9b18113b 38df 4f2b 8da3 5d6bc22b3c7d

A municipalização da saúde foi um desafio para a gestão do prefeito de Maceió, Ronaldo Lessa [1993-1996]. Atender a população mais pobre e moradora da periferia só foi possível com ações como a implantação do programa de Agentes de Saúde para combate à dengue e a outras doenças. Com a construção de unidades básicas de saúde nos bairros foi possível levar a política de saúde municipal até o cidadão.

            O marco inicial na implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) em Maceió foi Kátia Born como a primeira secretaria de Saúde na administração Ronaldo Lessa. A gestão plena do SUS em Alagoas iniciou-se em Maceió, com autonomia dos recursos financeiros, inclusive com transferência para a gestão hospitalar pública e privada.

A implantação de programas extensivos à maioria da população foi uma das prioridades da administração do PSB. Como exemplos, a implantação do Programa de Saúde da Família (PSF) e a realização de concurso público para os profissionais. Em decorrência da implantação do PSF, houve um aumento significativo na cobertura do programa, que passou de 8% para 26%.

A reversão dos indicadores de saúde e entre esses indicadores o mais perverso a mortalidade infantil. As crianças que morrem a maioria são filhos (as) dos pobres, os excluídos de tudo, inclusive do direito de viver.  

        Alagoas possuía o maior coeficiente de mortalidade infantil do Brasil antes da posse do governador Ronaldo Lessa, em 1999. Era o campeão de mortalidade infantil, desnutrição e analfabetismo. De cada mil crianças nascidas vivas, 62% morriam antes de completar um ano; Lessa foi eleito e reeleito e no final do governo [1999-2006], a taxa de mortalidade infantil foi reduzida para 41,1 (Unicef - Avanços e Desafios: 2012)

        A politica implantada pelo governador era para concentrar todos os esforços na redução da mortalidade infantil; para tanto, passou a mobilizar a sociedade civil e as prefeituras, e a investir no aparelhamento das maternidades alagoanas. Foram adquiridos equipamentos para a rede hospitalar e a reestruturação de todas as unidades de terapia e cuidados intensivos.

         

Antes a mortalidade infantil em Alagoas era normal, a perversidade foi banalizada, sem que houvesse, por parte dos governantes, a mínima preocupação em reverter o quadro de calamidade e vergonha nacional.

A parceria estabelecida entre o governo estadual e o Fundo das Nações Unidas para a Infância – Unicef possibilitou a construção e a ampliação de uma rede com profissionais de múltiplas áreas e com expertise para, em pouco menos de uma década, reverter o quadro vexatório de Alagoas ser o estado com a maior taxa de mortalidade infantil e passar a ser o 17º no ranking da mortalidade infantil em 2008, com 21,5.

Maceió em 1991 de cada 1000 crianças nascidas, 60%  morriam no primeiro ano de vida, essa taxa foi reduzida para 15.0% em 2012. 

Essa conquista teve início no governo de Ronaldo Lessa e prosseguiu no governo que o sucedeu, o de Teotônio Vilela Filho.

As políticas públicas desde que sejam estruturadas surtem efeitos positivos no curte e médio prazo e a redução da mortalidade infantil é um exemplo concreto.