Arquivo pessoal 61a854f6 637e 4969 b3fa e1f5d3c5e4b5 Cervejas artesanais estão em alta

Para não esquecer sabores e características de sua paixão, ele começou um diário de bordo para registrar todas as cervejas artesanais que já havia experimentado. Ao invés de usar um bloco de notas de papel, as redes sociais foram escolhidas para armazenar os dados e, naturalmente, compartilhar com uma comunidade crescente de interessados no tema. Hoje, o arapiraquense Cláudio Gouveia, empresário no ramo de comunicação e tecnologia, tem uma legião de seguidores no Instagram. Em termos exatos, 41 mil pessoas que acompanham as postagens do perfil @justcraftbeer, criado em abril de 2016.

Cláudio Gouveia explica que teve a ideia de iniciar o trabalho “de colecionador” porque tinha dificuldades de encontrar informações acerca de cada bebida. Na rede social, ele cataloga cada uma das cervejas artesanais ou especiais que consome e faz uma avaliação pessoal do sabor, aparência, ingredientes utilizados, e disponibilizando uma ficha técnica que forma um panorama de cada garrafa consumida.

Apesar de o perfil ter menos de um ano, o público é fiel, com curtidas e comentários frequentes. Entretanto, Cláudio revela que, mesmo com o sucesso das avaliações, não recebe brindes de fabricantes. “99, 9% das cervejas, eu compro” afirma. Eventualmente, ganha exemplares de amigos e, este ano, pela primeira vez, ganhou um kit da marca Estrela Galícia, uma novata no Agreste alagoano. “Entro em contato, mas as empresas não enviam”, lamenta o degustador.

Ele prova cerveja de todo o Brasil e também internacionais, como aquelas cuja origem são da Itália, Chile, Argentina, Dinamarca, Bélgica, entre outros. “Temos cervejas excelentes (no Brasil). E realmente estão em alta. Acredito que nos próximos anos veremos muita cerveja artesanal em supermercados e com preços mais acessíveis”, avalia.

Além de possuir uma assinatura de cervejas, Cláudio compra quando viaja ou pede para amigos trazerem, o que permite que ele tenha uma pequena adega em casa.  “No meu quarto, tem uma estante gigante de livros. Separei uma coluna baixa para as cervejas. Sempre mantenho rótulos cheios nessa parte. Costumo dizer que é o meu lugar onde posso escolher o que eu quero, claro, baseado no que tem”, afirma, entre risos.

Na maioria dos “happy hour” com os amigos, Cláudio revela que consome cervejas comerciais, conhecidas como “mainstream”, porque, além de preços mais acessíveis, não possuem teor alcóolico tão alto quanto as artesanais. “A média de uma artesanal é de R$ 15. Tem até de R$ 100. Não tem como tomar só artesanal”, explica.

Sobre o sucesso do perfil no Instagram, Cláudio Gouveia acredita que se deve ao cuidado com as imagens, o uso de hashtags relacionadas e as informações relevantes sobre o tema.  “Até agora, não encontrei nada que como o que perfil (@justcraftbeer) oferece”, afirma.