Foto: Agência Alagoas 2f2f93ed 9f1e 4f10 a11b a09c07f76b4b Primeiras unidades visitadas pela equipe do FNDE foram as escolas estaduais Dom Otávio Aguiar e Lafaiete Belo, ambas no Benedito Bentes

Duas equipes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), enviadas pelo Ministério da Educação (MEC), vieram a Maceió nesta terça-feira (30) para visitar escolas atingidas pelas chuvas do último final de semana.

A visita deverá atingir as 25 cidades alagoanas que decretaram situação de emergência, iniciando pelos municípios de Maceió, Marechal Deodoro e Pilar.

Acompanhados por técnicos da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) eles passarão pelos municípios atingidos para fazer o levantamento das escolas atingidas, principalmente na estrutura e espaço físico.

Pela rede estadual, nove escolas estão com aulas suspensas. Três delas por terem sido alagadas (Rosa da Fonseca, em Marechal Deodoro, Oliveira e Silva, no Pilar, e Silveira Camerino, em Maceió); uma por estar localizada em área de risco - próxima à barreira (Padre Cabral, em Fernão Velho); três por terem sofridos danos em sua estrutura (Edson Bernardes, Lafaiete Belo e Rosalvo Ribeiro, todas na Capital) e duas por estarem servindo de abrigo (Deodoro da Fonseca, em Marechal, e Monsenhor Machado, em Viçosa).

A União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime-AL ) de Alagoas está fazendo levantamento das escolas das redes municipais atingidas.

Visitas

As primeiras unidades visitadas pela equipe do FNDE nesta terça-feira foram as escolas estaduais Dom Otávio Aguiar e Lafaiete Belo, ambas no complexo Benedito Bentes.

Claudia Regina Carvalho,diretora-adjunta da Lafaiete Belo, conta que as chuvas intensas causaram alagamento de 12 salas de aula, além dos corredores. "Há pingueiras por todos os cantos. Todas as salas estão com água e a chuva danificou a pintura e a parte elétrica da escola, além das infiltrações", explica Claudia Regina.

A unidade escolar paralisou as atividades no dia 24 de maio e a data para o retorno ainda não foi definida, em virtude da continuidade da chuva.

A equipe do FNDE esteve no local e constatou que a estrutura não suportou o volume d’água. O relatório preliminar mostra ainda que o não escoamento da água danificou parte da fiação e causou infiltração, danificando também a pintura.

Já na Escola Dom Otávio Barbosa de Aguiar, a diretora Ana Margarida relata que as aulas da Educação de Jovens e Adultos (EJA), durante o período noturno, estão suspensas desde o dia 25 de maio. Funcionando durante os três turnos, a Dom Otávio de Aguiar atende a 1.846 estudantes.

No local, as chuvas danificaram telhas e o quadro de energia, causando o entupimento de alguns canos. A falta de energia parcial deixou algumas áreas do prédio sem energia elétrica. A escola já passa por retelhamento para sanar o problema.

Solidariedade

Em Alagoas, o momento agora é de total solidariedade às vítimas. Unidos neste movimento, técnicos da 12ª Gerência Regional de Educação (Gere) iniciaram uma campanha voltada aos alunos e familiares da escola Oliveira e Silva.

Também nesta terça-feira foram entregues materiais de limpeza e higiene pessoal, além da mobilização da comunidade escolar num grande mutirão para higienização do prédio. A previsão é de retorno às aulas nesta quarta-feira (31).

Algumas unidades também estão recebendo donativos para as famílias afetadas pelas chuvas. Dentre elas, estão as escolas estaduais Eduardo Almeida, na Garça Torta, e Gilvana Ataíde, na Santa Lúcia, esta última por meio de parceria entre o grêmio estudantil e a escola. “Estamos arrecadando roupas, calçados, agasalhos e itens de higiene, no horário das 7h às 21h”, informa Sandra Lima, diretora da Gilvana Ataíde.

Já na Escola Estadual Inaura Casado, em Cajueiro, será realizado um torneio solidário em prol das famílias do Vale do Paraíba. “Cada aluno que se inscreveu na competição levou um donativo”, conta Sandreane Paulino, gerente da 4ª Gerência Regional de Educação (Gere).