O número de agressões contra os árabes em Israel disparou desde janeiro, informa um relatório do Centro Mossawa para os direitos dos cidadãos árabes de Israel.

O organismo árabe-israelense registrou 250 agressões desde 1º de janeiro, contra 166 em todo o ano de 2008.

"Estas agressões físicas e verbais aumentaram principalmente nas cidades de população mista judeu-árabe", especifica.

"O aumento dos incidentes que mostra um racismo antiárabe está aparentemente vinculado à campanha eleitoral para as legislativas de 10 de fevereiro, durante a qual alguns candidatos estimularam a febre antiárabe, dando praticamente aprovação às agressões", declarou um representante da associação, o advogado Nidal Hotman.

Hotman faz referência à campanha do líder do partido Yisrael Beitenu, Avigdor Lieberman, contra a minoria árabe, partindo da tese "não à cidadania sem lealdade ao Estado". O partido obteve 15 das 120 cadeiras no Parlamento e virou importante figura para a formação da coalizão. O premiê designado de Israel, Binyamin Netanyahu, do conservador Likud, anunciou recentemente que Lieberman ocupará o cargo de chanceler em seu governo.