Ilustração 3e0cd9e2 594d 4ad2 972a 01c9ee018147 Aluno leva, em média, 90 dias para realizar o exame de CNH

O Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do Estado de Alagoas (SindCFC-AL) protocolou, na terça-feira, 21, junto ao Ministério Público do Estado (MPE), um pedido ao promotor da Vara de Fazenda Pública do Estado de Alagoas, Sidrack Nascimento, para solucionar o longo prazo que os alunos esperam para realizar o exame prático de direção no Departamento Estadual de Trânsito (Detran/AL).

De acordo com o MPE, um aluno está levando 90 dias, em média, para realizar uma prova junto à banca examinadora de direção veicular, na categoria B. Sendo assim, o SindCFC pede para que o Ministério Público cobre da direção do Departamento de Trânsito as medidas necessárias para solucionar a situação que assola o setor e os postulantes à Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Segundo João Batista, presidente do Sindicato, uma tentativa de solução direta com representantes do governo já foi realizada, mas não obtiveram êxito. Ele acrescenta dizendo que a banca examinadora não consegue suportar a demanda de alunos formados nas autoescolas, o que acaba influenciando no tempo de espera. “O Detran/AL possui 16 examinadores para atender todo o estado. A demanda cresce consideravelmente a cada mês”, explicou.

O SnidCFC ainda explica que o estado atende por mês 4 mil processos para Carteira Nacional de Trânsito, o que significa, uma quantidade de 250 usuários para cada examinador.

A demora constante pode provocar efeitos negativos na hora do futuro condutor realizar o exame e, além disso, caso ele perca a prova, ainda deve esperar mais 15 dias para remarcar outro exame. Outro problema é que o prazo limite para concluir o processo é de 12 meses e caso ultrapasse esse tempo, deverá pagar taxas para reabertura do processo.