85c8a5d6 8970 43fe 8448 d1a0020fedf1 Prefeito teme um fracasso no comércio local caso se concretize a junção do BB

Moradores do município de Traipu, região Agrestina de Alagoas, vivenciam momento  de humilhação e falta de respeito por parte do Banco do Brasil. É que drasticamente a instituição bancária publicou há poucos dias, uma portaria, dando conta de que a partir do dia 20 de novembro próximo, quem quiser dispor de todos os serviços oferecidos hoje pela agência da cidade,  terá que se deslocar até Girau do Ponciano; pois a direção do órgão em Brasília, decidiu de maneira medíocre transferir todas as contas dos correntistas traipuenses para a agência de Girau.     

Na verdade, em Alagoas, o Banco do Brasil vem sendo alvo de muitas críticas por parte de vários prefeitos, apoiados pelos deputados, Ronaldo Medeiros (estadual) e os federais Ronaldo Lessa e Paulão, parlamentares que vestiram a camisa, sobretudo cobrando em Alagoas e no Congresso Nacional, respeito e satisfação para o povo. Isso porque o BB adotou uma política, a fim de transformar suas agências que sofreram ataques de bandidos, em Postos de Serviços. Isso resultou na debilitação da economia das cidades vítimas desse caso, visto que a população passou a operacionalizar suas finanças em outras regiões. Por conta disso, foi que no último dia 6, a Justiça determinou a reabertura por completa das agências de Canapi, Mata Grande e Piaçabuçu.

O prefeito de Traipu, Eduardo Tavares (PSDB) disse que foi informado pela Superintendência Regional do Banco do Brasil aqui em Alagoas, que em razão dos sinistros ocorridos de 2016 para trás e, devido ao fato do ex-prefeito (Marcos Santos) não haver repassado ao Banco o dinheiro dos consignados dos servidores públicos, fato que fez o BB judicializar o caso e, por isso, não pode mais fazer empréstimo aos quase 2.500 servidores da Prefeitura, levou a diretoria a decidir, no final do ano passado, pelo fechamento do Banco.  

“O fechamento está marcado para ocorrer dia 20 de novembro próximo, justamente em uma época em que o dinheiro público é tratado com respeito; circula dentro do município e em um momento que Traipu vivencia profundo clima de tranquilidade, paz e segurança! Esse ano jamais tivemos qualquer tipo de delito em nossa terra. Mas, nós vamos brigar! Estamos mobilizando a classe política e vamos à Justiça (ação popular), o Banco é de fomento! É do povo! Está em Traipu há 40 anos! Não vamos permitir que isso ocorra!” disse Eduardo Tavares, esperançoso para alcançar tal sonho, assim como os prefeitos de Canapi, Mata Grande e Piaçabuçu que este mês receberam o aval da Justiça, para que o Banco do Brasil reabra suas portas como agência bancária, e não como posto de serviço.