mecânico de manutenção industrial, de 44 anos, foi preso em flagrante neste sábado (21) por ter violentado sexualmente a filha, de 17 anos, em Vila Velha (ES). Segundo a Polícia Civil, ele teve um filho-neto com a jovem, que era mantida por ele sob constantes ameaças de morte.

Em depoimento à polícia, ele disse que violentava a filha desde os 12 anos da jovem. Ele também teria confessado ser usuário de drogas. "Comecei a ter relação sexual com ela com 12 anos e não com quatro. Tudo começou com uma brincadeira", disse o mecânico à reportagem do Gazeta On Line. 

O mecânico disse ainda que só tinha relações sexuais com a filha quando ninguém estava em casa e que por isso a esposa não desconfiava. "Creio que minha esposa não desconfiava. Só fazíamos isso quando estávamos sozinhos. A mãe dela só ficou sabendo disso agora, mas eu tinha medo de que ela contasse a alguém". 

Suicídio e aborto

O delegado Sérgio Melo, plantonista do Departamento de Polícia Judiciária de Vila Velha, disse ao G1 que a vítima vivia sob ameaças de morte. "O pai nos confessou, em depoimento, que tentou induzir a filha ao suicídio quando soube da gravidez dela. Ele ainda revelou que tentou provocar o aborto da filha se jogando sobre a barriga da jovem quando ela dormia. Naquela ocasião, a gravidez era de sete meses".

Melo disse ainda que a família já suspeitava da violência sexual por causa do bebê. "Há havia uma pressão familiar para saber a paternidade do bebê por causa da semelhança da criança com o pai-avô".

Segundo delegado, o mecânico foi autuado em flagrante por ameaça, pela Lei Maria da Penha com fiança arbitrada em R$ 10 mil. Também foi autuado por estupro e tentativa de aborto, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

 Disque 100

O delegado Fabrício Araújo Dutra, que realizou a prisão em flagrante do mecânico,  recebeu a informação sobre o caso por meio do Disque Denúncia Nacional de Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes.

As denúncias são encaminhadas aos órgãos competentes em até 24 horas. O serviço funciona das 8h às 22h, inclusive finais de semana e feriados. Como o próprio nome já diz, é só digitar 100 para fazer a ligação e a denúncia. A chamada é gratuita.