Nos próximos dias, a Telefônica vai colocar no mercado seu próprio leitor de livros eletrônicos, em uma loja on-line que permitirá aos usuários ter sua biblioteca virtual hospedada em nuvem.

O dispositivo, batizado de e-book bq, começará a ser vendido em breve, mas o acesso aos conteúdos em nuvem através de diferentes dispositivos só estará acessível a partir de setembro.

Este anúncio representa uma mudança com relação à estratégia inicial, que agora opta pelos serviços virtuais hospedados em nuvem, e há um ano apostava no download de livros.

Rodrigo Pineda, diretor de serviços de internet da Telefônica, detalhou recentemente que a mudança levou à negociação de acordo com o Publidisa, o maior distribuidor de conteúdos digitais com 20 mil livros digitalizados, além de outras editoras.

Ressaltou que o modelo em nuvem é mais seguro, já que não os arquivos não precisam ser movimentados e, portanto, os conteúdos têm maior segurança.

O dispositivo e-book bq da Movistar, foi criado e fabricado após uma parceria com a empresa espanhola Mundo Reader, pesa 244 gramas e uma tela de seis polegadas. O equipamento é feito com tinta eletrônica, por isso pode ser lido ao sol, tem bateria de grande duração e sai por cerca de US$ 248.

Por enquanto, o livro eletrônico foi desenvolvido com conexão Wi-Fi, mas existe previsão de receber conexão 3G.

Embora os livros eletrônicos sejam armazenados em "nuvem", também será possível armazenar dados na memória do e-book, de modo que possa ser lido sem estar conectado à internet.

O e-book bq atualmente conta, por enquanto, com mil livros de autores clássicos em espanhol, que poderão ser acessados gratuitamente.