Ilustração/Ascom-TJ 390fef31 6e71 47af 9040 02028b94d44c Indenização

O supermercado Extra deve ressarcir em R$1.874, por danos morais, uma cliente que foi acusada injustamente de furtar produtos de uma loja da rede na capital. A decisão, da juíza Maria Verônica Correia, titular do 1º Juizado Especial Cível e Criminal de Maceió, foi publicada no Diário da Justiça desta quarta-feira, 13.

Conforme os autos, a mulher pagou suas compras e se dirigiu à saída da loja, quando um dos alarmes disparou. Neste momento, ela foi abordada por um segurança, que a conduziu para uma sala de modo grosseiro, em frente a todos os outros clientes.

Comprovado o engano, a mulher saiu do supermercado e registrou um boletim de ocorrência em uma delegacia. De acordo com a juíza, o Extra não apresentou nenhuma prova que demonstrasse a sua inocência.

“Tendo sido a vítima acusada injustamente de furto no interior de supermercado e conduzida a uma sala, de modo grosseiro, por preposto do ofensor (Extra), na presença de terceiros, caracterizado se acha o dano moral, pois tal procedimento acarreta à mesma sofrimento e humilhação, ofendendo sua dignidade”, ressaltou a magistrada.

*Com Dicom/TJ