Foto: Raíssa França/Cada Minuto 14ded388 4bb1 4ade 9377 e7e5218e02c6

No 7 de setembro, na abertura dos Jogos Paralímpicos, quando deram a palavra ao Presidente Michel Temer para pronunciar a frase: "Declaro aberto os Jogos Paralímpicos", estava montada uma vaia "mortandelada". Os militantes do PT e seus comparsas pensaram em tudo. Prepararam uma claque com esse fim, no intuito de passar para o mundo uma realidade inverídica. A maioria do povo brasileiro apóia o atual governo, mas eles querem fazer parecer que o Brasil está dividido por conta do resultado da última eleição. Essa é uma falácia ainda maior.

Os eleitores de Dilma, no pleito de 2014, logo após as eleições, já se sentiram traídos em sua essência, haja vista que tudo aquilo que os encantavam ruiu logo nos primeiros meses, antes mesmo da posse. A alta da inflação e do preço da energia elétrica, a queda dos empregos, além dos inúmeros escândalos, envolvendo a maior organização político-criminosa já vista, denominada de Partido dos Trabalhadores, fizeram os "seus" eleitores reduzirem a 20%, no máximo.

O partido, agora sem dinheiro para roubar e povo para enganar, deverá voltar a fazer o que bem sabia e sabe: barulho. Nós, do outro lado, gostaríamos muito de poder dizer do lado sadio, mas sabemos que não é assim, temos que nos organizar para combater o bom combate, reagindo a essas manifestações que visam desestabilizar o novo governo, que tentará recolocar o Brasil novamente no caminho do desenvolvimento.

O quadro sucessório no Brasil não me empolga, há uma falta latente de novas lideranças, pessoas em quem possamos confiar, mas considero que tivemos muita sorte na atual quadra. Tenho dito e repetido milhares de vezes, acredito em Michel Temer e entendo que ele é o melhor que poderíamos ter para presidir o Brasil, no atual momento de crise.

Repito, durante os meus três mandatos na presidência da ANAPE (Associação Nacional dos Procuradores de Estado), Temer estava com mandato na Câmara dos Deputados e defendeu todas as propostas de aprimoramento do Estado no controle do combate à corrupção, pugnando pelos controles da legalidade e da transparência. 

Portanto, sempre que posso estou reforçando a minha crença de que, apesar de toda destruição, haveremos de reconstruir mais uma vez este País, mas desejando que esse renascimento venha com ênfase na Educação, para que o povo não seja mais enganado por patifes e hipócritas que enganam e mentem, fazendo o povo desinformado entrarem em sonhos "nunca vistos na história deste país".

Até a próxima!