Voney Malta
Voney Malta

Blogueiro do Cada Minuto

Postado em 26/12/2016 às 10:09 0

Férias


Por Voney Malta

Amigos leitores, durante este finalzinho de mês e parte de janeiro vou dar uma paradinha para curtir uns dias de férias. Parar um pouco é preciso, reduzir os compromissos, idem. O ócio faz bem e é bastante necessário.


Postado em 23/12/2016 às 09:35 0

Pesquisa: Moro aprovado, Renan e Temer rejeitados


Por Voney Malta

Recebi o levantamento abaixo e compartilho o conteúdo na íntegra. Leia e tire as suas conclusões:

De acordo com dados do Pulso Brasil, monitoramento mensal de opinião pública da Ipsos, 77% dos brasileiros desaprovam a forma como o presidente Michel Temer vem atuando no país, ante 72% em novembro e 59% em outubro. A Ipsos também mediu a “Avaliação da Gestão do Governo Federal” e houve piora no índice, que saltou de 52% em novembro para 62% em dezembro. A pesquisa foi realizada de 30 de novembro a 12 de dezembro, com 1.200 entrevistas presenciais em 72 cidades brasileiras. A margem de erro é de três pontos percentuais.

“O aumento da desaprovação a Temer é fruto da combinação da falta de perspectivas concretas de melhora da economia mas, principalmente, da deterioração da imagem de seu governo causada pelas delações das investigações da Lava Jato que vêm atingido figuras importantes desse governo”, afirma Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs, responsável pelo Pulso Brasil.

A pesquisa também mediu a aprovação do presidente do Senado, Renan Calheiros. O político é avaliado negativamente por 79% dos brasileiros na pesquisa concluída em dezembro. No mês anterior, eram 62%. Outra figura pública avaliada na pesquisa da Ipsos foi o juiz Sérgio Moro, que está a frente da Operação Lava Jato. Dois em cada três entrevistados apoiam Moro. O índice de aprovação em dezembro é 12 pontos percentuais acima do registrado em novembro, quando estava em 54%.

Sobre a Ipsos

A Ipsos é uma empresa independente global na área de pesquisa de mercado presente em 88 países. A companhia tem mais de 5 mil clientes e ocupa a terceira posição na indústria de pesquisa. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de publicidade, fidelização de clientes, marketing, mídia, opinião pública e coleta de dados. Os pesquisadores da Ipsos avaliam o potencial do mercado e interpretam as tendências. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e analisam audiência, medem a opinião pública ao redor do mundo. Para mais informações, acesse:www.ipsos.com.br, www.ipsos.com, https://youtu.be/QpajPPwN4oE,https://youtu.be/EWda5jAElZ0 e   https://youtu.be/2KgINZxhTAU.  

 


Postado em 22/12/2016 às 10:40 0

Americano diz que ‘golpe’ degradou o Brasil


Por Voney Malta

O pesquisador e economista americano e codiretor do Centro de Pesquisa Econômica e Política, em Washington, Mark Weisbrot, avalia que o afastamento de Dilma Rousseff sem crime de responsabilidade causa degradação maior das instituições e do Estado de direito.

Mark Weisbrot, que também é presidente da Just Foreign Policy, organização norte-americana especializada em política externa, afirma que "foi exatamente o que aconteceu, seguido pela repressão política que quase sempre acompanha esse tipo de mudança de regime”.

E cita como exemplo dessa degradação a invasão, a tiros, pela polícia a uma escola do MST em São Paulo. Também não deixa de criticar a questão do Judiciário brasileiro, especialmente quanto ao STF.

Para ele, a politização do Judiciário já era um problema de importância maior no período que antecedeu o afastamento de Dilma. “Agora assistimos a uma corrosão maior das instituições, quando um juiz do Supremo Tribunal Federal emitiu uma liminar afastando Renan Calheiros da presidência do Senado”.

Considera, ainda, a PEC do teto dos gastos como escandalosa por ser um inusitado compromisso de longo prazo com a pobreza crescente. "A deterioração da democracia, do Estado de direito e dos direitos civis é o que ocorre quando uma elite corrupta utiliza uma 'mudança de regime' ilegítima para aprovar à força mudanças estruturais grandes e regressivas para as quais jamais ganharia apoio nas urnas", diz o economista.

Por fim, conclui cravando que o governo Temer não tem nada a oferecer, “exceto uma repetição do fracasso econômico de longo prazo de 1980-2003, que a população não vai aceitar. Vem daí a degradação que está promovendo das mais importantes instituições políticas do país".

 


Postado em 21/12/2016 às 09:31 0

Ex-presidente quer novas eleições


Por Voney Malta

O ex-presidente Lula é mais uma voz a defender novas eleições. Declaração foi dada em entrevista à emissora de televisão TRT World, da Turquia.

O ex-presidente disse que a realização de eleições diretas para a Presidência da República é a melhor saída para o atual momento.

Ele sugere que os partidos deveriam conversar e propor uma emenda constitucional para viabilizar essa ideia. Objetivo, segundo Lula, é recuperar o direito do povo escolher o chefe do Executivo “outra vez pelo voto direto”.

Lula afirma que o Brasil não “pode ficar mais 2017, mais 2018, nesta situação como está, com um presidente rejeitado como o Temer é".

E você, caro leitor, acha que nova eleição é o ideal?

O fato é que o presidente Michel Temer - o “Pinguela”, também conhecido como “mordomo de filme de terror” -, é rejeitado, não tem credibilidade e muito menos capacidade de liderança política.


Postado em 20/12/2016 às 10:51 0

Carimbão já constrói discurso para 2018


Por Voney Malta

Um dos poucos e raros políticos alagoanos a se manter firme no apoio ao grupo que participou da reeleição da presidente Dilma Rousseff, o deputado federal Givaldo Carimbão (PHS) permanece fora da bancada de apoio ao presidente Michel Temer (PMDB). Além dele restou Ronaldo Lessa (PDT) e, obviamente, o petista Paulão.

Ou seja, Carimbão guarda e terá no futuro um discurso que poucos terão. Acrescente a isso o fato de que as pesquisas eleitorais de momento mostram a decepção com o PSDB e com o PMDB ao apontarem nomes das esquerdas liderando folgadamente no primeiro e segundo turnos na eleição presidencial de 2018: Lula e Marina Silva na dianteira em todos os cenários.

Portanto, o parlamentar também anteviu pra onde tende o eleitorado. A manutenção do seu posicionamento agrada aos seus principais simpatizantes, casos dos religiosos, que têm uma visão voltada mais para os problemas sociais e os mais pobres.

E se resolver - finalmente - disputar uma eleição majoritária, terá o discurso de político de palavra - que não troca de lado e de posicionamentos circunstancialmente, bem ao contrário de um monte de alagoanos que sonham em renovar o mandato de senador ou, enfim, disputar uma eleição majoritária.

Outra vantagem de Givaldo Carimbão é que ele não será carimbado com suspeitas de ter sido beneficiado com recursos das construtoras investigadas pela Lava Jato.

Nesses tempos em que o exercício de uma função política é tão mal visto, discurso sobre firmeza de caráter, de posicionamento e de palavra honrada pode fazer uma grande diferença na caça aos votos através da propaganda eleitoral e das redes sociais.

Some-se a isso o fato de Givaldo Carimbão já começar a construir mais um novo discurso. Ele se posicionou contrário e já disse que a proposta da reforma da previdência do governo Temer é “extermínio de pobres”. E esse é um tema explosivo porque atinge todas as profissões e o pobre brasileiro. 

É ou não um excelente tema numa campanha eleitoral?


Postado em 19/12/2016 às 09:45 0

Até Caiado quer novas eleições


Por Voney Malta

Longe do povo, com um índice de rejeição estratosférico, delatado por executivos da Odebrecht por ter pedido e recebido dinheiro de propina, além de ter auxiliares próximo também envolvidos no esquema, o presidente Michel Temer (PMDB) enfrenta sérias dificuldades para continuar governando.

Até importantes membros da base aliada do governo pede, agora, “um gesto maior” de Temer. É o caso do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO). Ele defende que o presidente encaminhe ao congresso uma emenda constitucional para que um novo líder seja escolhido pela população para os próximos quatro anos.

Diz Caiado que um “presidente precisa mais do apoio das ruas do que do Congresso”. Para ele, “Não adianta ter poder e estar divorciado da sociedade”, e que a antecipação do pleito de presidente e para deputados e senadores pode ajudar a tirar o país da crise.

Bom, o que parece é que aqueles que articularam toda essa crise política, econômica e jurídica começam a pular do barco. Agora estão vendo o país se decompor e percebem que o presidente Temer, o ‘Pinguela’, também conhecido como mordomo de filme de terror, não tem capital político, capacidade, e muito menos liderança para enfrentar os desafios.

Os ratos começam a pular do barco.
 


Postado em 15/12/2016 às 17:29 0

Fogo amigo ou inimigo tenta atingir Santoro?


Por Voney Malta

Dois momentos são muito especiais no mundo específico da política: O período pós-eleição e o final de ano. E quando esses dois momentos se cruzam na mesma época é um Deus nos acuda com especulações sobre formação da nova equipe dos prefeitos eleitos ou reeleitos e a suposta reforma na equipe do governo do Estado para se adequar aos derrotados e vitoriosos do pleito municipal. Isso tem ocorrido com Renan Filho e também com o reeleito Rui Palmeira, prefeito de Maceió.

Bom, mas o fato é que o todo poderoso secretário de Estado da Fazenda, George Santoro, -chamado por alguns de “o mago” por ter previsto o aprofundamento da crise e ter detonado para além das ‘alturas’ os valores dos impostos cobrados em Alagoas – parecer ter virado alvo de ataques.

Será que alguém está de olho no cargo? Será? Porém, a verdade é que por decisão de Santoro, e num momento de grave crise fiscal, é surpreendente Alagoas estar abrindo mão de arrecadar milhões de reais fundamentais para o seu caixa.

Vamos aos fatos: circula a informação que Santoro, depois de ter participado de uma reunião com representantes das grandes distribuidoras de combustíveis no Rio de Janeiro, em junho deste ano, extinguiu um benefício que alimentou a economia alagoana em cerca de R$ 150 milhões nos últimos dezoito meses.

É que Existia uma norma que incentivava o desembaraço em Alagoas de importações feitas em outros estados, ou seja, com o recolhimento de ICMS para os cofres públicos. Na prática, as embarcações que atracavam do Porto de Maceió tinham que pagar impostos. Mas, especula-se que Alagoas cedeu as pressões – o que é negado pelo secretário George Santoro - das grandes redes de combustíveis ao eliminar a possibilidade de tributar no próprio Estado a importação de insumos destinados às refinarias a caminho do Porto de Santos, em São Paulo.

Segundo George Santoro explica que, após a Sefaz ter montado um grupo de fiscalização para o setor de Petróleo e Gás, foi estabelecida uma interface com o fisco de outros estados que “identificou indícios de ilícitos na operação citada, o que culminou na execução de uma operação conjunta de fiscalização, resultando na adoção de diversos procedimentos fiscais e de alterações de normas tributárias”.

Ele diz ainda que “não se pode falar em perda de arrecadação, nem em estimativa de valores enquanto não forem concluídas as investigações que estão em curso, até porque parte dos créditos já foram constituídos e outros ainda poderão ser ao longo do procedimento de fiscalização”.

Portanto, cabe ao leitor concluir se a revelação dessa questão foi ou não intriga para desestabilizar o poderoso Santoro:

Leia abaixo nota na íntegra do secretário de Fazenda de Alagoas, George Santoro:

“Ao contrário do que está apontado, o Estado de Alagoas não abriu mão de receitas. Todas as decisões tomadas possuem como base deliberações técnicas da equipe de fiscalização.

Como foi amplamente divulgado na mídia em 2016, a Sefaz montou um grupo de fiscalização especial para o Setor de Petróleo e Gás, que obteve inúmeras ações de sucesso nesse ano.

Esse grupo estabeleceu interface com o Fisco de vários Estados da Federação ao longo do ano, inclusive com a realização de reuniões conjuntas.

Dessa forma, esse grupo do Fisco alagoano, junto aos de outros Estados das regiões Sul e Sudeste, identificou indícios de ilícitos na operação citada, o que culminou na execução de uma operação conjunta de fiscalização, resultando na adoção de diversos procedimentos fiscais e de alterações de normas tributárias. Cabe ressaltar que a operação de importação vinha ocorrendo normalmente até a identificação destes indícios.

Portanto, não se pode falar em perda de arrecadação, nem em estimativa de valores enquanto não forem concluídas as investigações que estão em curso, até porque parte dos créditos já foram constituídos e outros ainda poderão ser ao longo do procedimento de fiscalização.”


Postado em 14/12/2016 às 10:51 0

Trapalhadas do PSDB nacional e local


Por Voney Malta

Principal alicerce que sustenta o governo Michel Temer, o PSDB fez escolhas que esfarelam suas chances de ser competitivo na disputa presidencial em 2018. Foi exatamente isso que a pesquisa Data Folha, divulgada esta semana, apontou.

Em todos os cenários Lula venceria folgadamente Alckmin, Serra ou Aécio. Marina Silva também sairia vitoriosa contra os tucanos, e bateria Lula no segundo turno. Dada a distância até o pleito, essa pesquisa só é um pouco mais confiável do que horóscopo diário. Porém, representa que os tucanos se enfraqueceram, ao contrário das esquerdas.

O grave erro das lideranças do PSDB foi deitar com a quadrilha do PMDB de Michel Temer, se associar a Eduardo Cunha para derrubar Dilma e estar francamente envolvida no recebimento de recursos de propina das construtoras investigadas pela Lava Jato. E, aguarde leitor, ainda faltam detalhes que estão sendo coletados na delação premiada referente não só aos atuais governadores e prefeitos, mas também aos anteriores.

No plano local também tem trapalhadas. O ex-governador Teotonio Vilela, corre o risco de ter as contas do seu governo, referentes a 2010, rejeitadas. Assim como as dos anos 2011 e 2012. Caso sobreviva a isso – o que é provável pelos entendimentos que ocorrem nos bastidores da política – e seja candidato ao Senado em 2018, irá contaminar os aliados ao seu redor. Afinal de contas, deixou o governo com altíssimo índice de rejeição, e o caos na segurança, educação e saúde.

Já no caso da estrela tucana do momento, o prefeito reeleito Rui Palmeira termina o mandato e inicia o segundo perigosamente: Primeiro encaminha uma reforma administrativa ao Legislativo. Porém, decisão judicial suspende a tramitação tendo como base violação de prerrogativas determinadas pela Lei Orgânica do município.

Segundo: Gente graúda da saúde decidiu suspender o atendimento do PAM Salgadinho nesta quarta-feira (14) para um daqueles regabofes de final de ano. O secretário de Saúde, José Thomaz Nonô, disse que não foi informado e mandou suspender a festa.

Bom, tanto no primeiro quanto no segundo caso o único caminho a ser seguido é a demissão da assessoria jurídica que desconheceu e desrespeitou a Lei Orgânica, assim como do dirigente de alto escalão que optou pelo ‘festão’ em detrimento do povão e nem deu bolas para Nonô, seja para informá-lo ou até convidá-lo, não é mesmo?

Caso não ocorra punição e responsabilização, vai parecer que Rui não gosta mesmo de povo, a não ser em época de eleição, algo que muita gente acredita e crava como uma característica dos tucanos.

A imagem de um político também é construída ou destruída tijolo por tijolo, mansamente.


Postado em 13/12/2016 às 10:29 0

PSB golpista ensaia saída do governo Temer


Por Voney Malta

2017 não deverá ser diferente de 2016. É crise que segue. E não poderia ser diferente. O que começa errado dificilmente termina certo, ainda na mais quando se trata de política.

Quem imaginou que o PMDB fosse capaz de liderar o país após trabalhar pelo afastamento dos aliados petistas e da presidente Dilma só podia ser, na melhor das hipóteses, digamos assim, um louco bem intencionado.

Muito já se fala que Michel Temer e o seu grupo perderam as condições políticas de governabilidade por conta do recebimento de propina da Odebrecht, não conquistaram o apoio da população, e agora começam a enfrentar dificuldades com base aliada.

E como nesse estranho e específico mundo político brasileiro tem hora para entrar e sair do governo, o PSB é o primeiro partido a revelar que não descarta a hipótese de desembarcar em outro porto. Inclusive já existem posicionamentos sobre isso em alguns estados, caso do Rio Grande do Sul.

O presidente da sigla, Carlos Siqueira, diz que o partido vai obstruir a votação da admissibilidade da PEC da reforma da Previdência da Comissão de constituição e Justiça.

Afirma, ainda, que o partido decidiu não votar nada polêmico este ano e que o apoio ao governo nunca foi incondicional, embora a sigla tenha sido presenteada com o Ministério de Minas e Energia no acordão que afastou Dilma.

Ou seja, como as condições políticas para permanência de Temer na presidência da República estão se deteriorando, os ratos são os primeiros a buscar uma saída para sobreviver.

Os mesmos pequenos camundongos traidores de antes, de agora, e de sempre.

Vida que segue.


Postado em 12/12/2016 às 10:49 0

2018: Lula lidera no 1º turno; Marina no 2º


Por Voney Malta

Ainda é muito cedo e bastante precipitada qualquer análise de cenário para 2018. Especialmente agora e nos próximos dias com as revelações da delação premiada do status quo da Odebrecht.

No entanto, já está claro que todo o andar de cima do governo Temer - além do Olimpo dos deuses do Senado Federal e da Câmara dos Deputados - está atolado no esquema de financiamento de campanhas eleitorais e de partidos.

Bom, mas voltando para o pleito de 2018. Segundo pesquisa Data Folha, publicada nesta segunda-feira (12), se as eleições fosse hoje Lula lidera em todos os cenários no 1º turno. Mas seria apenas superado por Marina Silva no 2º turno.

Os três principais nomes do PSDB, Serra, Alckmin e Aécio Neves cada vez mais perdem a gordura que nunca tiveram. Detalhe importante: a pesquisa foi realizada antes das revelações da construtora Odebrecht.

Leia abaixo mais informações sobre a pesquisa:

247 - Em nova pesquisa Datafolha, divulgada nesta segunda (12), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está na liderança em todos os cenários de primeiro turno da disputa pelo Planalto em 2018. O petista, que já liderava no último levantamento do instituto, realizado em julho, ampliou sua vantagem nas simulações. 

Em um cenário contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), Lula teria 25% das intenções de voto e o tucano, 11%. Com esse resultado, o mineiro fica atrás também da ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade), que aparece com 15% das intenções. 

Contra Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, Lula tem 26%.

Lula também venceria em todos os cenários de segundo turno, com exceção de uma eventual disputa com Marina Silva. Nesta simulação, a ex-senadora teria 43%, contra 34% do petista.

Os três potenciais candidatos do PSDB —Aécio Neves, Geraldo Alckmin e  José Serra— não venceriam em nenhum dos cenários analisados pelo Datafolha.

 


Postado em 09/12/2016 às 10:18 0

JHC, Kátia reempossada e a crise nacional do PSB


Por Voney Malta

Sem uma liderança importante desde a morte do presidenciável Eduardo Campos, o PSB explode em crises por conta da gestão do presidente nacional, Carlos Siqueira. Pragmático mas sem visão de futuro e sem musculatura política e baseado penas na cláusula de barreira, ele encaminha estratégias de intervenções em diretórios estaduais onde o partido não tem deputados federais. Acredita que assim vai fazer o partido crescer. No entanto, esquece-se de ouvir os militantes.

Além de decretar intervenção em Alagoas fez o mesmo no Ceará e no Rio Grande do Norte. Há também possibilidade de intervenções na Bahia e no Amazonas. Para tanto, basta que algum deputado federal queira a sigla. Esse é o negócio no supermercado que se transformou o PSB que um dia foi liderado por Miguel Arraes e Eduardo Campos.

Contudo, Siqueira não contava com a reação da militância, especialmente a de Alagoas. Depois que a presidente da executiva estadual, Kátia Born, foi afastada, além de uma série de atos políticos, ela conseguiu uma decisão da judicial, esta semana, que lhe devolve o comando da sigla (os membros da executiva estadual serão reempossados nesta sexta-feira, 11 horas) e afasta o presidente nomeado pela direção nacional, o deputado federal JHC.

Caso o partido ficasse com o parlamentar, seis prefeitos, três vice-prefeitos e 38 vereadores deixariam o PSB. Some-se a isso a solidariedade da militância nacional e o apoio de antigos aliados de Kátia Born, casos do deputado federal Ronaldo Lessa (PDT), do ex-governador Teotonio Vilela (PSDB), do PPS do ex-deputado federal Régis Cavalcante, do senador Benedito de Lira (PP) e até do governador Renan Filho (PMDB).

Definitivamente, Siqueira e JHC não contavam com tamanha reação. Dentro do PSB há quem avalie que a disputa patrocinada por JHC faz dele “um político que vive o isolamento e agregou sobre si, com a intervenção (golpe), a desconfiança generalizada dos políticos. E por falta de confiança, possíveis futuros candidatos não mais irão para o PSB”.

Bom, no dia 25 de novembro publiquei neste espaço que Kátia Born não foge da briga e iria lutar. Dito e feito. Também afirmei que JHC errou na estratégia para conquistar a sigla e, ganhando ou perdendo, sairia do embate com sua imagem arranhada.

Leia abaixo na íntegra:

2018: Kátia, JHC e o PSB

Quem conhece a ex-prefeita de Maceió, Kátia Born, sabe que ela – se não existir outra saída - não foge de uma briga. Foi assim que foi forjada desde os tempos em que lutou contra a ditadura, integrou os movimentos sociais, foi vereadora e prefeita por dois mandatos.

Claro, o tempo passou, sofreu derrota fatal ao tentar conquistar uma vaga na Câmara Federal em 2006. E se hoje está enfraquecida por não ter um mandato e ter perdido o apoio popular, continua a mesma guerreira, ainda mais quando significa a sua própria sobrevivência no comando do PSB.

Talvez - se orientado sobre as características da sua “adversária” interna, o deputado federal teria usado outras estratégia para conquistar o controle do partido. Sem importar a ordem, uma alternativa seria a negociação intensiva ou o afastamento célere dos membros da executiva estadual. Ao que parece nenhuma das duas formas foi usada.

E Kátia, acuada, parte para o confronto mobilizando o apoio dos membros do partido e atirando, via imprensa e redes sociais, críticas ao estilo de JHC no que lhe é mais caro: a imagem de político moderno, representante do “novo” nesse ofício tão sob suspeição.

Pelo andar da carruagem, mesmo vitorioso JHC sairá do embate com algum desgaste ao derrubar uma personagem histórica e sem suspeição de desonestidade na política. Uma mulher de luta, formada e conhecida nessa seara e que está sendo transformada em vítima do jovem parlamentar.

E caso não consiga o controle do PSB terá os seus planos de protagonismo prejudicados para o pleito de 2018. Ou seja, o que começa sem análise de cenário e de riscos, sem avaliação de alternativas e possibilidades e sem estratégia de comunicação tende a criar problemas graves, caso algo saia do controle.

Portanto, ou faltou maturidade a JHC ou ele foi mal orientado. Ou as duas possibilidades estão certas. Mesmo que vença essa queda de braço sofrerá ferimentos. A questão agora é calcular quais serão menos profundos e mais rapidamente irão cicatrizar quando se trata da sua imagem no presente e no futuro.

Kátia age, fala e divulga. JHC silencia.

Vivemos uma época em que a primeira versão é, geralmente, mais forte e importante do que a verdade.

 


Postado em 07/12/2016 às 10:27 0

Renan, Gilmar, Temer, Moro e o país do f...!!!, diz Pessoa


Por Voney Malta

Ativo politicamente após ter disputado a prefeitura de Maceió, o professor e presidente do Diretório Municipal do PSOL, Gustavo Pessoa, pretende entrar na disputa em 2018 e seguir em frente.

Pelo tempo de propaganda eleitoral, estrutura de campanha e postura sobre os temas levantados, foi a grande revelação da eleição. Obteve mais de 13 mil votos, ficando a frente do já conhecido deputado federal Paulão (PT), que obteve cerca de 10 mil votos.

Em sua pagina no Facebook, ele não esconde o que pensa sobre o conturbado momento d política brasileira. Diz que o Brasil é o “país do f...!!!”, que Renan Calheiros, o ministro Gilmar Mendes e o presidente Michel Temer também ligaram “o botão do f...”.

Afirma, também, quePra coroar nossa bestializacao deveriamos dar poderes totais e plenipotenciarios a Sérgio Moro, o único cujas decisões são irrevogáveis e inquestionáveis”.

Leia abaixo na íntegra postagem do dirigente psolista:

Por Gustavo Pessoa

O país do f...!!!
O Brasil se tranformou numa piada sem graça e de profundo mau gosto aos olhos do planeta.
Em mais uma evidência do seu colapso institucional, Renan Calheiros literalmente ligou o botão do f... e disse que não vai a assinar a notificação que lhe afasta da presidência do congresso.
Gilmar ligou o botão do f...e disse que Marco Aurélio deveria cair fora do STF.
Temer ligou o botão do f...e gastou 40 mil num banquete pra pedir menos gastos.
Mendonça e Temer ligaram o botão do f... e não vão fazer nada em relação ao Enem mesmo com fartas provas de vazamento das avaliações .
Pra coroar nossa bestializacao deveriamos dar poderes totais e plenipotenciarios a Sérgio Moro, o único cujas decisões são irrevogáveis e inquestionáveis .
E o resto é foda-se mesmo.