C4ade014 89d3 4278 be6c 3df3c33bbb08

Os filmes de guerra são retratados sempre de tal forma que nos conectemos com alguns personagens para sentirmos atraídos pela causa. Em Dunkirk, Cristopher Nolan reinventa este paradigma e nos traz a guerra nua e crua, onde as palavras não precisam ter apelo emocional. É a história quem sai por cima.

A trama retrata os 400 mil soldados aliados em uma operação denominada de Dínamo que foram evacuados sob intenso bombardeio da cidade francesa de Dunquerque até a cidade inglesa de Dover. Um desastre decorrente da invasão da França pelas forças nazistas em 10 de Maio de 1940, que avançou rapidamente devido à falta de efetiva resistência aliada. Sendo cercados e pressionados pelos alemães, a intenção inicial era evacuar cerca de 45 mil homens da Força Expedicionária Britânica em dois dias, mas, logo depois, o objetivo foi alterado para resgatar 120 mil homens em cinco dias. Civis de países e cidades vizinhas de Dunquerque foram convocados para resgatar os soldados. No total, mais de 300 mil homens foram salvos.

Um dos aspectos que chama mais atenção é que Christopher Nolan define um conto de narrativa não linear, em três núcleos distintos, o molhe, o ar e o mar, onde todos acabam se conectando de forma inteligente e clara a quem assiste. Mais que isso, Dunkirk não precisou do apelo “pornográfico” da guerra como nos filmes de Mel Gibson, onde tripas, pedaços de corpos e a espetacularização das explosões são tratadas como pirotecnia (não que isso tudo seja ruim, muito pelo contrário).

Nolan e Hans Zimmer, compositor da trilha sonora, formam um casamento perfeito e conseguiram chegar ao ápice em Dnkirk. É a real e pura experiência de assistir ao filme no cinema. A qualidade da mixagem de som, o real barulho das aeronaves sobrevoando por nossas cabeças, os tiros, as bombas explodindo a seco nos navios, na água e na terra são tão fortes que faziam nos sentir como se estivéssemos dentro do filme. A tensão está sempre presente.

 

 

E não é só o som das explosões e dos tiros que nos deixa apreensivos, a trilha de Hans e a tensão de perigo está sempre ali nos fazendo mexer as pernas involuntariamente. Assim como em “A Origem”, Nolan triplicou sua forma de deixar o espectador tenso, principalmente com as cenas de afogamento, presentes em todos os atos. A trilha de Zimmer também segue a premissa da Origem, com músicas inacabadas, trazendo a sensação que aquilo nunca vai terminar.

Por fim, Nolan não fez o seu melhor filme (prefiro A Origem), mas preparou uma obra de arte com uma das melhores fotografias que vi até hoje. O tempo reduzido de uma hora e meia de duração deixou a desejar, talvez pelo uso da tecnologia Imax que encareceu demais a produção. Mesmo assim, Dunkirk merece reconhecimento, pois ele pode ser vanguardista de uma mudança drástica de filmes de guerra.

Excelente