O Programa Avicultura Familiar beneficia famílias de 17 municípios do Estado, entre eles Piranhas, Inhapi e Cacimbinhas. Em cada um, 50 famílias foram atendidas pelo programa.

Em Piranhas, foram entregues seis mil aves para 100 famílias, sendo 50 do Assentamento Espinheira e outras 50 do município. Cada família recebeu 60 aves, referentes ao primeiro lote, sendo 30 de postura e 30 de corte, e 120 kg de ração. Em Inhapi e Cacimbinhas, o aporte foi de reposição. Cada produtor recebeu 40 aves de corte e 80 kg de ração.

“O programa atende às famílias do Sertão e Agreste alagoanos, visando a geração de renda e segurança alimentar aos participantes”, afirmou Thaysa Novaes, gestora do PAF.

As aves são compradas pelo PAF com recurso do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep), e chegam com um dia de vida. No primeiro mês, ficam alojadas no Aviário Pulmão, localizado no Centro Xingó de Convivência com o Semiárido, recebendo cuidados de manejo e imunização das principais doenças, baseados no calendário incubatório e, só então, são distribuídas.

Para receber os pintinhos, as famílias devem atender aos critérios pré-estabelecidos de renda familiar, localização, disponibilidade para participar do programa e aptidão para a criação. Todas as famílias são cadastradas e recebem, mediante assinatura do contrato, os cursos e capacitações de instrução sobre doenças e manejo dos animais. Cada produtor familiar deve construir um aviário para alojar as aves e, mediante a este procedimento, recebem a ração, que dão suporte por 30 dias, suficientes para a fase de crescimento, totalizando 60 dias de vida.

“O PAF valorizou a agricultura familiar que estava defasada, melhorou a qualidade de vida da minha família e aumentou a renda. Graças ao Programa de Avicultura Familiar consegui realizar o sonho de meu filho de ter um aparelho de DVD e uma antena parabólica”, disse Segundo a beneficiada Roselene Bezerra da Silva, moradora do Sítio Jurema, em Inhapi, que já recebeu os dois lotes de aves.

Estiagem

“Para as famílias que estão sofrendo por conta da seca, o PAF foi fundamental, pois serviu para subsistência. Muitas famílias migraram para outros municípios. Com isso, a comercialização das aves de corte ficou prejudicada. Porém, as aves serviram para subsistência das famílias. A chuva não tem sido suficiente e perdemos grande parte da safra deste ano”, afirmou o secretário de agricultura de Inhapí, Geraldo Reis Guerra (Geraldo Coco). 

O secretário de Agricultura do município de Piranhas, Rogério Alcântara, disse que o programa está proporcionando ao produtor da agricultura familiar renda o ano todo. “Nós temos uma agenda de treinamento onde, quinze dias após cada entrega, o produtor recebe uma visita técnica para instruções de manejo e prevenção de doenças”, afirmou. Ele acrescentou que, por conta da demanda, há um projeto para possibilitar a ampliação do limite de famílias por município.

O PAF faz parte do programa Alagoas Tem Pressa e já beneficiou mil famílias do Agreste e Sertão, onde 90 mil aves foram entregues, sendo 60 mil aves de corte e 30 de postura.  

A ação é uma parceria entre Governo de Alagoas, Seagri, Sebrae Alagoas e Instituto de Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Alagoas (ICTAL), com apoio da Globoaves, Universidade, Estadual de Alagoas (Uneal), Instituto Globoaves, Prefeitura de Piranhas, Prefeitura de Inhapi e Prefeitura de Cacimbinhas, subsidiado pelo Fecoep.