3890c840 6578 4aed 8ceb e6b44f9de74e

Gheane Basílio é enfermeira pós graduanda em obstetrícia e fala pra gente a importância e algumas orientações acerca do aleitamento materno.

 

      O Ministério da Saúde ressalta que o aleitamento materno seja exclusivo e de livre demanda até os primeiros seis meses de vida da criança, pois o leite humano é prático, acessível, pronto para ser ofertado na temperatura ideal e além de tudo ainda fortalece o vínculo entre a mãe e o bebê.

      Gheane afirma: “Toda mulher possui condições fisiológicas de produzir leite, não existe nenhuma possibilidade desse leite ser fraco ou não possuir nutrientes necessários para suprir as necessidades do recém-nascido”.

      Sobre as vantagens do aleitamento, a enfermeira fala: “São inúmeras vantagens, tanto para a mãe, quanto para o bebê, protegendo a mãe durante puerpério, da depressão pós-parto, controle de peso. Favorece para ambos a troca de carinhos, uma comunicação com olhares repletos de satisfação.

     “Com o aleitamento materno exclusivo é possível prevenir doenças oportunistas e aumenta a defesa do corpo, além agir na produção de anticorpos que previnem alergias, infecções, diabetes, obesidade, desnutrição, entre outros.”

 

Como a família pode ajudar neste processo?

 

     “Quando nós falamos sobre o aleitamento materno, a mulher precisa de uma rede de apoio que contribua para que o aleitamento aconteça de forma tranquila, oferecendo condições físicas e psicológicas para incentivar a mulher a continuar amamentando para que esta siga firme em seu propósito com autonomia e o empoderamento necessário”, ressalta Gheane.

      É importante ainda salientar que o apoio nesta fase puerperal deve se fazer presente, para que o aleitamento materno seja contínuo, sem que haja introdução do leite artificial na etapa em que o bebe mais necessita, que é o desenvolvimento no inicio de vida.

     Sempre preocupada com os outros, Gheane Basílio lembra que é importante doar sempre que puder ao Banco de Leite Humano da Maternidade Santa Mônica, para que este tenha subsídios suficientes para fornecer alimento para outras mães que por alguma razão não conseguem amamentar seus filhos.

     Questionada sobre seu recado às mulheres, Gheane fala com sua voz serena: “Não desistam! Vocês conseguem! Apoiem as mulheres do seu convívio”.

 

      Gheane vivencia 18 anos de atuação em maternidades. Tem a humanização como o pilar de sua assistência. É um exemplo de profissional no que concerne a valorização da vida e no tratamento adequado as pessoas​​​​​, sobretudo às mulheres.