Ilustração Ca800cd5 777d 4912 ab6a b494c168f276 O Contador, com Ben Affleck

Um filme que não era tão esperado no Brasil, mas que cativou cada cinéfilo que foi ao cinema assistir: “O Contador”. Poucos esperavam um longa tão bom, já que não houve uma ação de marketing que chamasse tanta atenção do público.

O que realmente chama atenção é o elenco de primeira linha, com Ben Affleck, J. K. Simmons, Anna Kendrick, Jon Bernthal, Jon Lithgow e Jeffrey Tambor. Atores que fazem jus aos seus nomes e que estão no auge de suas carreiras. O diretor Gavin O’Connor não fez tantos filmes conhecidos, talvez “Guerreiro”, de 2011, que não é tão bom assim, mas se superou de uma forma extraordinária e utilizou do melhor de cada ator.

Ben foi novamente um Bruce Wayne, Bernthal foi Justiceiro e J. K. Simmons foi exatamente aquilo que esperávamos do ator que venceu o Oscar de melhor ator coadjuvante em Wiplash (2014). O filme possui um tom bem sombrio, com uma trilha e um enredo de prender os olhos sem espaço para cochilos.

Christian Wolff (Affleck) é um contador extremamente dedicado, graças à facilidade que tem com números, mas antissocial, já que sofre de Síndrome de Asperger, um tipo de autismo que o indivíduo sofre com ruídos altos e problemas de sensibilidade. O pai (Robert C. Treveiler) do jovem Chris é coronel e lida com a síndrome do filho da forma mais difícil, com treinamento militar e enfrentando a doença de frente para que se acostume com o mundo que o rodeia.

A partir de um escritório de contabilidade, instalado em uma pequena cidade, ele passa a trabalhar para algumas das mais perigosas organizações criminosas do mundo. Ao ser contratado para vistoriar os livros contábeis da Living Robotics, criada e gerenciada por Lamar Blackburn (John Lithgow), Wolff logo descobre uma fraude de dezenas de milhões de dólares, o que coloca em risco sua vida e da colega de trabalho Dana Cummings (Anna Kendrick).

O longa provoca tensão, ação, bons diálogos e um final surpreendente. Ele lembra muito os games e os filmes de “Hitman- Agente 47”, e ao mesmo tempo tem uma fotografia excelente ao estilo dos filmes de 007 com Daniel Craig. Nada mais justo ser um sucesso de crítica e de público. O Contador quase não peca em nada, a não ser em flashbacks em excesso do Chris na infância, o que atrapalha um pouco no andamento.

O Contador estreou na quinta-feira, 24, no Brasil e está em cartaz nos shoppings de Maceió e Arapiraca. Com uma produção estimada em 44 milhões de dólares, o filme já arrecadou 58 milhões pelo mundo, com alguns países ainda para estrear.