Ascom/ALE/Arquivo Dc3f697f a778 45ae 8deb 0c0c52fe429e Ronaldo Medeiros

A criação de uma Frente Parlamentar em defesa do Rio São Francisco e contra a privatização da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF) e da Eletrobrás, serão os temas de uma audiência pública promovida pela Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). A reunião será realizada na manhã do dia 24 de outubro, no Plenário da Casa de Tavares Bastos, e foi organizada com os esforços dos deputados Ronaldo Medeiros (PMDB), Francisco Tenório (PMN) e Inácio Loiola (PSB).

 

 O deputado estadual Ronaldo Medeiros (PMDB), que já chamou a atenção para o tema por diversas vezes no Plenário da ALE, entende que a degradação do Rio São Francisco é uma grande preocupação dos brasileiros. “O rio está morrendo! É preciso que busquemos medidas para minimizar com urgência essa triste situação e não permitir que o quadro se agrave ainda mais”, defendeu o líder do Governo na Assembleia Legislativa.

 

Medeiros defende um esforço conjunto, junto ao Governo Federal, em defesa da revitalização do Rio São Francisco. “É preciso que haja empenho em busca do apoio de todos os estados ribeirinhos para que cada um coloque a forma que pode colaborar, uma vez que o São Francisco revitalizado representará o desenvolvimento do semiárido de todo o nordeste”, enfatizou o deputado.

 

Quanto à privatização da Eletrobrás, o parlamentar entende que será um suicídio. “Privatizar será o mesmo que matar o rio e acabar com a nossa principal fonte de energia. Além disso, numa instabilidade política que estamos vivenciando em nosso país, vender a Eletrobrás não resolverá os problemas que enfrentamos, muito menos os rombos nos cofres públicos”, disparou.

 

Por fim, o deputado estadual Ronaldo Medeiros disse estar empenhado em mobilizar sindicatos, movimentos sociais, entidades de classe, e toda a sociedade para sensibilizar o governo federal. “Devemos juntar nossas forças e mostrar que o Rio São Francisco é do povo, e representa a vida de milhares de famílias que dele tiram o seu sustento. Não podemos parar enquanto não devolvermos a vida do rio e a esperança do povo”, concluiu.