67d294a2 91cd 4c09 84a8 b47981c042e3

Na manhã dessa segunda feira (30), a Secretaria Municipal de Segurança Comunitária e Convívio Social (Semscs) deu início ao ordenamento do canteiro central da Avenida Benedito Bentes, principal via de acesso ao Benedito Bentes II. Nesse primeiro dia da operação, 52 barracas que estavam fechadas ou funcionavam como bares foram demolidas.

A operação foi realizada de forma pacífica, uma vez que os comerciantes já haviam sido informados e notificados sobre a medida. O titular da Semscs, coronel Ivon Berto, afirmou que os bares demolidos funcionavam irregularmente, vendendo bebida alcoólica, sem controle sobre a presença de menores. “Estamos fazendo um trabalho criterioso, de forma pontual e sem traumas. O prefeito Rui Palmeira uniu os secretários de diversas pastas para fazermos uma operação integrada em benefício da comunidade do Benedito Bentes. Estamos aqui para possibilitar a dignidade para esses trabalhadores que estavam esquecidos há décadas”, disse.

A ação desta segunda-feira envolveu uma equipe composta por 15 fiscais, 60 guardas municipais, o diretor de Convívio Social, coronel Adilson Bispo, o inspetor geral da Guarda, Benedito Edson Cavalcante, e o secretário Ivon Berto, além de agentes da SMTT, que ordenaram o trânsito na região.

Nos próximos dias, os ambulantes serão realocados para o Mercado Público do Benedito Bentes I, onde serão disponibilizadas 67 bancas – identificadas pela Secretaria Municipal do Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária (Semtabes) como abandonadas. Além desses, serão demarcados no estacionamento espaços para atender os 210 feirantes cadastrados. A distribuição do local será definida por sorteio, a ser realizado com a participação da Associação dos Feirantes do Benedito Bentes II.

O diálogo com os ambulantes começou na semana anterior à operação, quando a Semscs realizou reuniões e apresentou o plano de ordenamento e o desenvolvimento de cada etapa. Além de ouvir as sugestões e necessidades da comunidade, eles mostraram os problemas causados pelo comércio irregular fora do espaço adequado, como obstrução de vias, falta de segurança e de higiene para os próprios ambulantes, clientes e transeuntes. Já no final de semana, os ambulantes foram notificados para deixarem o canteiro central e áreas adjacentes.

Para o diretor de Convívio Social, coronel Adilson Bispo, o ordenamento é primordial para o bairro. “Os feirantes compreendem a situação, por isso, temos a colaboração deles. Esperamos iniciar a transferência dos ambulantes já na próxima semana”, informou.

Já o secretário destacou os benefícios para quem realiza a atividade ambulante de forma legalizada. “A primeira vantagem é estar num local salubre, com calçamento, iluminação, segurança e condições de higiene”. Ele afirmou que está em negociação para que esses ambulantes já possam ter suas barracas padronizadas, “de forma que essa padronização facilite a vida dos vendedores e dos clientes. Por exemplo, cada ala terá uma cor, segmentada por tipo de produto comercializado, como frutas, verduras, peixes, de forma que seja de fácil acesso e identificação”, explicou.

Revitalização

Após a transferência de todos os ambulantes, o canteiro central vai passar por uma revitalização, com limpeza, poda de árvores, conclusão do asfalto, drenagem e desobstrução de galerias. “Precisamos preparar a cidade para as chuvas do próximo inverno, bem como promover a acessibilidade para cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção. Temos que pensar em todos de forma igualitária”, afirmou o secretário.

As ações estão sendo realizadas pela Semscs, em parceria com outros órgãos municipais – Secretaria Municipal do Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária (Semtabes), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente (Sedet), Secretaria Municipal de Infra Estrutura (Seminfra), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semds), Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum), Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), Superintendência Municipal de Energia e Iluminação Pública (Sima). A operação conta com o apoio das secretarias municipais de Governo (SMG), de Assistência Social (Semas) e de Comunicação (Secom).