Foto: Divulgação 9d7538da 044f 4b01 b5d8 aa5ce48c1d17

De acordo com o jornal El País, Nicolás Maduro pretende armar e ampliar as Milícia Bolivarianas criadas por Hugo Chávez. Hoje as forças paraestatais criadas para garantir a instalação e manutenção de uma ditadura socialista conta com 500 mil milicianos, mas Maduro quer mais e pretende treinar e armar um milhão de homens e mulheres para enfrentar a população que, desarmada, vai às ruas pelo fim de um governo tirânico que jogou todo o país na mais profunda miséria.

O desarmamento da população venezuelana começou a ser desenhado assim que Hugo Chávez assumiu o poder em 1998, com base em políticas semelhantes adotadas em outras ditaduras, como a Cubana de Fidel Castro. Contando com um frágil verniz democrático, uma legislação restritiva sobre armas e munições começou a ser implantada com o falso objetivo da redução de homicídios. Por outro lado, milicianos e outros grupos paramilitares fieis ao governo tiveram treinamento e armamento disponibilizado para o que era óbvio: a população se levantaria contra os tiranos.

A legislação paulatinamente modificada, cada vez mais restritiva, teve seu ápice na aprovação de uma lei que teve como base e inspiração o Estatuto do Desarmamento aprovado em 2003 no Brasil. Nestor Reverol, ministro do interior da Venezuela, que foi acusado de tráfico internacional de drogas pelo governo americano, afirmou, perversamente, durante o confisco e a destruição de milhares de armas: "Vamos trazer desarmamento e paz".... A trama de perpetuação no poder pela força teve apoio e sustentação da ONG brasileira Viva Rio, da International Action Network on Small Arms (IANSA) que congrega dezenas de outras ONGs, incluindo a Anistia Internacional e da United Nations Regional Centre for Peace, Disarmament and Development in Latin America and the Caribbean, escritório da ONU para a implantação do desarmamento na América Latina.

O que ocorrerá se Maduro levar a cabo sua intenção belicista? Inevitável não recordar de um dos mais marcantes diálogos do filme V de Vingança, onde um policial pergunta para o chefe de polícia o que aconteceria quando milhares de pessoas marchavam contra as tropas do governo e a resposta foi: aquilo que acontece quando pessoas desarmadas enfrentam pessoas armadas.

Negar que o desarmamento bolivariano sempre teve papel certo e claro no jogo de poder dos ditadores Chávez e Maduro é atestar ignorância ou mau-caratismo. Defender o desarmamento, ou melhor, o monopólio da força nas mãos do Estado é ser cúmplice do que Rudolph Joseph Rummel definiu como democídio, ou seja, a eliminação de pessoas pelo próprio governo e é exatamente isso que ocorre hoje na Venezuela sob o olhar complacente daqueles que almejam um mundo sem armas...