Ascom CMM 600c44db 64fd 474d 9dd6 da8d458888e7

 

A atuação em defesa dos direitos da criança e do adolescente em Maceió rendeu homenagem a duas instituições e duas personalidades que realizam esse trabalho na capital alagoana com a entrega da Comenda Amiga da Criança pela Câmara Municipal de vereadores. A sessão especial aconteceu nesta segunda-feira (9), no Plenário da Casa. A Comenda Amiga da Criança foi proposta pela vereadora Tereza Nelma (PSDB) e aprovada pelos demais parlamentares.

 

A premiação, conferida a personalidades, entidades filantrópicas, instituições públicas e privadas, foi concedida ao Projeto Integração AABB Comunidade, ao Centro de Educação Ambiental São Bartolomeu (CEASB), à professora Alizete Maria Maneira Gomes, pedagoga e criadora da Banda Juntos Somos Nós, da Escola Municipal Dom Helder Câmara; e Zilmara Oliveira Lajes Pita, conselheira tutelar com vasto trabalho dedicado a crianças e adolescentes da periferia de Maceió.

 

“Mais uma vez me encho de alegria em poder homenagear instituições e pessoas que se dedicam a cuidar de crianças e adolescentes carentes de Maceió. Resolvi fazer a proposta de entrega da Comenda Amiga da Criança a essas entidades e personalidades porque também milito na causa e sei a importância de olharmos para uma parcela grande da população que não é vista pelo poder público e pela sociedade. Esse não é o país que queremos”, declarou a vereadora.

 

Paranaense e radicada em Alagoas há mais de duas décadas, a pedagoga Alizete Maneira Maria Gomes também é licenciada em Música pela Ufal [Universidade Federal de Alagoas]. Foi na música que a homenageada encontrou uma maneira de ajudar, educar e formar cidadãos com a Banda Juntos Somos Nós.

 

“O que dizer depois de uma homenagem como essa, aqui com amigos e meus alunos da banda e da Escola Dom Helder Câmara. São crianças e adolescentes carentes do Feitosa, mas que, naturalmente, precisam de oportunidades. Nós utilizamos a Banda Juntos Somos Nós para inserir socialmente e evitar que eles sejam alvos fáceis para o mundo da droga e criminalidade”, disse, emocionada, a professora Alizete Maria Gomes.

 

Um dos pontos altos da sessão foi o depoimento dado pela assistente social e pós-graduanda em políticas públicas, Joseane Macedo. Hoje aos 32 anos, ela contou que chegou ao projeto aos 10, e o Integração AABB Comunidade a fez descortinar um mundo que ela não fazia ideia de que existia.

 

“Eu era muito pobre. Em minha casa humilde, não tínhamos água e luz. Quando eu cheguei no projeto, aos 10 anos, foi meu bote salva-vidas. Não sabia o que era espaço de convivência, eu era tímida e retraída. Lá, no projeto da AABB, eu fazia oficina de teatro, música e fui vista. Com total interferência do projeto, terminei meus estudos, sou assistente social e pós-graduada em políticas públicas. Apesar da minha situação econômica e financeira não serem propícias, o projeto me mostrou que eu podia chegar onde eu estou. Por isso, só tenho a agradecer e dizer que o AABB Comunidade é um projeto não pode acabar. Eu sou a prova de que as crianças e jovens carentes podem virar cidadãos se lhes forem dadas oportunidades”, declarou, também muito emocionada Joseane Macedo.