Foto: Ascom/IMA 89430751 0f07 47c1 881f cf699e4e96af

Após denuncias sobre o aparecimento de cobras venenosas, que teriam provocado pelo menos três acidentes em Maragogi, o Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA/AL), junto com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), o Batalhão da Polícia Ambiental (BPA) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), nessa quinta-feira(09), para verificar as denúncias.

De acordo com informações da assessoria de comunicação do IMA, o assunto se tratava de uma possível criação e soltura irregular. A fiscalização aconteceu na residência da pessoa denunciada. No entanto, não foi identificada nenhuma cobra, nem indícios de criação dos animais em questão.

Segundo informações de técnicos da Sesau, houve também o relato de que três pessoas teriam se acidentado e de que alguns animais teriam sido mortos pela população.

Diante disso, a Sesau organizou um ciclo de capacitação com os agentes de saúde do município, além de uma investigação junto às pessoas que foram acidentadas e a disponibilização de soro antiofídico no Hospital de Porto Calvo.

Segundo o gerente do setor de Fauna, Flora e Unidades de Conservação do IMA/AL, Epitácio Correia, a situação é incomum, porém não impossível de acontecer. “o aparecimento de uma quantidade significativa de cascavéis em um bioma que naturalmente não é o bioma de predileção da espécie não é comum. Isso é que está chamando a atenção”, disse.

Em Alagoas, as cobras cascavéis ocorrem mais comumente nas regiões da caatinga e no agreste.

Ainda segundo informações do IMA, as investigações no município de Maragogi sobre o surgimento das cobras terão continuidade, junto com o Ibama, o BPA e em parceria com a Sesau, para que se possa encontrar uma solução para o problema.

*Com Ascom/IMA

*Estagiária