Arquivo/CadaMinuto 13865251286716 Festa de Iemanjá

Mais de cem anos após o episódio que ficou conhecido como Quebra de Xangô, em 1912, o terror vivido por Tia Marcelina e outros praticantes das religiões de matriz africana, em Alagoas, parece não ter fim.

Mesmo com todo respaldo garantido pela Constituição Federal, na terra da resistência, inúmeros são os casos de preconceito contra os religiosos do candomblé e  da umbanda – dois dos principais cultos afro-brasileiros.

 A ialorixá alagoana Mãe Vera, de 58 anos, e que há mais de 20 fundou o terreiro Abaçá de Angola Oya Bale – segundo ela - na linguagem africana iourubá significa casa aberta para todos, conta que no último sábado (05) passou por um episódio de preconceito dentro do ônibus que estava.

“Entrei no coletivo e as pessoas já me olharam diferente. Era como se eu fosse um carnaval, algo estranho ou demoníaco, o transporte estava ficando lotado e o banco onde eu estava tinha vaga para mais uma pessoa, mas demorou para alguém sentar do meu lado”, lamenta.

A religiosa, que faz de sua vida uma luta contra a intolerância religiosa e em favor da divulgação da contribuição dos terreiros para a cultura brasileira, desenvolve um trabalho social através do ensino do maracatu com jovens e crianças onde mora, no bairro da Cidade Universitária, parte alta de Maceió.

 Ela diz que já se acostumou com os olhares das pessoas nas ruas e em todos os lugares por onde passa, principalmente quando está vestida com o axó – roupa que as sacerdotisas e os religiosos de matriz africana costumam usar.

“Ao longo da minha vida eu já passei por muita coisa. A gente sofre. Sofre muito e é na pele. Tudo que é da nossa religião ou da cultura negra parece não prestar para a maioria, mas a gente luta e não pretende abandonar por nada. Todo dia temos um Quebra”, afirma.

Para o presidente da Federação de Zeladores de Culto Afro, Paulo Silva, houve um grande avanço nos últimos anos, mas a realidade da intolerância ainda é rotina para muitos.

“Eu já sofri muito preconceito, mas ele é bem distante, as pessoas tentam disfarçar porque agora sabem que tal prática é crime, dá cadeia e tem muita repercussão na sociedade”, acredita.

Ainda de acordo com Silva, a Federação trabalha apoiando o pai de santo e  a mãe de santo do interior, mapeando e acompanhando os casos de preconceito.

“Hoje as pessoas mostram respeito a mim, mas há muitos relatos no interior, principalmente, nesse sentido. Lá, devido ao grau de instrução menor de muitos ialorixás, o preconceito é maior”, diz.

Em agosto deste ano, mãe de santo Neide Oyá D´Oxum, dirigente do Grupo União Espírita Santa Bárbara (Guesb), localizado na capital alagoana, foi vítima de intolerância religiosa. Ela foi xingada pela ex-esposa do ator Heri Casteli, a jornalista Juliana Despírito, após ele postar em seu Instagram uma foto da filha vestida em trajes da religião africana, no colo da mãe Neide. 

Comissão de Minorias

Apesar de não possuir dados atualizados sobre casos de intolerância religiosa no estado, nesses últimos anos, a Ordem dos Advogados do Brasil – OAB-  Seccional Alagoas, por meio da Comissão de Minorias, tem trabalhado com políticas de enfrentamento contra o preconceito de cunho religioso.

De acordo com Alberto Jorge, presidente da Comissão, iniciativas como a OAB Escola, o próprio apoio jurídico e o acompanhamento dos casos de intolerância religiosa junto com a 61ª Promotoria da Capital têm contribuído para a diminuição do preconceito.

“Nós realizamos várias iniciativas. Estamos sempre tentando aproximar a sociedade para levar discussões importantes, mas a discriminação infelizmente ainda existe”, diz.

Para o historiador Zezito Araújo, existe uma reprodução do preconceito que começa ainda na escola. “Não há o cumprimento da legislação na grade curricular tanto nos colégios particulares quanto nos públicos no que diz respeito ao ensino sobre a África. O que só reforça a marginalização da nossa cultura, incluindo a religião”, ressalta.

Intolerância 

Dados da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República revelam que uma denúncia de intolerância religiosa é registrada a cada três dias. A maioria destas denúncias é feita por pessoas da religião de matriz africana (35%), seguida da evangélica (27%), espírita (13%), católica (10%), por ateus (4%), pessoas da religião judaica (3%) e da islâmica (2%).

Leia: Ator global presta depoimento em Maceió em caso de intolerância religiosa

Colaboradora*