A Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal) assinam, nesta quarta-feira (3), um termo de cooperação técnico-operacional para a institucionalização da gestão do Polo Agroalimentar de Arapiraca. 

O Termo de Cooperação tem como finalidade garantir à Uneal a autonomia necessária para início das atividades de pesquisa dentro do Polo, que além de atender a um dos compromissos assumidos pelo governador Renan Filho ainda em época de campanha, beneficiarão os interesses da cadeia produtiva, envolvendo várias famílias da região. 

Segundo o secretário Pablo Viana, a formalização da cooperação é crucial para que o Polo cumpra de forma mais ampla sua verdadeira missão de “tornar-se um ambiente de geração de conhecimento e novos negócios, com o protagonismo da academia e maior participação da cadeia produtiva local”.

 “Com a Uneal assumindo oficialmente a gestão do Polo Agroalimentar de Arapiraca, teremos um instrumento moderno, equipado e, agora, com recurso humano, para que pesquisas e projetos sejam desenvolvidos, com a participação e para benefício dos pequenos e grandes produtores da região”. 

A Secti vem dialogando desde o ano passado com as universidades locais, Uneal e Ufal (Universidade Federal de Alagoas), e cadeia produtiva, a fim de estabelecer um ambiente de fomento à pesquisa, harmonioso e voltado para a inovação do setor. 

Deste modo, foi estabelecido, em reunião do Conselho Estadual da Ciência, Tecnologia e Inovação (Cecti), de maneira democrática, que o primeiro passo para a institucionalização das atividades do Polo envolveria a Uneal e suas parcerias com o empreendedorismo local à frente de sua gestão. 

Aliando o amplo espaço físico e equipamentos modernos com os recursos humanos, a expectativa é que a partir desse primeiro marco, ainda este ano, projetos de pesquisa e extensão, já aprovados, sejam desenvolvidos, gerando resultado para a sociedade: maior produtividade, segurança alimentar e sustentabilidade.

 

Polo Agroalimentar de Arapiraca

 

O Polo Tecnológico Agroalimentar de Arapiraca é um dos projetos que compõem o Parque Tecnológico de Alagoas, e tem como objetivo criar um ambiente favorável ao fortalecimento da Cadeia Produtiva da Horticultura, Mandiocultura, Fruticultura e derivados, que atualmente, compreendem os principais setores econômicos do Agreste alagoano, com a execução de projetos de pesquisas básicas e aplicadas, incorporando processos e procedimentos de desenvolvimento e inovação tecnológica. 

Com área de 3 mil m², o polo conta com 6 laboratórios equipados e prontos para o uso, voltados para pesquisas de solo, água e irrigação; produção semi-industrial de derivados da mandioca; processamentos de hortaliças, mandioca e frutas; tecnologia de alimentos; química e pesquisa aplicada da agrometeorologia. 

Os polos agroalimentares de Arapiraca e Batalha, juntos, tiveram investimento de aproximadamente R$ 12 milhões, oriundos da parceria entre a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Governo Federal, e o Governo do Estado, por meio da Secti, com apoio da própria Uneal, entre outros.