Internet 3eb6edc2 e635 49f9 a728 72fcbf4b0cf7 O Estado conta com 102 municípios, onde o que se ouvem são lamentações

Já é tempo da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) convocar alguns prefeitos do Estado, a exemplo de Eduardo Tavares (Traipu), Vinícius Lima (Canapi) David Barros (Girau), Oliveiro Piancó (Igaci), Júlio Cezar (Palmeira), Adelminho (Capela), Renatinho (Pilar) entre outros, a fim de palestrarem, sobre a receita de como estão administrando seus respectivos municípios tocando obras, pagando em dia servidores, prestadores de serviços, comissionados, além de fornecedores.  

Acredita-se, conforme temos acompanhado nos bastidores políticos e entre lideranças municipais e fornecedores, que mais de 80% dos nossos prefeitos estão sendo taxados de velhacos e incompetentes; sobretudo por não buscarem meios essenciais como alternativa de trabalho, que possam driblar os problemas administrativos existentes nas suas falidas Prefeituras.

“Hoje em Alagoas, só presto serviços para umas dez Prefeituras, porque sei que os prefeitos pagam; o resto é só dor de cabeça para receber” disse um empresário que lida no ramo de palco de eventos, depois de montar sua estrutura de trabalho na cidade do Pilar, para o Festival do Bagre que acontece neste final de semana.     

O curioso é que os gestores citados acima herdaram suas Prefeituras quebradas, cheias de pepinos e muitas broncas de dívidas perante a União. “Se não fosse o abacaxi que pegamos, nós teríamos hoje, muito mais serviços executados para o nosso povo nesses pouco mais de 11 meses de trabalho”, confessa o jovem Vinícius Lima, quem vem transformando Canapi num município modelo de trabalho no nosso interior.