Foto: Divulgação/Arquivo 51342f91 3be8 4b68 add4 07f5f4db59d3 Heloísa Helena

Depois de alguns dias afastada das redes sociais, devido a uma lesão no tendão, a ex-vereadora Heloísa Helena (Rede) girou a metralhadora ao comentar as principais e mais recentes bombas da política brasileira, sempre lembrando que não tem “político corrupto de estimação”.

Sobre a decisão do juiz Sérgio Moro, condenando Lula corrupção e lavagem de dinheiro, HH sugeriu a leitura “repugnante, mas necessária”, dos 962 itens das 218 páginas “que comprovam a participação do ex-presidente nos crimes contra a administração pública”.  

“É muito cinismo, pois nós mortais que já trabalhamos muito, sabemos (inclusive eu, com mandato parlamentar) o real significado disso e das impossibilidades legais disso ser honestamente concretizado”, afirmou, rebatendo o argumento do petista de que os mais de R$ 9 milhões bloqueados de suas contas seriam fruto de trabalho.

Ao falar da liberação de emendas pelo presidente Michel Temer para “comprar parlamentares para roubar direitos dos trabalhadores e fugir da cassação”, comparou as atitudes do atual as ações dos ex-presidentes FHC, “que fez igual na emenda da reeleição e nas privatarias tucanas”; Lula, “com o mensalão, a reforma da previdência e para conferir foro privilegiado a Meireles”; e Dilma “com suas MP’s de reforma trabalhista e para fugir do impeachment”.

“A mesma tática que os iguala na metodologia de comprar parlamentares que têm etiqueta de preço na testa e também para estruturar o propinódromo que os faz ganhar eleições”, sentenciou, terminando o post com o tradicional ditado sertanejo: “Quem for podre que se quebre!”.