Foto: Leo/Ascom Pilar 2b43e903 d506 4afc 80f4 0b282a6494ce Município de Pilar amanheceu coberto de água

Chove sem parar em Alagoas há mais de uma semana. Em uma mistura de alegria para alguns municípios que não recebiam chuva fazia algum tempo, também há dor para aqueles que perderam a sua residência ou um familiar. A situação em Alagoas é caótica, alguns municípios decretaram estado de emergência na esperança de que a ajuda viesse – seja das pessoas, prefeituras, Estado, país.

Os estragos são visíveis. Lama, água, casas danificadas, destruídas pela chuva que não cessa. Ao todo, mais de mil famílias em Alagoas precisaram deixar suas casas e serem encaminhadas para pontos de apoio, ginásios escolares, secretarias de Assistência Social, igrejas. Mas ainda há muita resistência por parte daqueles que não querem deixar o que construíram.

Em Maceió, quatro pessoas morreram vítimas de soterramentos e mais quatro estão desaparecidas. Todas elas, moradoras de Grotas. As fortes chuvas causaram deslizamentos de barreiras, elevação de rios e alagamentos nas principais ruas da capital e do interior.

Além de Maceió que conta com 469 desalojadas ou desabrigadas, mais três cidades sofrem com as chuvas: Marechal Deodoro, com uma estimativa informada pela assessoria de comunicação da prefeitura, de 300 pessoas desabrigadas; Pilar, com 200 pessoas desabrigadas e 800 desalojadas; Atalaia e Rio Largo, que decretaram estado de emergência, mas não foram divulgados os números de desabrigados.

Devido aos danos, o governador Renan Filho e o prefeito Rui Palmeira decretaram, neste sábado (27), estado de emergência. Equipes do Exército Brasileiro foram acionadas para ajudar.

Maceió

Além das 469 famílias desabrigadas, foram registrados 123 deslizamentos de barreiras, 77 ameaças de quedas de árvores. Os bombeiros atenderam, durante este final de semana, 90 pessoas, sendo 45 no interior e 45 na capital.

Foto: Bruno Monte
Foto: Bruno Monte/Cortesia

Segundo o prefeito de Maceió, a força-tarefa permanecerá mobilizada até que a situação esteja estabilizada “A força-tarefa atuará até quando for necessário. Vamos, na próxima semana, continuar nesta ação, buscando atender as famílias desabrigadas e recuperar as áreas da cidade afetadas. Vamos intensificar a recuperação de vias, a limpeza, a conservação e a iluminação da cidade, buscando restaurar a normalidade, tão logo cessem as chuvas”, afirmou Rui Palmeira.

O estudante de jornalismo e morador do Vale do Reginaldo, Felipe Lima, de 20 anos, contou à reportagem do Cada Minuto que no sábado, uma barreira caiu em cima de uma escadaria que os moradores acessam  do Vale do Reginaldo para sair no bairro do Farol.

Foto: Bruno Monte
Foto: Bruno Monte/Cortesia

“Está bem difícil a saída por aqui, os bombeiros vieram ontem (sábado), mas não passaram muito tempo. Lá só restou lama e está tudo “bloqueado”, não temos como passar”, comentou.

Felipe também contou que está difícil conviver com a tensão de um risco de novos deslizamentos de barreiras. “Se ouvimos um barulho, já corremos para saber o que é”, afirmou.

Foto: Felipe Lima/Cortesia

Pilar

O município que fica próximo à lagoa Manguaba amanheceu repleto de água. Com várias pessoas desalojadas ou desabrigadas, gestores da cidade trabalharam durante o final de semana inteiro na tentativa de amenizar a situação que a cidade se encontra.

Foto: Leo/Ascom Pilar
Foto: Leo/Ascom Pilar

Os que estão deixando as residências estão sendo levados para o salão paroquial e ginásios escolares. No local, uma grande força-tarefa foi montada para ajudar aos que chegam.

Foto: Géssica Moraes/Ascom Pilar

Marechal Deodoro

O nível da lagoa Manguaba subiu e os moradores do Centro Histórico de Marechal estão ilhados. Nas ruas, só é possível sair com canoas.

Foto: Leo/Ascom Pilar

Equipes do Corpo de Bombeiros, Exército Brasileiro, Polícia Militar e funcionários da prefeitura se reuniram em uma grande força-tarefa para prestar socorro às vítimas.

Também já há registros de alagamentos na Massagueira, Ilha de Santa Rita, Riacho Velho. Ainda conforme a assessoria, a Barra Nova está em estado de alerta.

Nível dos rios

Um boletim da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) foi divulgado na manhã deste domingo (28), após a emissão de que as chuvas tendem a seguir por mais 24 horas em Alagoas. Segundo o boletim, há estabilidade do Rio Paraíba, mas a atenção está sendo redobrada para os rios Mundaú e Jacuípe que apresentam elevação de nível.

Em relação às lagoas Mundaú e Manguaba, a Sala de alerta informa que o nível da água segue em constante elevação, principalmente nos municípios de Marechal Deodoro e Pilar.

Cortesia/Internauta
Foto: Cortesia/internauta

Previsão de tempo

A Sala de Alerta da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) divulgou na noite deste sábado (27) uma atualização da previsão do tempo para este domingo. Segundo o boletim climático, o aviso meteorológico de chuvas se estende por mais 24 horas em Alagoas, podendo chegar à meia-noite de segunda (29).

As chuvas terão maior intensidade nas regiões do Litoral, Zona da Mata, Baixo São Francisco e Agreste. A Sala de Alerta atenta ainda para o nível dos rios que são monitorados em Alagoas e necessitam de maior atenção da Defesa Civil Estadual.