Foto: Agência Alagoas E28afa6b c374 4e50 9145 4bf1874b61c7 Unidades de ensino mais afetadas por enquanto são dos municípios de Marechal Deodoro e Pilar.

Em reunião com as Gerências Regionais de Educação (Geres), na manhã desta quarta-feira (31), a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) autorizou a antecipação do recesso escolar – que sempre acontece no mês de junho – para as unidades de ensino da rede estadual afetadas pelas chuvas que caem no Estado desde a semana passada.

A medida se aplica tanto àquelas que sofreram danos em sua estrutura física como às que tiveram seus alunos e servidores atingidos, seja pela perda de suas casas ou pela dificuldade para chegar à instituição de ensino.

A Seduc estima que, até a próxima segunda-feira (5), tenha o levantamento completo das escolas nesta situação. Dentre elas, estarão as de Marechal Deodoro e do Pilar. “Esta medida visa evitar prejuízos aos estudantes, visto que alguns perderam suas casas e outros se encontram impossibilitados de chegar à escola”, explica a superintendente de Rede da Seduc, Maridalva Campos.

Uma das unidades de ensino que encontra-se nesta situação é a Escola Estadual Rosa da Fonseca, em Marechal Deodoro. “Tivemos muitas famílias de nossa comunidade escolar atingidas, por isso, foi necessário haver esta antecipação”, comenta a diretora adjunta Lucila Maria Oliveira da Costa.

VisitaS

Nesta quarta-feira (31), um grupo de técnicos da Seduc e do Ministério da Educação (MEC) esteve no bairro do Vergel do Lago, em Maceió, e na cidade de Marechal Deodoro para verificar os danos ocorridos nas escolas daquele município. A equipe do MEC se encontra desde a terça-feira (30) em Alagoas.

O setor de engenharia da Seduc também percorre as unidades afetadas no intuito de promover os reparos necessários para que as mesmas voltem a funcionar. “Já estamos providenciando a recuperação das que sofreram danos menores. No caso das que foram atingidas com maior intensidade, estamos fazendo uma análise mais aprofundada acerca dos reparos necessários”, conta Djaci Magalhães, superintendente de Infraestrutura da Seduc.

Já nas redes municipais de ensino, a Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) e a União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) também têm promovido visitas para averiguar os problemas existentes.