Mike Luckovich 18401f9e 4190 4a38 8029 87b619a55e77 Desigualdade

Enquanto o Estado de Direito se liquefaz e garantias básicas são exterminadas pela caneta do, talvez, mais reacionário Congresso que esse País já possuiu, muitos preferem se preocupar com a neutralidade (sic) do ensino e punir quem manifestar qualquer opinião que "induza o pensamento” de alunos em sala de aula.

Há quem fale em tipificar o crime de “assédio ideológico” e compare a discussão política na escola ao “assédio sexual” por medo de que os alunos sejam doutrinados para defender ideologias de esquerda ou se transforem lideranças estudantis. Tal neutralidade (sic), na sua máxima expressão política, é uma mera tentativa de isolar a possibilidade do debate e conduzir os estudantes a uma “verdade única” sem questionamentos. É apresentar conclusões aos alunos, sem testes e antíteses, limitando a opinião e a formação crítica.

A escola sem partido tem consequências terríveis, haja vista o que fizeram aos economistas e, consequentemente, com à política econômica de nosso País. Inequívoco que as maiores consequências da ruptura dos direitos sociais, trabalhistas, previdenciários, democráticos e de confiança nas instituições que desestabilizaram o Brasil vieram de uma avassaladora crise econômica. Porém a crise não veio da corrupção, sabidamente histórica, cultural e estrutural em nosso País. A “coisa” só degringolou quando faltou dinheiro, quando a economia sacudiu. Enquanto roubavam na fartura, ninguém reclamava, nem batia panela e o Brasil tocava a sua vida da maneira que podia.

Muito antes de se falar em doutrinação ideológica, as cátedras dos cursos de economia em nosso País já eram preenchidas por alunos “neutros” (sic). Futuros economistas que não foram confrontados com alternativas às políticas contracionistas que eliminam de toda a forma o gasto público com educação, saúde e “bem-estar social”. Futuros economistas que só sabiam enfrentar a inflação com desemprego, que só encontravam respostas olhando para gráficos cartesianos onde não cabem os aspectos estruturais de nosso País. Futuros economistas que foram doutrinados a só buscar reduzir o papel do Estado na economia para sobrar mais dinheiro para o pagamento dos juros.

Os nossos economistas brasileiros foram, nas faculdades, universidade e centros de pós-graduação, doutrinados pela lógica do mercado liberal, do estado mínimo que joga para debaixo do tapete a chaga social de que a camada 1% mais rica da população brasileira detém 28% da riqueza do País.

Tal lógica não tem soluções para o 25,4% da população brasileira que em 2016 viveu com menos de R$ 387,00 por mês, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Essas externalidades (sic) não serão resolvidas pela lógica do plano de saúde ou do colégio particular, cujos custos têm que ser arcados pela já tão massacrada classe média.

A doutrinação dos economistas é tamanha que a maioria dos mais aclamados cursos de mestrado e doutorado em economia sequer corrigem as provas de “formação histórica e econômica do Brasil” dos candidatos ao seu ingresso.

Isso mesmo! Acreditem! Muito pior do que o ENEM onde não se pode zerar na redação, os candidatos a uma vaga em alguns centros de pós-graduação podem se dar ao luxo de desconhecer os motivos pelos quais diversos planos econômicos fracassaram e porque nos encontramos em situação de extrema desigualdade, pobreza e estagnação. Em verdade, se souberem as fórmulas matemáticas e decorarem bem as regras cartesianas, podem desenhar uma carinha sorridente na “redação” da prova e, mesmo assim, estarem aptos a se tornarem mestres e doutores.

Não é por coincidência que justamente os “mais proeminentes e famosos” economistas que ditam a política cambial, de juros e fiscal, se formaram em algumas das escolas “mais proeminentes e famosas” do País que desprezavam a nota da já desprezível matéria de “formação história e econômica do Brasil”.

Sim, sem dúvidas, somos uma nação fadada a repetir os mesmos erros do passado, certamente na economia e talvez, quem sabe, em todo nosso sistema educacional.