de 2 a 4 por cento, a da Skank varia de 14 a 15 por cento, podendo chegar em certos casos a 30 por cento. Daí também ser conhecido como super maconha”, explica.

O delegado ressaltou ainda que para o sucesso do trabalho, além dos esforços das equipes da própria delegacia, foi muito importante o apoio recebido da parte do delegado-geral Paulo Cerqueira, do secretário de Segurança, coronel Lima Júnior, e demais instituições que compõem a segurança pública estadual.

Já o delegado-geral Paulo Cerqueira destacou a política de combate às drogas, desenvolvida pelo governo Renan Filho, inclusive com a construção da Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (DRN), que está sendo feita juntamente com a do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de Alagoas, na Chã de Bebedouro, e cujas obras – orçadas em R$ 6,3 milhões – devem ser concluídas no mês de fevereiro do próximo ano.

“A construção da DRN e do DHPP vai possibilitar à nossa instituição uma melhor estrutura de trabalho, e assim teremos condições de prestar um serviço cada vez melhor à sociedade alagoana”, disse o delegado-geral.

*Com assessoria