C0a2d440 d9d0 47c5 bd19 9c5b51458a6b

 

 

Tatiana Rocha, praticante de jiu-jitsu e judô, conta para nós sobre os que é ser mulher com braços fortes e técnica. Vamos aprender com esta pequena-gigante?

  “Eu luto há mais de quatro anos. O esporte veio para a minha vida como uma válvula de escape. Foi um momento difícil e algumas pessoas ao meu redor estavam em um quadro depressivo, eu terminava absorvendo muito e o jiu-jitsu foi a forma que eu encontrei de não adoecer também.”

  Questionada acerca do preconceito, Tati fala que ele existe mas que este geralmente vem por pessoas que não conhecem o esporte ou por novatos. :”A minha equipe tem um acolhimento e um cuidado muito especial com nós, mulheres. Alguns novatos ficam com medo de treinar com meninas porque ficam com medo de tocar em alguma parte íntima sem querer ou de machucar.” Tatiana complementa, sorrindo: “E também tem aqueles, que geralmente são recém chegados, que temem ser finalizados ou não aceitam alguma instrução. Afinal, eu sou mulher, né?!”

  Sobre os benefícios gerais, afirma: “É uma forma dinâmica de sair do sedentarismo, de descarregar  energia acumulada pelo estresse cotidiano, bem como o esporte ajuda no controle da impulsividade e para nós, mulheres, é também um mecanismo de autodefesa e superação dos limites pessoais.

  Tatiana é um exemplo de garra, disciplina, amor ao esporte,respeito ao próximo e sobretudo de superação.       Uma grande lição de que sim, nós podemos! E podemos fazer sem perder o glamour, assim como ela e seus   dez lindos kimonos banhados com o suor de uma mulher que acredita em si.

   Foto: João Marcelo