51978441 756f 4260 b56e b9e207d6b551

Em nosso contexto atual conhecemos a história de Branca de Neve (Schneewittchen) por meio de Wall Disney. Porém, a fábula remonta a um conto de origem alemã, que já aparece no período medieval com várias versões orais. Os Irmãos Grimm (1785 -1863) compilaram algumas destas versões e fizeram algumas modificações, para publicação entre 1812 e 1822, dando a forma aproximada da versão difundida atualmente. O livro dos Irmãos Grimm apresenta várias outras fábulas e se intitula “Kinder-und Hausmärchen” que pode ser traduzido por: “Contos de Fada para Crianças e Adultos”.

A história da Branca de Neve é famosa e lembrada por todos porque remonta a estruturas primitivas e universais do comportamento humano. Assim como Caim e Abel, Branca de Neve também é um conto sobre inveja e o poder que ela tem para destruir outras pessoas. Na versão mais difundida atualmente uma Rainha Má possui um espelho mágico que sempre fala a verdade. Esta Rainha Má pergunta ao espelho quem é a mais bela, e o espelho responde sempre que é a Rainha, porém quando Branca de Neve completa 17 anos o espelho afirma que a Rainha é muito bonita, mas a mais bela é Branca de Neve. A partir deste ponto a Rainha passa a tentar destruir Branca de Neve.

A primeira tentativa de matar Branca de Neve foi por meio de um caçador contratado que não cumpre as ordens da Rainha ao ver a beleza de Branca de Neve. Na versão de Wall Disney a Rainha faz a segunda tentativa transformando-se em uma velha que oferece uma maçã enfeitiçada, mas na versão dos Grimm a Rainha tenta matar Branca de Neve também com uma fita que a aperta e também com uma escova enfeitiçada. A versão dos Grimm é mais interessante porque vemos maior esforço e empenho para destruir uma pessoa quando esta passa a ser vista com possibilidades de retirar apreços, elogios, ganhos (reforços) que uma pessoa já possui.

Todavia, o aspecto de destaque deste texto não é o sofrimento da Branca de Neve, mas a Rainha Má em potencial que existe em nós como dispositivo filogenético, que, evidentemente, pode ser reforçado e remodelado pela cultura e por processos ontogenéticos (aprendizagem).

Todos nós nos questionamos sobre nossa beleza e poder de sedução. Todos nós nos perguntamos: quem podemos seduzir e quem pode ser mais belo e sedutor que nós? Mas, não gostamos de nos ver como um Rei Mau ou Rainha Má que deseja destruir aqueles que nos superam por alguma razão, seja intelectualmente, fisicamente ou por meio de alguma habilidade.

Contudo, não é difícil imaginar como uma mulher casada se sente ao ver uma jovem amigável, de 17 anos, bem feita e inocente se aproximando de seu esposo. A jovem com lábios vermelhos destacados fala de modo apaixonante com aquele que a mulher ama. Ela nunca fala de sexo ou coisas obscenas porque é inocente e pura demais para isso. Mas, infelizmente toda essa pureza, recatamento e educação com o esposo da mulher soa para ela como uma ameaça ainda maior. Ela, na verdade, passa a ver perigo em cada gesto inocente e acredita piamente que existe malevolência nas expressões de pureza. Natural que esta esposa agora se observe mais no espelho e se pergunte sobre seu poder de sedução. A dor que muitas vezes se segue a resposta do espelho é tão intensa que qualquer um seria capaz de se compadecer da angústia desta esposa.

A esposa com autoestima arrasada rapidamente se transforma numa Rainha Má que deseja a todo custo eliminar as rivais ainda que sejam jovens e inocentes demais para entender contingências que acionam comportamentos destrutivos/agressivos em uma mulher mais madura.

Entretanto, olhemos para Branca de Neve com um olhar diferente. Não vejamos ela como uma mocinha tão pura e infantil. Vejamos ela como qualquer jovem que quer seu espaço. O jovem quase sempre é retratado como rebelde porque o comportamento de rebeldia muitas vezes lhe parece o único que permite reforçadores diante de poderes já estabelecidos e constituídos por longas datas. Ou seja, é comum para se afirmar precisar muitas vezes afetar aquele que já está afirmado. Este cenário por si só é agressivo e embora possa ser visto de formas diferentes um número considerável de pessoas acaba dando esta direção violenta.

Branca de Neve tem uma inocência conveniente. Ela ignora desejos (reforçadores naturais) e comportamentos possíveis das pessoas. Ela faz isso de modo tão escancarado que passa a ser violência. Imagine você amigo leitor ser homem e não ser visto como homem, ser mulher e não ser vista como mulher. As pessoas obesas e com deformidades passam muitas vezes por isso. Uma parte considerável das pessoas vêem os obesos(as) como pessoas legais, mas não os querem como namorados(as). O mesmo vale para os deficientes. Na maior parte dos casos as pessoas não fazem isso de propósito, elas simplesmente ignoram possibilidades porque preferem viver como Branca de Neve que não vê que todos somos seres movidos por finalidades. Todos nós temos potencialidades sexuais e fazemos grande esforço para sermos ao menos interessante para outros neste quesito. Quando uma pessoa desiste de ser interessante para outras ela está de fato adoecida. Mas quando o outro simplesmente ignora esta dimensão sexual da pessoa, ele sequer enxerga a pessoa como humano. Ela na verdade vê essa pessoa como um humano reduzido, um humano menor, um anão desprovido de sexualidade.

Anões desprovidos de sexualidade é como Branca de Neve vê os sete homens que lhe dão abrigo numa casa na floresta. Que tipo de ser humano adulto e inteligente enxerga uma relação inocente quando uma jovem bela chega numa casa com sete homens adultos que moram sozinhos no meio da floresta? É preciso muita inocência para anular possibilidades sexuais deste cenário ou é preciso naturalizar a capacidade de Branca de Neve de coisificar pessoas desprovendo-as de sexualidade.

Interessante é que esta sexualidade não está anulada em Branca de Neve. Tanto é que quando o príncipe aparece, junto com ele vem o romance, o beijo e o relacionamento. Então fica visível que Branca de Neve não é tão pura assim como parece. Ela sabe muito bem o que quer. Ela simplesmente finge não ver o que está posto diante de seus olhos. Branca de Neve é quase uma Yara que adora seduzir e ver os homens aos seus pés, mas mesmo que estes morram afogados ela verá a quase totalidade dos homens como anões desprovidos de sexualidade.

Branca de Neve não é obrigada a ter contato íntimo com os anões. Seria criminoso se fosse aqui defendido isto. Mas, fica claro a partir da relação com o príncipe que Branca de Neve não é a pureza infantil assexuada. Portanto, faz todo sentido a Rainha “Má” temer Branca de Neve. De fato, Branca de Neve é uma mulher muito esperta que ignora alguns homens e deseja ardentemente outros a ponto de despertar de um sono profundo.

Este sono pode ser simplesmente a autopercepção de Branca de Neve que agora entende, ao ver o Príncipe, que existe algo a mais nas relações entre homens e mulheres. Pena que os anões, que em algumas versões são ladrões, não foram capazes de desenvolver beijos que despertassem Branca de Neve para a vida dentro de um romance.

A Rainha “Má” nas versões mais modernas é madrasta de Branca de Neve. Isto ajuda ao leitor a se distanciar dos aspectos de competitividade sexual envolvidos na história e faz com que as pessoas se foquem mais na ideia exclusiva de inveja. Todavia, contada assim, a história parece vender a lógica que o invejoso é invejoso porque assim nasceu e não porque sofre o risco de perder algo que possui. Basta tirarmos a Rainha “Má” da posição de madrasta e podemos claramente ver a Rainha como uma mulher que se sente ameaçada. A Rainha ataca na tentativa de destruir porque não se sente capaz de competir. Qualquer pessoa é capaz de fazer isso embora não queiramos ser reis ou rainhas más.

O mal não é o demônio. O mal é fruto da inocência conveniente que enxerga o que quer e o que lhe interessa ignorando/desprezando as demais coisas. Branca de Neve é bem malvada quando ameaça aquilo que já está constituído. Mas não nos isentemos da possibilidade também de sermos reis ou rainhas “más” que por sermos incapazes de competir passamos a tentar destruir o outro. Às vezes aquilo que vemos como inimigo é na verdade algo que nos estimula a não deixarmos a bola cair, a não relaxar. A ameaça só é real se você não procurar desenvolver habilidades que lhe tornem tão interessante como Branca de Neve. Portanto se você é Rei ou Rainha saiba que Branca de neve também tem seu lado mau, mas isto pode ser um despertar para desenvolver talentos e não para pagar caçadores com a finalidade de destruir. Quando optamos pelo caminho da destruição sem enxergar que podemos também ser talentosos, nos tornamos bruxas e bruxos maus que vivemos a envenenar pessoas com maçãs enfeitiçadas.

Assim eu analiso, assim eu conto para vocês.