3b9811b1 2372 462f bf1e 2d7cbc6b86bd

O blog  raizes da africa vai repetir o que muitos órgãos da imprensa já noticiaram:

Em Alagoas, um jovem negro tem quase 13 vezes mais chances de morrer assassinado do que um jovem branco.

 A informação é do Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência 2017 (IVJ 2017), elaborado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), Secretaria Nacional de Juventude da Presidência da República e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

 O índice divulgado nesta segunda-feira (11/12) nos fala  de uma população segregada. Corpos feito  números. Meras estatísticas. Expõe a letalidade juvenil de pret@s.

A pesquisa nos alerta  que  morrem mais pret@s do que branc@s, na terra de Zumbi. Então dá para constatar, cientificamente, que existe algo fora de ordem.

A  violência contra a juventude preta das Alagoas já explode em números alarmantes. É como um processo de desfiguramento de mais da metade da nossa população.

Os discursos de paz perdem seus significados, quando essa paz é seletiva, Excelência.

É preciso sair do lugar de conforto.

Há um genocídio em curso, negligenciado e consentido da juventude preta, nas terras de Zumbi.

Nós, do Instituto Raízes de Áfricas sugerimos a Vossa Excelência a criação de uma Mesa Preta Especial de Negociação, visando  estabelecer um fórum  entre as representações da sociedade civil, conhecedoras e atuantes na questão e o Governo, tendo como objetivo a execução de um Planejamento Estratégico para que  mais muitas vidas sejam poupadas.

Ações além da Segurança Pública.

Precisamos falar sobre a efetivação real de políticas públicas especificas para o povo preto, como Política de Estado, na busca da equidade, entre as gentes. E a busca da equidade pede o olhar estatal às desigualdades raciais.

Precisamos dialogar, sobretudo sobre Racismo Institucional.

Para o seu Governo Vidas Pretas  importam, Excelência?