Assessori 0632a187 f7e7 429a 8fb1 49258906f17f Cleide Vieira

No verão, com o corpo mais exposto aos raios solares, principalmente pelo uso de roupas curtas e o início da temporada de piscina e praia, é comum a preocupação constante com a saúde da pele. No inverno, porém, o cuidado diminui um pouco, com a predominância de roupas grossas e cobertores, além da ausência de sede. Mas, calma lá, porque não é bem assim.

 

“O consumo de cerca de dois litros de água nesses meses frios é importante para evitar problemas renais, doenças de pele e desidratação”, recomenda Cleide Vieira, dermatologista da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

 

 

Essa, claro, é só a primeira dica. Mas tem muito mais. De acordo com ela, o clima frio nesta época do ano favorece o aparecimento de alterações na pele, que a tornam sensível e vulnerável às doenças, como alergias, coceiras, micoses, caspas, ressecamento e descamação.

 

“Durante o inverno, a umidade do ar fica menor e, consequentemente, as temperaturas mais baixas levam à diminuição na transpiração corporal. Assim, certas partes do corpo tendem a ficar secas e rachadas, fazendo com que a pele perca capacidade de desempenhar suas funções normais”, explica.

 

“Para piorar a situação é comum tomar banhos mais quentes, que além de provocar uma remoção da oleosidade natural de forma mais intensa, diminui o manto lipídico, cuja função é reter a umidade da pele”.

 

A temperatura mais baixa pode deixar a pele do rosto e do corpo com aspecto esbranquiçado, o que indica a desnaturação das proteínas. Para evitar tais sintomas é importante fazer hidratações profundas e, ao mesmo tempo, praticar uma alimentação saudável, rica em vitaminas e antioxidantes, que podem trazer benefícios em longo prazo.

 

A hidratação da pele é essencial para evitar ressecamento e criar fissuras e escamas imperceptíveis, que favorecem a entrada de pequenos organismos que podem fazer mal à saúde.

 

“O melhor momento para aplicação dos cremes ou loções hidratantes é logo após o banho, com a pele ainda úmida. Aplique pelo menos duas vezes ao dia”, orienta a dermatologista da Sesau.

 

Cleide Vieira explica que o fluxo de sangue na pele é maior enquanto se está dormindo. Isso porque, durante o sono, não se está exposto a agentes que ressecam a pele durante o dia, como o vento ou a poluição. Por isso, explica a dermatologista, é o momento de suavizar as rugas e hidratar a cútis, aplicando um anti-idade potente no rosto e um hidratante de boa qualidade no corpo.

 

O ativo hidratante mais comum é a ureia. Mas a médica faz um alerta. “Não deve ser usado por gestantes, porque penetra nas camadas mais profundas da pele e, com isso, pode atravessar a placenta, podendo causar danos ao feto. Por isso, antes de utilizar qualquer produto, o recomendado é procurar sempre um profissional associado à SBD [Sociedade Brasileira de Dermatologia], uma vez que cada pessoa reage de forma diferente às substâncias presentes nos cosméticos”, alerta.

 

Homens

 

Cleide Vieira diz que o protetor labial não é batom e todo homem deve usar também. Ao longo do dia, ele vai perdendo sua eficácia enquanto falamos, comemos ou bebemos. Por isso é importante aplicar uma camada à noite para garantir um resultado mais efetivo.

 

“O banho deve ser morno e ter duração média de 10 minutos, pois, mais do que isso, a pele começa a sofrer. Recomenda-se também o uso de sabonetes hipoalergênicos, neutros e com propriedades hidratantes. Para quem toma dois banhos por dia, o ideal é que o segundo seja apenas uma ducha rápida. Não precisa reaplicar o xampu, apenas passe o sabonete nas axilas e região genital”, aconselha a dermatologista da Sesau.

 

Cleide Vieira também salienta que o uso de esponjas ou buchas abrasivas deve ser evitado, assim como a fricção muito intensa das toalhas utilizadas na secagem do corpo. Pessoas com pele muito seca não devem usar o sabonete nas pernas e braços. O recomendado é ensaboar só as áreas íntimas, espalhando a espuma no restante do corpo.

 

Protetor Solar

 

E não é porque o clima está frio que o protetor solar vai ser esquecido. A intensidade dos raios UVA e UVB continuam altas e exige proteção. O B, do raio UVB, vem de burning (queimadura), e provoca queimaduras e vermelhidão na sua pele, principalmente das 10h às 16h. O grau de proteção dos filtros contra ele é indicado pelo FPS (fator de proteção solar).

 

Já o A, do raio UVA, vem de aging (envelhecimento), e atinge a camada mais profunda da pele, debilitando as fibras de colágeno e de elastina. Provoca envelhecimento, manchas e, como o UVB, câncer. Os raios UVA são emitidos na mesma proporção durante todo o dia e você reconhece a proteção por meio de cruzes (++) ou pela sigla PPD.