Foto: Arquivo / Cada Minuto E223ac1e aada 4cea a4b2 dca45e5604f6 Tribunal de Justiça

O Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) negou o pedido de trancar a ação penal em favor de Francys John Almeida de Melodo, ex-gerente do Banco Bradesco, de São José da Tapera, acusado de participação no roubo à agência enquanto ainda era funcionário, em outubro de 2015. A decisão, em caráter liminar, foi publicada no Diário da Justiça da última sexta-feira (3).

De acordo com informações do TJ, consta nos autos que foi instaurado, em 26 de outubro de 2015,um inquérito policial a fim de investigar notícias sobre crimes de roubo e organização criminosa ocorridos no Banco Bradesco da cidade de São José da Tapera.

Ainda segundo os autos, em 29 de outubro, a Polícia Civil solicitou a quebra do sigilo bancário do acusado e, em 15 de dezembro do mesmo ano, pediu a sua prisão preventiva, tendo sido esta decretada pela 17ª Vara Criminal da Capital. Em 18 de fevereiro de 2016, a prisão foi revogada pela 17ª Vara e foram aplicadas medidas cautelares.

Segundo a defesa, Francys John sofre constrangimento ilegal por ter uma investigação “pesada” em seu desfavor. Para a defesa, a investigação é totalmente descabida e desprovida de mínimos indícios que demonstrem ser o paciente autor ou partícipe do crime, haja vista que, passados dois anos, não fora ofertada nenhuma denúncia em seu desfavor.

“O trancamento da ação penal mostra-se inviável em sede de decisório liminar, naturalmente em face do juízo de cognição sumária próprio desse instante processual, exceto quando a inequivocidade da ausência de justa causa for sobejamente flagrante, o que não vislumbro in casu”, explicou o magistrado Maurílio Ferraz.