Crédito: Vanessa Siqueira 61d61134 046c 4f78 b155 aa18aa7793a5 Superintendente da Polícia Federal em Alagoas

O superintendente da Polícia Federal Bernardo Gonçalves confirmou que os deputados estaduais que não comparecem, espontaneamente, a sede da Polícia Federal para prestar depoimento sobre o esquema investigado na Operação Surugate poderão ser  conduzidos coercitivamente.

Em entrevista a TV Gazeta, o superintendente afirmou que dois parlamentares – Edval Gaia e Severino Pessoa – não foram prestar esclarecimentos. A operação Surugate investiga um esquema de desvio de dinheiro na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE).

Segundo a PF, haverá uma nova intimação dos deputados e sendo novamente descumprida será feita a condução coercitiva. Os deputados são acusados no esquema de desvios de recursos da folha de pagamento onde beneficiários do Bolsa Família recebiam simultaneamente salários na ALE.

A operação foi resultado de uma auditoria da Controladoria Geral da União (CGU) na folha de pagamento da Assembleia. Levantamentos apontaram que os pagamentos realizados pela Assembleia a indivíduos cadastrados em programas sociais do governo federal, somente entre 2010 e 2013, ultrapassaram o montante de R$ 15 milhões.