Vanessa Alencar
Vanessa Alencar

Jornalista formada pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e autora de quatro livros de ficção, Vanessa Alencar desenvolve suas atividades como assessora de imprensa e repórter do Cada Minuto. Este espaço pretende ser a versão online da coluna “Aparte”, que assina no semanário Cada Minuto Press desde sua estreia, em 2013, com notas sobre política, cultura e outros assuntos. Contato: vanessaalencar2005@gmail.com.

Postado em 25/11/2016 às 17:33 0

PSB convoca partidários para falar sobre "golpe" de filiado



Foto: Assessoria

Kátia Born e JHC

Parece que o mal-estar que já dura alguns dias entre o deputado federal JHC (PSB) e a executiva estadual do partido está apenas começando.

Em nota encaminhada à imprensa, a ex-prefeita Kátia Born, presidente do PSB, convocou, para a próxima segunda-feira, 28, uma reunião com todos os presidentes municipais, prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e militantes para “informar e deliberar” a respeito das pretensões de JHC.

No texto, o grupo classifica de “golpe” contra o PSB de Alagoas a tentativa do parlamentar destituir a comissão estadual e “criar um clima de insegurança para todas as comissões municipais”.

Em entrevista à imprensa, a ex-prefeita já havia adiantado que, somente após a notícia ganhar a mídia, a presidência nacional do partido a comunicou acerca do interesse de JHC em ocupar a direção do PSB em Alagoas.

Independente do mérito, é importante ressaltar que o interesse do parlamentar é legítimo, como seria se fosse qualquer outro filiado pleiteando o comando do partido. Agora, se os meios que ele está utilizando para alcançar os objetivos são questionáveis, aí é outra história. Que João Henrique se pronuncie sobre isso.

O encontro acontece às 10h30, na sede do PSB, no Centro de Maceió.

No mais, pelo menos por enquanto – já que em política nada é definitivo – não convidem JHC e Kátia Born para a mesma mesa.

  


Postado em 24/11/2016 às 18:17 0

"Falta óleo de peroba para tanta cara de pau", diz HH



Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/Arquivo

Heloísa Helena

“Nem todo óleo produzido no mundo consegue lustrar tanta cara de pau”, disse a vereadora Heloísa Helena (Rede), sobre a proposta de anistia ao caixa dois eleitoral que está sendo discutida na Câmara dos Deputados.

Deputados federais que defendem a proposta tentam empurrá-la goela abaixo, justamente no pacote de combate a corrupção. Não fosse o grito dos que discordam, o projeto de lei poderia ter sido votado hoje em plenário, mas só deve voltar à pauta na próxima terça-feira, 29.

“Como dizemos no interior, é muita cara de pau das excelências delinquentes... não tem óleo de peroba suficiente pra lustrar tanta cara de pau! Que vergonha!!”, frisou HH em suas redes sociais.

O juiz Sérgio Moro também falou sobre o assunto. Em nota à imprensa, ele alerta que a anistia impactaria nas investigações e nos processos já julgados ou em curso em relação à operação Lava-Jato, “com consequências imprevisíveis para o futuro do país”.

 


Postado em 24/11/2016 às 16:03 0

"Insistência" de Galba é parabenizada no Palácio



Foto: Agência Alagoas

Galba Novaes durante solenidade

Descontraído, o governador Renan Filho (PMDB) aproveitou um momento durante a assinatura do edital de licitação para construção do Hospital da Mulher, para parabenizar o deputado estadual Galba Novaes (PMDB), que “comemorou” o aniversário na solenidade ocorrida na manhã desta quinta-feira, 24, no Palácio.

Renan Filho parabenizou o partidário ainda pela “cobrança, trabalho, capacidade de articulação e persuasão” em prol da construção do hospital no Tabuleiro do Martins, reduto que o parlamentar sonha até em emancipar.

Ao lembrar que ele próprio também foi cobrado por Galba para dar andamento a obra, o governador brincou que o deputado botou até outdoors na cidade.

E garantiu: “Não vamos botar outdoor, vamos colocar pedra, cimento e gente trabalhando”.

Moral da história: Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura... 

 

 


Postado em 23/11/2016 às 17:49 0

ALE aprova fim da “pegadinha” do couvert



Foto: Ascom/ALE

Deputado Rodrigo Cunha

Além da matéria que torna a vaquejada patrimônio cultural imaterial de Alagoas, os deputados aprovaram - também por unanimidade - nesta terça-feira, 23, o Projeto de Lei (PL) que regulamenta a cobrança do serviço de couvert artístico pelos estabelecimentos comerciais.

Segundo Rodrigo Cunha (PSDB), autor da matéria, a ideia é proteger o consumidor contra constrangimentos. “O consumidor não pode ser pego de surpresa com a cobrança do couvert no final da conta. A informação referente à cobrança deve ser prévia, clara e precisa e estar afixada logo na entrada do estabelecimento e no cardápio, inclusive com o valor”, destacou na justificativa do PL.

Pela proposta, o estabelecimento comercial somente poderá cobrar o couvert se anteriormente informar o valor ao cliente ou se tiver essa cobrança afixada em uma placa em local visível.

Entre as regras constam ainda a proibição da cobrança da taxa em caso de música ambiente, exibição de jogos eshows em telas e em outros casos específicos.

 


Postado em 23/11/2016 às 15:29 0

Uber: “Decidam antes que o Judiciário decida”, diz Carimbão



Foto: Agência Câmara/Arquivo

Givaldo Carimbão

O deputado federal Gilvaldo Carimbão (PHS), que presidiu a sessão para debater o Projeto de Lei (PL) que modifica o funcionamento do aplicativo Uber, apelou para que os colegas de parlamento decidam sobre o assunto, seja qual for a decisão, “antes que o Judiciário o faça”.

O apelo decorreu das divergências envolvendo o tema, discutido nesta quarta-feira, 23, no plenário da Câmara dos Deputados. E, obviamente, decorreu também daquilo que muitos têm considerado interferências indevida do Poder Judiciário em assuntos legislativos. 

O PL 5587/16 impõe aos serviços de aplicativos, como o Uber, os mesmos requisitos exigidos dos taxistas, como taxímetro, identificação luminosa e a proibição de uso de veículos particulares na exploração do serviço.

Deixa ver e entendi...Em resumo, a matéria transforma o Uber em táxi.

Segundo reportagem da Agência Câmara, Carimbão defendeu a regulamentação do aplicativo, alegando que do jeito que está não é justo, pois não há livre concorrência, já que Uber e táxi não são sujeitos às mesmas regras.

Um grupo de trabalho foi instalado na Câmara para analisar a matéria, de autoria do deputado Carlos Zarattini (PT-SP). O projeto pode ser votado em plenário a partir do dia 7 de dezembro.


Postado em 22/11/2016 às 18:01 0

Uso de drogas em AL será discutido pela Câmara dos Deputados



Foto: Ilustração

Alagoas está, juntamente com Ceará e Maranhão, entre os primeiros estados que devem ser visitados pela Comissão externa da Câmara dos Deputados, para realização de audiência pública a fim de discutir a relação entre o uso de drogas e o aumento da violência.

De acordo com reportagem veiculada na Agência Câmara, a coordenadora da comissão, deputada Eliziane Gama (PPS-MA), disse que o colegiado ainda irá elaborar um plano de trabalho, com a previsão de começar as visitas nestes três estados, apontados como líderes no número de consumidores de drogas.

A parlamentar frisou que os trabalhos serão focados nos adolescentes entre 13 e 15 anos, em ações de saúde e educação. Segundo Eliziane, o tema “descriminalização” também deve ser enfrentado nos debates.

Ainda não foi divulgada a data para a realização da audiência pública em Alagoas.


Postado em 22/11/2016 às 06:00 0

Reforma: remédio ou placebo para apatia do eleitor?



Foto: Agência Senado

Senador Benedito de Lira

A Proposta de Emenda à Constituição 36/2016, conhecida como PEC da reforma política, pode ser votada em segundo turno nesta terça-feira, 22, informou a Agência Senado.

Entre as principais alterações propostas pela matéria está o fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais e a criação da cláusula de barreira para atuação dos partidos políticos.

Na semana passada, o senador Benedito de Lira (PP) defendeu que somente a rapidez na análise da reforma política pode ser capaz de eliminar o que classificou de “apatia do eleitor”. Segundo ele, o alto índice de abstenções e votos nulos e brancos no pleito deste ano refletiu o cansaço da população com a forma como se faz política no País.

Detalhe um: o cansaço vai bem além da forma de se fazer política.

Detalhe dois: a reforma até pode surtir algum efeito nesta apatia, porém, o mais provável é que seja apenas um placebo diante do tamanho da doença e do tanto que precisa ser mudado.


Postado em 21/11/2016 às 15:00 0

Preciso falar sobre Bruno...



Foto: Arquivo Pessoal

Bruno e Vanessa Alencar

Querido leitor, inicialmente peço desculpas pela ausência por aqui nos últimos dias. Em uma semana, perdi um pedaço imenso do meu coração: meu irmão, Bruno Alencar, morreu de forma repentina, inesperada e (não consigo encontrar um adjetivo para expressar minha perplexidade): aos 36 anos, vítima de infarto.

Eu, Bruno e João, nosso outro irmão, somos "um por todos e todos por um", sabe? A sensação de desfalque traz um misto de tanta coisa... Como pode o mundo seguir sem ele? O sol continuar nascendo e se pondo como sempre? Como é triste amanhecer em um mundo sem Bruno... Quantos amanheceres ainda existirão antes que nos reencontremos? E, como a morte deixa - do dia para noite - de ser uma vizinha distante para se tornar um parente próximo, que se mudou de mala, cuia e sem convite para nossa casa? 

Eu sou a irmã mais velha e sempre fui meio mãe dos meus irmãos... Um dia, quando tinha uns dez anos, morávamos em Brasília e tive uma forte crise de sinusite. Fiquei acamada. Era noite e João e Bruno brincavam num campinho em frente ao prédio. Na época, circulava a notícia de que havia uma gangue na região e eu estava apavorada pelo fato de eles estarem sozinhos. Dei o ultimato: ou eles subiam ou eu desceria para tomar conta dos dois, mesmo com febre e dor.

Eles foram obrigados pelos nossos pais a voltar para casa e ficaram com muita - muitaaaa - raiva de mim por estragar a brincadeira. Mas, fiquei aliviada e consegui dormir sabendo que estavam seguros.

Esses "recortes" ficaram muito mais vívidos nos últimos dias, por razões óbvias. Quando João era pequeno, esteve muito doente e, dessa época, recordo de mim, com seis, sete anos, olhando para o céu e rezando na calçada de casa: "Deus, não leva o meu irmão". Foi o mesmo pedido que fiz no dia 13 deste mês, enquanto os médicos tentavam salvar a vida do Bruno na UTI da Unimed: "Deus, salva meu o meu irmão”.

Levei alguns dias para conseguir parar um pouquinho de questioná-lo por não ter atendido minha súplica desta vez e para agradecê-lo pelos 36 anos que desfrutei da companhia, alegria e enorme senso de humor do meu irmão. Com problemas graves de visão, Bruno sempre dizia que o importante não era o quanto enxergávamos, mas, como enxergávamos as coisas.

A verdade é que não entendemos quase nada dos desígnios divinos, mas, o importante é como – e não quanto - enxergamos, né mesmo, irmão? Bruno tinha muitos, muitos planos e era muito, muito feliz. Tinha incontáveis amigos e um coração do tamanho do mundo. Tudo era superlativo nele: a coragem, a alegria, o amor e a pressa de viver.

O texto pode estar um pouco confuso e entrecortado, porque existe tanta coisa a ser dita... Mas, ao mesmo tempo, não há nada que eu não tenha dito a ele em vida. Não existiu um “eu te amo”, “vai ficar tudo bem” ou “conte comigo” não verbalizados. Não existiu o “obrigada por tudo” nem o “perdão” presos na garganta. Tudo foi dito. Tudo foi ouvido.

Deus salvou Bruno durante cada dia de seus 36 anos. Permitiu que ele não deixasse de enxergar a beleza ao seu redor e que desfrutasse de uma vida cercada de amor. Agora, ele poderá ler todos os livros que quis, sem precisar da lupa que levava no bolso para conseguir enxergar, ainda assim com muita dificuldade, as palavras.  

Como diz a música, vai ser difícil sem você, porque você está comigo o tempo todo... Mas, agora, eu quero (preciso) me agarrar em uma canção que ele adorava: “Eu não vim até aqui pra desistir agora”... É o meu jeito de tentar deixá-lo ir e meu tributo à vida que viveu: pulando dos céus sem redes de proteção.

Não posso mais obrigá-lo a encerrar a brincadeira para ficar sob meus olhos (agora você está infinitamente mais bem cuidado), mas, posso repetir para sempre: “Te amo. Vai ficar tudo bem”, com um pequeno acréscimo - esse sim, nunca antes dito: “Até um dia, meu amor”.


Postado em 11/11/2016 às 18:08 0

Trio alagoano aposta na legalização dos jogos de azar



Foto: Ilustração/Internet

Jogos de azar

Em Londres, onde participou do seminário Latin American Investment Forum 2016 (Laif), Marx Beltrão disse que o Ministério do Turismo vê com muitos bons olhos a legalização de cassinos no País.

Há dois dias, a Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional, do Senado, aprovou o Projeto de Lei (PL), de autoria do senador Ciro Nogueira (PP-PI), que legaliza os jogos de azar.

O relator da proposta, senador Bezerra Coelho (PSB-PE), estimou em R$ 29 bilhões a arrecadação de tributos que a legalização pode gerar para o governo em três anos.

A ideia de tirar da clandestinidade cassinos, bingos, jogo do bicho e outros, tem o apoio de pelo menos mais dois representantes de Alagoas no Congresso Nacional, os senadores Renan Calheiros (PMDB) e Benedito de Lira (PP).

Em contraponto ao argumento do aumento de receita, os contrários a legalização defendem que ela abrirá portas para práticas delituosas.

Façam suas apostas...


Postado em 11/11/2016 às 15:58 0

Renan: comissão para investigar supersalários não é pessoal



Foto: Agência Senado/Arquivo

Senador Renan Calheiros

Em outras palavras, Renan Calheiros (PMDB) disse que a instalação da comissão no Senado para apurar o pagamento de supersalários no funcionalismo público não é pessoal. Em nota divulgada nesta sexta-feira, 11, Calheiros respondeu as declarações do presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Veloso.

Veloso disse que os maiores salários da administração públicas estão entre os servidores da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, “com ascensoristas ganhando mais que  ministro do STF” e que “a comissão instituída pelo senador Renan Calheiros deve começar sua investigação dentro de casa, onde menos se respeita o teto constitucional”.

O presidente da Ajufe também garantiu que a Justiça Federal respeita o teto salarial.

Na nota, Calheiro respondeu que o foco exclusivo da comissão é aferir a correta aplicação do teto remuneratório, sem direcionamento a ninguém individualmente. Afirmou ainda que já existe um calendário para que todos os setores envolvidos na discussão sejam ouvidos.

“Neste momento de recessão econômica, desemprego e reforma da previdência, que exige austeridade das contas públicas e o sacrifício de todos, é um acinte à sociedade que alguns privilegiados integrantes de setores do serviço público sejam premiados com ganhos francamente inconstitucionais”, disse em outro trecho do documento.

O senador finalizou afirmando que, desde outubro de 2013, o Senado aplica o teto constitucional.

Aguardemos os resultados da comissão. Quanto aos que ganham supersalários inconstitucionais (em todas as esferas!!) peço licença a vereadora Heloísa Helena para usar seu bordão: "Quem for podre que se quebre"...


Postado em 10/11/2016 às 12:08 0

Cinquentinhas: sem recolhimento, mas com multa salgada



Foto: Joyce Marina/CadaMinuto/Arquivo

Protesto dos condutores de "cinquentinhas"

Em nota encaminhada ao blog, o Departamento Estadual de Trânsito de Alagoas (Detran/AL) disse, por meio da assessoria de Comunicação, que as cinquentinhas não estão sendo recolhidas até que seja aprovado, na ALE, o Projeto de Lei que prevê a isenção do pagamento do primeiro emplacamento, licenciamento e vistoria dos ciclomotores.

Por enquanto o condutor não terá necessariamente que apresentar esta documentação do veículo no momento da abordagem em blitzs, mas, é obrigatório estar com a Autorização para Conduzir Ciclomotor (ACC).

A assessoria explicou que, caso o motorista não apresente a ACC, o ciclomotor será apreendido somente até a chegada de alguém habilitado na categoria “A” para levar o veículo. A cinquentinha só será recolhida ao depósito do Detran caso não apareça ninguém,como já vinha ocorrendo desde o começo do mês, quando a obrigatoriedade do documento passou a valer, o que tira um pouco o caráter da "novidade" anunciada pelo deputado Tarcizo Freire.

Vale lembrar: mesmo que se livre da apreensão, o condutor sem ACC ainda terá que pagar uma salgada multa no valor de R$ 840,81

A obrigatoriedade da ACC para os condutores de cinquentinhas está sendo exigida desde o dia 5 de novembro, por determinação do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Confira a nota na íntegra:

O Departamento Estadual de Trânsito de Alagoas (Detran/AL) esclarece que, desde o dia cinco de novembro, já está sendo exigida a obrigatoriedade da Autorização para Conduzir Ciclomotor (ACC) para aqueles condutores que possuem “cinquentinhas”.

É importante ressaltar que, o Detran de Alagoas é obrigado a cumprir as exigências impostas pelos órgãos superiores, Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), de acordo com as resoluções de n° 572/2015 e 579/2016. 

Os valores para retirar uma ACC variam de acordo com o Centro de Formação de Condutores (CFC). O usuário irá pagar ao Detran/AL uma taxa de R$ 327,78, sendo R$ 168,64 referente a 1º Habilitação, R$ 74,34 do exame clínico, e R$ 84,80 da Avaliação Psicológica. 

Gostaríamos de explicar que tramita na Assembléia Legislativa do Estado um Projeto de Lei voltado para isentar os proprietários de "cinquentinhas" do pagamento do 1° emplacamento, licenciamento e vistoria do veículo. Até este projeto de lei ser aprovado, o condutor de “cinquentinha” não terá necessariamente que apresentar esta documentação do veículo no momento em que ele for abordado em blitzs. Hoje, a única obrigatoriedade é do condutor possuir a ACC. 

As “cinquentinhas” não serão apreendidas. Se o condutor for abordado em uma blitz e ele não possuir a ACC, ele será multado no valor de R$840,81 e o veículo poderá ser retirado com a presença de um habilitado na categoria “A”. 


Postado em 09/11/2016 às 16:30 0

Para o Brasil, vitória de Trump “nem fede, nem cheira”?



Foto: Divulgação/Internet

Donald Trump

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) disse que a vitória de Donald Trump não vai alterar “em absoluto” as relações do Brasil com os Estados Unidos.

“O Brasil terá as mesmas relações e nós não temos dificuldade nenhuma, sobretudo porque a América Latina e o Brasil, especialmente, não foram sequer tema da campanha presidencial”, analisou Calheiros em entrevista à imprensa nesta quarta-feira, 9.

Mais cedo, o presidente Michel Temer (PMDB) já havia feito comentários na mesma direção, de que não devem ocorrer mudanças significativas na relação dos países.

Ainda mais otimista, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) avaliou que, a julgar pelo “animador” discurso de vitória, onde Trump pregou a conciliação, haverá avanços nas relações Brasil/EUA.

O tempo. Só o tempo dirá.