Luciana Gonçalves 0b2c0f6e 9592 4222 8f0e cc962f2cd7a0 A cidade vista do "Velho Chico"

Seu nome de origem é Carrapicho e ao tornar-se emancipada do município de Neópolis em Sergipe o nome da padroeira, Senhora Santana e o Rio São Francisco deram nome a cidade da arte do barro do Nordeste, Santana do São Francisco. A cerâmica propagou-se na região, transformando-se logo em fonte produtiva do ponto de vista econômico, gerando emprego e renda, tornando-se conhecida também como manifestação da cultura popular nordestina. 
 

O advento da cerâmica em Carrapicho proporcionou o aumento de sua população, em decorrência de volumes de pessoas que ali buscavam a terra para morar e trabalhar, passando assim a definir o povoado. O crescimento do povoado Carrapicho, segundo seus moradores, deu-se pela disponibilidade da terra, que provocou a chegada de um grande número de pessoas a procura de trabalho e melhores condições de sobrevivência, configurando assim a povoação da cidade.

 A matéria prima para a fabricação das peças é retirada da Várzea, localizada no município as margens do “Velho Chico”, segundo informou Roberto Batista Cruz, que está fazendo uma pesquisa para escrever um livro contando a história do município.   O trabalho artesanal de moldagem, escultura se espalham em várias casas no centro da cidade e pode ser visto naturalmente pelos visitantes.
 

Suas primeiras ruas tinham denominação típica das pequenas cidades do Nordeste. Rua do Penico; Rua Compra Fiado; Rua da Arapiraca, Rua do Quadro; Rua da Bananeira, Rua do Cajueiro, dentre outros nomes flocloricos. Na década de 70, as manifestações em Santana do São Francisco, ocorreram inconsequência dos acontecimentos, nas esferas Nacional e Estadual. É nesse período que a CODEVASF se instala com o objetivo de dar apoio à região do Baixo São Francisco, através da realização do Projeto de Colonização e Irrigação, no qual o município está inserido. 
 

Na época, com a indenização das terras, levada a termo pela CODEVASF, o povoado Carrapicho recebeu um considerável contingente populacional em busca de trabalho na piscicultura e no cultivo do arroz. Em 1977, o governo do Estado implantou a Cooperativa Artesanal de Carrapicho, visando incentivar e dinamizar a fabricação de artefatos de cerâmica.

 

Entretanto esses objetivos não se concretizaram e a experiência cooperativista fracassou em decorrência do descrédito dos associados. Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Santana do São Francisco, pela lei estadual nº 1254, de 06-04-1964, desmembrado de Neópolis. Sede no atual distrito de Santana do São Francisco ex-Povoado de Carrapicho. Constituído do distrito sede. Instalado em 01 de janeiro 1983  Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Santana do São Francisco, pela lei estadual nº 1254, de 06-04-1964, desmembrado de Neópolis. Sede no atual distrito de Santana do São Francisco ex-Povoado de Carrapicho. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1983. 

 

Como chegar a Santana do São Francisco
 

O município se estende por 45,6 km² e contava com 7 038 habitantes no último censo. A densidade demográfica é de 154,3 habitantes por km² no território do município.
 

Vizinho dos municípios de NeópolisPenedo e Pacatuba, Santana do São Francisco se situa a 5 km a Sul-Oeste de Penedo a maior cidade nos arredores no estado de Alagoas. Situado a 85 metros de altitude, de Santana do São Francisco tem as seguintes coordenadas geográficas: Latitude: 10° 18' 54'' Sul, Longitude: 36° 36' 48'' Oeste.

 

A passagem de lancha entre Penedo e Santana do São Francisco custa R$ 3,50 por pessoa, e o percurso é de 15 minutos. As lanchas saem nos dois percursos de 10 em 10 minutos. Durante o percurso de travessia a paisagem do Rio São Francisco e as duas cidades é um espetáculo da natureza para os olhos.