B112c585 d417 498b 998f 3558d9e322f1 O ex-prefeito de Maceió e hoje reitor do Cesmac, João Sampaio com Marcelo

Estará a venda no Marcelo Cursos e no Colégio Pontual da Ponta Verde em Maceió, a partir da próxima semana, uma inédita coletânea das últimas quatro décadas em Alagoas, retratando as emocionantes disputas eleitorais no Estado. Trata-se do ‘livro  “Eleições em Alagoas- 1978 a 2016, com cerca de 300 páginas ao preço de 30 reais, lançado na noite desta sexta-feira, na Escola Superior da Magistratura, oportunidade em que seu autor, Marcelo Bastos recebera uma infinidade de convidados, como políticos, entre eles; o prefeito Rui Palmeira, o ex-governador e atual federal Ronaldo Lessa; professores, jornalistas, além de empresários e gente de toda parte, para um momento de autógrafo e de muita emoção, visto que houve uma exposição de fotografias das 20 últimas eleições, além de um telão com jingles de campanhas das referidas campanhas  passadas.

“O livro é uma narrativa real, isenta e feita por quem entende e se dedica ao estudo da ciência política em seus diversos contextos. O autor é um especialista na matéria e sabe,  como poucos, mostrar os fatos e fazer uma análise dos acontecimentos. Marcelo Bastos, que foi meu aluno de Direito Administrativo, é um empreendedor de sucesso. Recomendo a leitura do seu livro” comentou em seu blog, Pedro Oliveira.  Pedro acrescentou que trata-se de uma obra super recomendada; não apenas para políticos, mas para profissionais, estudantes e quantos se interessem em conhecer os fatos e números da política alagoana nas últimas quatro décadas.

Para quem não conhece, Marcelo Basto é empresário do ramo educacional. Marcelo Curso como é conhecido, é tido em Alagoas como um verdadeiro analista político, sobretudo atuando voluntariamente nas emissoras de rádio em dias de eleições como comentarista. Nessa inédita obra do segmento político em Alagoas, o autor do livro, investiu em 20 capítulos, cada um relatando os principais fatos e números de eleitos. “Percebi a dificuldade de encontrar informações acerca do tema, e por esta razão, mergulhei durante seis meses no Instituto Histórico e Arquivo Público de Alagoas em busca de recortes”, disse.