A9efa91f d516 42f9 874b 4c322086ce08 Autorretrato

Tarcísio Ferreira era menor de idade quando descobriu a magia de captar imagens. Aos 17 anos, durante um projeto social do qual participava, em Arapiraca, foi solicitado que ele registrasse as atividades desenvolvidas. Este primeiro contato foi apenas a entrada para uma carreira promissora.

Foi com a aprovação, pelo Ministério da Cultura, de um projeto de produção cultural que Tarcísio descobriu que a fotografia poderia ser trabalho e arte. No projeto, ele ensinava crianças e jovens da comunidade quilombola Carrasco, na zona rural de Arapiraca, a fazer fotografia estenopeica, processo analógico que gera imagens por meio de um furo feito em latas e caixas. “A gente utilizou filme fotográfico analógico e lata de leite e revelava as imagens em laboratório”, explica.

Durante o projeto, ele desenvolveu novos olhares. Enquanto ministrava as aulas, Tarcísio registrava cenas do cotidiano da comunidade. As imagens captadas se tornaram uma exposição. “As cenas renderam a série Carrasco que, inclusive, está disponível na internet”, afirmou o fotógrafo.  Confira as imagens: https://500px.com/tarcsioferreira/galleries/carrasco-2013

Desde então, Tarcísio, hoje com 23 anos, participa de cursos de fotografia para ampliar o conhecimento na área e trabalha com cobertura de eventos, públicos e particulares, faz ensaios e editoriais. “Futuramente, quero trabalhar com fotografia etnográfica, registrar sociedades, culturas e também com cinema”, revela.

No cinema, Tarcísio foi assistente de câmera do curta-metragem “Flamor” (2012), dirigido pelo cineasta Leandro Alves, e assistente de fotografia dos filmes “Povoado”, de Wagno Godez e do documentário “O Juremeiro de Xangô”, de Arilene de Castro.

Pelo conhecimento

Tarcísio Ferreira também participou de diferentes cursos na área. Em 2011, ele se inscreveu na oficina de arte contemporânea, com ênfase em fotografia, ministrada pelas artistas visuais Karla Melanias e Camila Calvalcante. “Foi a partir dessa oficina que me senti instigado a fotografar”, revela.

Em 2012, ele fez um minicurso de produção audiovisual do SESC, ministrado pelo Leandro Alves. No final do mesmo ano, ele esteve no curso de fotografia analógica como arte contemporânea e fotografia estenopeica (Pinhole), com Karla Melanias.  “Este curso deu origem à exposição fotográfica Caixa Preta. “Fiz um video no qual a proposta era recriar o ambiente sensorial da Praça Luiz Pereira Lima, com fotos feitas com latas de leite (Pinhole - estenopeica) junto com a captura do som ambiente da praça”, lembra. O vídeo está disponível no link: https://vimeo.com/73357711

Ensaio para o Blog da Clau Soares

Com a proposta de criar um clima boêmio e vintage, o ensaio para o blog contou com a diretora de arte, Isadora Magalhães, com assistência de Yuri Rangel. A locação foi no bar do Hotel Ibis, em Arapiraca, com vestidos da loja Veras, acessórios Soraya Farias Arapiraca e sandália Santa Lolla.

Confira o ensaio completo: https://500px.com/tarcsioferreira/galleries/clau-soares-2016-6