Crédito: Agência Alagoas 25b88b42 517d 4b50 b736 5eca5896914b Cana de açúcar

Na tarde desta terça-feira, 24, sete usinas da Cooperativa Regional dos Produtores de Açúcar e Álcool de Alagoas (CRPAAA) entraram na Justiça, com um pedido de Recuperação Judicial, solicitando prazo de carência para renegociação de suas dívidas e assim tentar evitar falência. Duas empresas que atuam junto à manutenção e exportação da produção dos cooperados também ingressaram com a ação.

A direção da Cooperativa tem resistido quanto à decisão de ingressar com o medido de Recuperação Judicial. No entanto, a alternativa evita a falência das empresas desde que elas consigam mostrar viabilidade.

Em 2016, pequenos produtores realizaram um protesto em frente a  Associação dos Plantadores de Cana de Alagoas (Asplana), no bairro do Jaraguá, contra um possível calote de usineiros que mantêm uma dívida milionária com os trabalhadores. Em todo o Estado, 90% dos 7,4 mil produtores de cana também são pequenos fornecedores.

As sete usinas que entraram com a ação judicial são: Sinimbu, Sumaúma, Penedo, Porto Rico, Porto Alegre, Capricho e Seresta, que pertence à família do ex-governador Teotônio Vilela, e as empresas Coopertrading, responsável pelas vendas da produção, e a Mecânica Pesada Continental S/A, que realiza manutenções nas usinas.

Caberá a Justiça decidir sobre o pedido da Cooperativa e definir o processo de renegociação das dívidas, com novas datas para pagamento.