0183dea3 3578 4382 8b79 b7b1169da14c

“A Virada Cultural veio para ficar!” A afirmação é do governador Renan Filho, ao se referir ao evento realizado nos dias 16 e 17 pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), no bairro do Jaraguá, em Maceió, para celebrar os 200 anos de Alagoas. Ele prestigiou a festa que reuniu cerca de 50 mil pessoas por noite.

Renan Filho garantiu que a Virada Cultural será um evento permanente, promovido pelo Governo do Estado. Nesta primeira edição, mais de cem atrações se apresentaram em sete polos montados no bairro do Jaraguá.  

“Eu observei que a Virada Cultural é um grande sucesso, um evento lindo que reúne as melhores e genuínas tradições culturais de Alagoas. A Virada Cultural veio para ficar. A gente tem que fazer a Virada Cultural todos os anos, porque o povo adora e as pessoas estão felizes, pois resgata a nossa autoestima, apresenta as nossas virtudes na música erudita, na arte popular, no artesanato, na moda, na culinária”, declarou Renan Filho.

No domingo (17), o governador iniciou a visita à Virada Cultural prestigiando o polo de Música de Câmara instalada no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), onde assistiu às apresentações do Coro Prisma de Maceió e do Quarteto de Clarinetes da Manguaba, de Marechal Deodoro.

O operador de processo petroquímico Durvian Gomes Tavares Viana aprovou a programação multicultural do evento realizado em Jaraguá. “Foi perfeito, porque abrange todo o tipo de público, toda a demanda. E o Estado estava precisando disso: apoiar a cultura e desenvolvê-la, porque há muita carência. Com um evento desses, você consegue atingir todas as classes, todos os gostos”, avaliou Tavares, que esteve no polo Música de Câmara, no Iphan.

O maestro Gustavo Campos, do Coro Prisma de Maceió, já participou das diversas viradas culturais promovidas em São Paulo – “um movimento fantástico” – e confessou ter chegado a duvidar da capacidade do alagoano de realizar um evento desta magnitude.

“Quando eu soube que aqui ia ter eu pensei: ‘Meu Deus do céu, será que a gente consegue?’ E não é que a gente conseguiu! Eu creio que tudo ocorreu dentro dos conformes. Algumas falhas eventuais ocorreram, é verdade, mas a gente perdoa porque é a primeira execução. Tenho certeza que, nos próximos anos, se a gente tiver isso como tradição, será muito bom. O público em geral precisa conhecer essa miscelânea, essa diversidade de música e de arte em geral que temos. Foi algo fenomenal, estou felicíssimo”, declarou Campos.

Renan Filho foi à Virada Cultural acompanhado pelos secretários de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Hélder Lima; da Comunicação, Enio Lins; da Infraestrutura, Humberto Carvalho; do Planejamento, Gestão e Patrimônio, Fabrício Marques; e do presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Fábio Guedes.

Eles estiveram na Praça Dois Leões, onde um palco foi montado para as apresentações dos artistas alagoanos, dentre os quais, Carlos Moura, que cantou sucessos como Minha Sereia e Rosa de Sol. Em seguida, a comitiva prestigiou o estande gastronômico e de artesanato para depois seguir ao polo central, no estacionamento do Jaraguá, onde se apresentaram atrações a exemplo do cantor e compositor Dorgival Dantas.

“Vamos manter a Virada Cultural, não tem como acabar com um evento como esse. Esse ano, o Governo do Estado fez o Carnaval com o desfile do Pinto da Madrugada, fez o São João e agora está fazendo a Virada Cultural, ou seja, ficaram a cargo do Governo as grandes atrações culturais do ano”, finalizou Renan Filho.