Rivisitando Cultura
Rivisitando Cultura

Rívis é jornalista, advogada e pós-graduada em Direito Processual Civil. Possui experiência profissional em ambas as áreas e atualmente trabalha como assessora judiciária. Decidiu criar o blog com o objetivo de unir o agradável ao útil: seu apreço por linguagens artísticas e a possibilidade de propagar o cenário cultural local por meio de impressões. A proposta é abreviar a distância existente entre você, leitor, e a programação oferecida no estado de Alagoas. Sinta-se à vontade para explorar esse universo multifacetado.

Postado em 08/06/2017 às 17:43 0

Nova edição do Festival Varilux traz para Maceió 19 filmes franceses inéditos no Brasil

Mostra de cinema fica em cartaz até o próximo dia 21 nos cinemas do Parque Shopping e no Arte Pajuçara.



Para alguns, a melhor época do ano é o aniversário, para outros, as férias. Há quem goste dos festejos juninos e uns que amam o Natal. Já para mim, a fase mais empolgante vai - neste ano de 2017 - de hoje, 08, até o próximo dia 21. É o Festival Varilux de Cinema Francês! A mostra reúne o que tem de mais recente na cinematografia da França e, durante duas semanas, a população pode tirar férias do domínio hollywoodiano nas salas de cinema.

Prepare o coração e mantenha lenços sempre por perto, porque a programação foi ampliada e dessa vez o público terá à disposição 19 títulos inéditos no Brasil, dentre eles 17 filmes atuais, um documentário e, como já é tradição, um clássico. Tem drama, comédia, aventura, ou seja, é para todos os gostos!

Muitos nomes conhecidos vão dar o ar da graça nas telonas durante a mostra. Merecem todos os destaques Marion Cotillard (Oscar de melhor atriz por “Piaf - Um Hino ao Amor”), Juliette Binoche (Oscar de melhor atriz coadjuvante por “O Paciente Inglês”), Catherine Deneuve (indicação ao Oscar de melhor atriz por “Indochina”), Omar Sy, o inesquecível Driss de “Intocáveis”, e até Gérard Depardieu, o eterno Obelix de “Asterix e Obelix contra César”.

Vai ter também “Perdidos em Paris” (imagem abaixo), o último filme em que atuou a saudosa Emmanuelle Riva, falecida em janeiro deste ano. Por sua atuação em “Amour”, a atriz venceu quatro premiações e foi indicada a pelo menos outras oito, inclusive ao Oscar 2013 de melhor atriz, tendo, no entanto, perdido muito injustamente a estatueta para a atriz Jennifer Lawrence, que, em termos de atuação, não chegou nem perto da veterana.

É, não vai ter desculpa para não conferir o Festival, porque, além de tudo que eu já citei, as produções serão exibidas em dois locais, nas salas de cinema do Parque Shopping Maceió, que fica no bairro de Cruz das Almas, e no Centro Cultural Arte Pajuçara, lá no bairro da Pajuçara.

Fã que sou do cinema francês, no ano passado fiz maratona e quase consegui completar a programação. Dos 16 títulos do Varilux 2016, assisti a 14. Meu desafio pessoal este ano é ver todos da edição 2017. Será que eu consigo? Venho aqui contar para vocês depois.

Maratonando ou não, o Festival Varilux de Cinema Francês é imperdível. Não deixe de dar uma passadinha nas salas de cinema que estão abrigando a mostra. Vale muito a pena!

Todas as informações sobre os filmes e os horários de exibição você encontra em: http://variluxcinefrances.com/2017/

LISTA DE FILMES

1 - ”Uma agente muito louca” (Raid Dingue), de Dany Boon (2017)
Com Dany Boon, Alice Pol, Michel Blanc
Comédia – 1h 45min

***DOCUMENTÁRIO***
2 - “Amanhã” (Demain), de Cyril Dion e Mélanie Laurent (2015)
Com Mélanie Laurent, Pierre Rabhi e Olivier de Schutter
Documentário - 1h58min

3 - ”Na cama com Victoria” (Victoria), de Justine Triet (2016)
Com Vincent Lacoste, Virginie Efira e Melvil Poupaud
Comédia dramática - 1h37min

4 - ”Coração e alma” (Réparer les vivants), de Katell Quillévéré (2016)
Com Tahar Rahim, Emmanuelle Seigner e Anne Dorval
Drama - 1h40min

5 – “Uma Família de Dois” (Demain tout Commence), de Hugo Gélin (2017)
Com Omar Sy, Clémence Poésy, Antoine Bertrand
Comédia dramática - 1h55

6 – “O Filho Uruguaio” (Une Vie Ailleurs), de Olivier Peyon (2017)
Com Isabelle Carré, Ramzy Bedia, Maria Dupláa
Drama - 1h36min

7 – ”Frantz”, de François Ozon (2017)
Com Pierre Niney, Paula Beer, Ernst Stötzner
Drama - 1h53min

8 – “Um Instante de Amor” (Mal de Pierres), de Nicole Garcia (2016)
Com Marion Cotillard, Louis Garrel, Alex Brendemühl
Drama - 1h56

9 – “Perdidos em Paris” (Paris pieds nus), de Fiona Gordon, Dominique Abel (2017)
Com Fiona Gordon, Dominique Abel, Emmanuelle Riva
Comédia - 1h23min

10 – “Um Perfil para Dois” (Un Profil pour Deux), de Stéphane Robelin (2017)
Com Pierre Richard, Yaniss Lespert, Fanny Valette
Comédia romântica - 1h39

11 – “O Reencontro” (Sage Femme), de Martin Provost (2017)
Com Catherine Frot, Catherine Deneuve, Mylène Demongeot
Drama/Comédia – 1h57min

12 – “Rock’n roll – Por trás da fama”, de Guillaume Canet (2017)
Com Guillaume Canet, Marion Cotillard, Gilles Lellouche
Comédia - 2h03min

13 – “Rodin”, de Jacques Doillon
Com Vincent Lindon, Izia Higelin, Séverine Caneele (2017)
Drama - 1h59min

14 – “Tal mãe, tal filha” (Telle mère, telle fille), de Noèmie Saglio (2017)
Com Juliette Binoche, Camille Cotting, Lambert Wilson
Comédia - 1h34min

15 - ”Tour de France”, de Rachid Djaïdani (2016)
Com Gérard Depardieu, Sadek e Louise Grinberg
Comédia dramática - 1h35min

16 - ”Na vertical” (Rester Vertical), de Alain Guiraudie (2016)
Com Damien Bonnard, India Hair, Christian Bouillette
Drama - 1h 40min

17 - ”A viagem de Fanny” (Le Voyage de Fanny), de Lola Doillon (2016)
Com Cécile de France, Léonie Souchaud, Fantine Harduin
Aventura/Drama – 1h 34min

18 - ”A vida de uma mulher” (Une vie), de Stéphane Brizé (2016)
Com Judith Chemla, Jean-Pierre Darroussin e Yolande Moreau
Drama - 1h59min

19 - ***CLÁSSICO***
“Duas garotas românticas” (Les demoiselles de Rochefort), de Jacques Demy e Agnès Varda (1967)
Com Catherine Deneuve, Françoise Dorléac e Danielle Darrieux


Postado em 18/04/2017 às 20:22 0

Após dois anos, Arte Pajuçara realiza nova edição do Corujão; confira as atrações

Evento acontece no dia 29 e ingressos terão valores de R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia). Programação prevê exibição do filme “Joaquim” e bate-papo com o diretor, Marcelo Gomes.



Foto: divulgação

Última edição do projeto foi realizada em março de 2015.

Imagine se fosse possível, com um único ingresso, reservar assento para uma madrugada inteira de filmes, música, exposições e bate-papo cultural... Pois saiba que esse “pacote artístico” já existiu em Maceió e, neste mês de abril, após deixar o público órfão por dois anos, está de volta! Estou falando dele mesmo, o famoso Corujão, um projeto que reúne os amantes, não só da sétima arte, mas de diversas manifestações culturais.

Responsável por trazer atores, diretores e cineastas, como Zé do Caixão, Selton Mello, Hermila Guedes e Cláudio Assis, a edição deste ano está marcada para acontecer no próximo dia 29 e, segundo a organização do evento, os ingressos podem ser adquiridos já no sábado, 22, a partir das 16h, pelos valores de R$ 40,00 a inteira e de R$ 20,00 a meia entrada.

Desta vez, a grande atração da noite vai ser o diretor pernambucano Marcelo Gomes, responsável por produções, como “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005) e “Era Uma Vez Verônica” (2012). Logo após a exibição de seu mais novo filme, “Joaquim” (2017), Marcelo participa de um bate-papo sobre o trabalho com o público presente.

Originalmente criado pelo extinto Cine Sesi Cultural, hoje Centro Cultural Arte Pajuçara, o Corujão sempre foi um sucesso de público. A última edição do projeto foi realizada em março de 2015 e, ao longo de todos esses meses, deixou saudades.

Sem fugir da essência, a programação prevê muita música e, este ano, promete trazer ao palco, durante o intervalo dos filmes, o show do cantor e compositor alagoano Junior Almeida, acompanhado do músico Toni Augusto.



O público vai poder conferir ainda um clássico da década de 1960, o filme “Blow-Up – Depois daquele beijo” (1966), de Michelangelo Antonioni. Além dele, completa a grade do evento a recente produção “Una” (2017), do diretor Benedict Andrews.

E não para por aí! Os visitantes ainda podem conferir exposições gratuitas no hall do Centro Cultural e, ao final da maratona, um café da manhã vai fechar as cortinas do Corujão.

Então separe logo seu casaco e descanse bastante durante o dia, porque a maratona se estende por toda a madrugada. Ah, e não deixe para comprar o ingresso de última hora. As vagas são limitadas!

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

- 23h00: Exibição do filme “Joaquim”
- 00h45: Bate-papo com Marcelo Gomes, diretor do filme “Joaquim”
- 01h30: Exibição do clássico “Blow-Up – Depois daquele beijo”
- 03h30: Show de Junior Almeida e Toni Augusto
- 04h20: Filme “Além da ilusão"
- 06h00: Café da Manhã

SINOPSES:

- “Joaquim”: 
A história dos acontecimentos e fatos que levaram Joaquim José da Silva Xavier, um dentista comum de Minas Gerais, a se tornar mais conhecido pela alcunha de Tiradentes, transformando-se em um importante herói nacional e mártir que veio a liderar o levante popular conhecido como "Inconfidência Mineira".



- “Blow-Up – Depois daquele beijo”: Thomas (David Hemmings) é um fotógrafo de moda que não suporta mais o mundo em que vive, no qual jovens mulheres o perseguem para serem fotografadas na esperança de se tornarem grandes modelos. Um dia, ao passar por um parque de Londres, ele vê um casal à distância e resolve fotografá-los. Ao vê-lo, Jane (Vanessa Redgrave) corre ao seu encontro, pedindo que lhe entregue os negativos das fotos. Ele se recusa e vai embora, mas ela descobre o endereço de seu estúdio e vai visitá-lo. Lá, Jane tenta seduzi-lo e Thomas a engana, entregando outro rolo fotográfico. Ao revelar as fotos, Thomas percebe que pode ter documentado, sem querer, um assassinato.

- “Além da ilusão”: Paris, 1943. As irmãs Laura (Natalie Portman) e Kate Barlow (Lily-Rose Depp) realizam uma série de apresentações onde se comunicam com os mortos. Fascinado com a possibilidade, o produtor francês André Korben (Emmanuel Salinger) solicita uma sessão particular. Decidido a encontrar um meio de filmar seres sobrenaturais, ele apresenta o cinema às irmãs. Enquanto Laura experimenta a possibilidade de se tornar atriz, Korben realiza seguidas gravações ao lado de Kate, que possui poderes mediúnicos.


Postado em 09/03/2017 às 17:45 0

Maceió é uma das 15 cidades a receber o IV Festival Internacional Lume de Cinema

Mostra competitiva está sendo exibida no Arte Pajuçara e se estende até o próximo dia 15.



Foto: Divulgação

Algumas das obras que integram a programação do Festival estiveram em Cannes e participaram do Bafta Awards.

Sabe aqueles filmes premiados ou que participaram de festivais pelo mundo dos quais escutamos falar, mas nunca temos a oportunidade de assistir? Nossos problemas acabaram! Começou hoje (09) e vai até a próxima quinta-feira (15) o IV Festival Internacional Lume de Cinema. A programação, que está sendo exibida no Cine Arte Pajuçara, conta com nove longas-metragens e 12 curtas independentes e autorais produzidos em 15 países diferentes.

Maceió integra o grupo seleto das 15 cidades do país escolhidas para receber o Festival. De acordo com a organização, os filmes estão divididos em três mostras dentro do próprio Festival, denominadas Mostra Competitiva de Longas-metragens, Mostra Competitiva de Curtas-metragens e Sessão Especial. Os participantes foram selecionados pela curadoria do evento com base na diversidade dos temas, na inovação e na qualidade artística. Algumas das obras integraram premiações como o festival de Cannes e o Bafta Awards.

Quem decidir prestigiar o Festival Lume desse ano vai poder assistir a filmes produzidos no Brasil, França, Holanda, Bélgica, Suíça, Argentina, Cazaquistão, Letônia, Alemanha, Macedônia, Grécia, Estônia, Bulgária, Rússia e Reino Unido. Os títulos tratam de temas diversos e muitos deles envolvem grandes debates.

A boa notícia para os participantes é que os filmes ganhadores da mostra competitiva, a serem escolhidos por um júri formado por personalidades envolvidas no cenário autoral brasileiro, terão direito a um contrato de distribuição pela Lume Filmes, produtora e distribuidora de cinema de São Luís, no Maranhão.

Para quem quer fugir da programação do circuito comercial, quer dar um tempo na maratona dos filmes indicados e premiados pelo limitadíssimo Oscar ou cansou da (geralmente) mesmice dos famosos blockbusters que só querem saber de arrecadar bilheteria, esse Festival é uma ótima opção. Vale a pena conferir!

SERVIÇO
Evento: IV Festival Internacional Lume de Cinema;
Local de exibição: Cine Arte Pajuçara;
Período: de 09 a 15 de março. Horários diversos;
Ingressos:  R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia-entrada). Passaporte promocional para quem quiser fazer maratona.
Mais informações: (82) 98882-8241 / (82) 99135-8146 WhatsApp / (82) 3316-6000

PROGRAMAÇÃO
- 09/03
15h30: “Caminho para La Paz” (longa-metragem) e “Return to Erkin” (curta-metragem)
17h50: “Leste Oeste” (longa-metragem) e “The Son” (curta-metragem)
20h10: “The Wounded Angel” (longa-metragem) e “Aquela Rua Tão Triumpho” (curta-metragem)

- 10/03
15h30: “Thread” (longa-metragem), “To Light” (curta-metragem) e “Eclipse Solar” (curta-metragem)
17h50: “Jovens Infelizes…” (longa-metragem) e “L’infini” (curta-metragem)
20h10: “Eat Your Bones” (longa-metragem) e “Ainda Há Sangue por Dentro” (curta-metragem)

- 11/03
15h30: “Still Life” (longa-metragem), “Import” (curta-metragem) e “Over” (curta-metragem)
17h50: “Amok” (longa-metragem) e “O Homem que Virou Armário” (curta-metragem)
20h10: “Eat Your Bones” (longa-metragem) e “Ainda Há Sangue por Dentro" (curta-metragem)

- 12/03
15h30: “Caminho para La Paz” (longa-metragem) e “Return to Erkin” (curta-metragem)
17h50: “Still Life” (longa-metragem), “Import” (curta-metragem) e “Over” (curta-metragem)
20h10: “Amok” (longa-metragem) e “O Homem que Virou Armário” (curta-metragem)

- 13/03
15h30: “Jovens Infelizes…” (longa-metragem) e “L’infini” (curta-metragem)
17h50: “O Signo das Tetas” (longa-metragem) e “Angústia” (curta-metragem)
20h10: “Still Life” (longa-metragem), “Import” (curta-metragem) e “Over” (curta-metragem)

- 14/03
15h30: “Amok” (longa-metragem) e “O Homem que Virou Armário” (curta-metragem)
17h50: “Leste Oeste” (longa-metragem) e “The Son” (curta-metragem)
20h10: “Eat Your Bones” (longa-metragem) e “Ainda Há Sangue por Dentro (curta-metragem)

- 15/03
15h30: “O Signo das Tetas” (longa-metragem) e “Angústia (curta-metragem)
17h50: “Thread” (longa-metragem), “To Light” (curta-metragem) e “Eclipse Solar” (curta-metragem)
20h10: “Jovens Infelizes…” (longa-metragem) e “L’infini” (curta-metragem)


Postado em 08/11/2016 às 13:22 0

Festival promete provar para o público que a ópera não é reservada às elites

'Ópera na Tela' entrou na programação do Arte Pajuçara e apresentações se estendem até 05 de abril de 2017.



Foto: Divulgação

A primeira ópera apresentada chama-se 'Gianni Schicchi' e teve direção de Woody Allen

Senhoras e senhores, é chegada a hora de tirar o traje de gala do guarda-roupa, separar o binóculo e caprichar na elegância, porque começou a temporada de ópera no Centro Cultural Arte Pajuçara! E pode se sentir na Europa, pois a programação do Festival Ópera na Tela conta com o melhor das montagens recentes exibidas no velho continente. 

De acordo com a diretoria do Arte Pajuçara, as óperas serão reproduzidas a cada quinze dias sempre às quartas-feiras, no horário das 19h. A programação conta com 12 montagens e teve início no último dia 02. Mas ainda tem muito espetáculo para ocupar as telas do Centro Cultural, já que o calendário montado para Maceió prevê exibições até 05 de abril de 2017.

A primeira ópera apresentada foi “Gianni Schicchi”, dirigida por Woody Allen. A comédia disfarçada de drama encenou o destino da herança de Buoso Donati, que morreu e deixou em testamento toda sua fortuna para a igreja. A família, cobiçando a herança, concordou que Gianni Schicchi - que ganhou corpo com nada mais nada menos do que o tenor espanhol Plácido Domingo - se passasse pelo morto para alterar o testamento, mesmo sabendo que a pena para esse tipo de crime era o exílio de Florença e o corte da mão direita.

Mas a cobiça virou contra os cobiçadores. Imitando o falecido, Schicchi deu um golpe em toda a família e deixou os bens mais preciosos para si mesmo, dando a deixa para que a ópera ganhasse um desfecho surpreendente.

Com direito a muita música, interpretação, cenários e poesia lírica, características próprias do erudito gênero artístico-teatral, o Festival promete provar para o espectador que a ópera não é uma formatação artística reservada às elites. A ideia é torná-la cada vez mais acessível.

Então, brincadeiras à parte, o dress code para prestigiar as montagens é o traje com o qual você se sentir mais confortável, porque o Arte Pajuçara permanece sendo um espaço democrático e o que importa mesmo é a participação do público.

Próxima apresentação prevista
No próximo dia 16/11 é a vez de “O Navio Fantasma”, composta por Richard Wagner, ir à tela. De acordo com o enredo, o capitão do navio fantasma é amaldiçoado a navegar para sempre até encontrar um amor fiel. Em uma emergência, ele atraca em um porto e conhece Senta. A moça rompe com seu noivo Erick e se entrega ao capitão jurando fidelidade. Erick tenta persuadi­la. O capitão vê a cena, acredita que foi traído e parte de volta para o mar. Senta se joga no oceano tentando unir sua alma à dele. O navio fantasma se dissipa e ambos ascendem ao céu.

Programação completa e sinopses

- 02/11: Gianni Schicchi

Buoso Donati morre e deixa em testamento toda sua fortuna para igreja. A família, cobiçando a herança, concorda que Gianni Schicchi se passe pelo morto para alterar o testamento. Todos estão cientes de que a pena para esse tipo de crime é o exílio de Florença e o corte da mão direita. Imitando o falecido, Schicchi dá um golpe em toda a família e deixa os bens mais preciosos para si mesmo.

- 16/11: O Navio Fantasma

O capitão do navio fantasma é amaldiçoado a navegar para sempre até encontrar um amor fiel. Em uma emergência, ele atraca em um porto e conhece Senta. Senta rompe com seu noivo Erick e se entrega ao capitão jurando fidelidade. Erick tenta persuadi­la. O capitão vê a cena, acredita que foi traído e parte de volta para o mar. Senta se joga no oceano tentando unir sua alma à dele. O Navio fantasma desvanece­se e ambos ascendem ao céu.

- 30/11: La Traviata

Violetta é a mais famosa e sofisticada cortesã de Paris e apaixona-se por Alfredo, que já a amava. Temendo a reação do pai do rapaz – e da sociedade parisiense – eles se mudam para o campo. Procurada por Giorgio Germont, pai de Alfredo, ela se afasta de seu amado e parte. Alfredo se sente traído e fica enraivecido. O pai, arrependido, revela a verdade, mas quando Alfredo retorna Violetta está gravemente doente e morre em seus braços.

- 14/12: Cavalleria Rusticana / Pagliacci

Cavalleria Rusticana Turiddu fica noivo de Lola antes de partir em uma missão militar. Lola não o espera e casa-se com o carroceiro Alfio. Ao retornar, Turiddu seduz Santuzza, mas se torna amante de Lola. Santuzza vê Alfio e lhe conta sobre a traição. O carroceiro jura vingança e desafia Turiddu para um duelo que culmina na morte do traidor Pagliacci.

A companhia teatral I Pagliacci chega a uma aldeia na Calábria, na Itália. Nedda, a jovem esposa de Cânio, tem um romance com Silvio e promete fugir com ele naquela noite após o espetáculo. Apaixonado por Nedda, o comediante Tonio alerta Cânio, que pega a esposa em flagrante. Durante a encenação, Cânio enlouquecido pelo ciúme mata Nedda e Silvio.

- 28/12: O Trovador

Leonora ama Manrico sem saber que ele é irmão de Conde Luna, homem para quem está prometida. Os irmãos se enfrentam sem saber do parentesco. Acreditando na morte de seu amado, Leonora vai para um convento. Manrico aparece e leva a jovem ao altar. O casamento é interrompido quando eles recebem a notícia de que Azucena, mãe de Manrico, está sendo levada à fogueira. Manrico é preso e morto por Luna. Leonora se envenena e Azucena revela que Luna matou o próprio irmão.

- 11/01: Fausto

Alemanha, século XVI. Pensando em suicídio, Fausto convoca o satã e faz um acordo para vender sua alma em troca do elixir da juventude. Transformado, sai em busca da jovem Marguerite. Apoiado por ​Mefistófeles, ele a conquista, concebe um filho e a abandona. Arrependido, retorna para salvá-la da execução, mas, horrorizada, Marguerite pede proteção divina e morre.

- 25/01: Iolanta / O Quebra-Nozes

Iolanta nasceu cega e seu pai, o Rei, construiu em torno dela um jardim e em volta dele um castelo – e nele é proibido entrar, sob pena de morte. Assim, Iolanta jamais saberá que a visão existe para todos, menos para ela, que a cegueira não é universal e que a sua pergunta é quase insuportável: “É possível que os olhos não sejam apenas para chorar?”.

A heroína do Quebra-Nozes, Marie Stahlbaum (a menina-moça de idade, para mim, sempre enigmática), se chama Clara que, quando é uma boneca, empreende sua jornada em um sonho – mas ainda assim uma jornada – repleta de revelação e transformação.

- 08/02: Os Dois Foscari

Os dois Foscari são Francesco e seu filho Jacopo, que voltou do exílio para enfrentar as acusações de traição. Jacopo é inocente, mas nem os apelos de sua mulher Lucrecia nem os do seu poderoso pai são suficientes para salvá-lo da condenação pelo hostil Conselho dos Doze.

- 22/02: Otello

O Alferes Iago faz Otello crer que sua mulher Desdemona o trai com o lugar­tenente Cássio, que ele havia destituído do posto. Cego de ciúme, o mouro assassina Desdemona com suas próprias mãos. Ao descobrir a verdade, suicida­se cheio da culpa que o inundava e o sufocava de morte.

- 08/03: Rigoletto

Bobo da corte do Duque de Mântua, Rigoletto é odiado por todos, especialmente pelo Conde Ceprano, cuja esposa o Duque deseja. Amaldiçoado pelo Conde Monterone, tem sua filha Gilda raptada e cortejada pelo Duque disfarçado. Em uma armadilha, contrata o assassinato da própria filha, pensando ser para o Duque, e cai em desespero.

- 22/03: Lucia de Lammermoor

Na Escócia, Lucia de Lammermorr vive um romance secreto com Edgardo, de uma família inimiga. Os amantes trocam alianças secretamente e Edgardo viaja. Uma armação faz Lucia crer que o amado tem outra e aceita um casamento arranjado. Edgardo retorna e amaldiçoa a noiva. Lucia pira, mata Arturo e morre, com a promessa de encontrar Edgardo no paraíso. Vendo a morte da amada, Edgardo apunhala-se.

- 05/04: Sansão e Dalila

Oprimidos pelos filisteus, os hebreus têm em Sansão um líder. Para descobrir a origem de sua força sobrenatural, Dagom resolve usar Dalila como espiã. Ela seduz Sansão e descobre que sua força vem dos cabelos. Sansão é capturado pelos filisteus, tem seus cabelos cortados e, indefeso, é levado para o sacrifício. Pedindo a Deus que restituísse suas forças, Sansão derruba os pilares e todo o templo cai sobre ele e seus inimigos.

Mais informações no site do festival: http://www.operanatela.com/2016/


Postado em 19/10/2016 às 14:32 0

Exposição 'A lágrima das coisas' propõe diálogo entre a infância e a maturidade

Mostra da artista plástica alagoana Hilda Moura está aberta à visitação na Pinacoteca Universitária



O salão do drama retrata as sentimentalidades que acompanham o ser humano ao longo da vida

“Vamos, não chores... A infância está perdida”, escreveu Carlos Drummond de Andrade em Consolo na praia, poema publicado em 1945.

Hilda Moura discorda.

Contrapondo-se ao verso do poeta modernista, a artista alagoana concebeu uma exposição com pinturas e instalações que propõem e compõem um diálogo entre a criança que fomos e o adulto que nos tornamos, sugerindo que a nossa fase pueril é a chave de quem seremos na maturidade. Ou seja, ela nunca se perde.

Disponível para visitação na Pinacoteca Universitária, localizada no 1º andar do Espaço Cultural Universitário, que fica na Praça Visconde de Sinimbu, no Centro, A lágrima das coisas está distribuída em dois salões.

No primeiro, os estágios da vida são encenados progressivamente. O nascimento, simbolicamente representado em uma sala isolada, abre a exposição. A partir daí as telas assumem a função de construir o ciclo da existência. Já no segundo, a montagem se torna mais coisificada, utilizando-se de elementos como vestimentas para externar as sentimentalidades que estruturam o ser. Não à toa chama-se salão do drama.

Cercada de referências a outras obras, a exposição teve como inspiração o poema Sestina, da poetisa americana Elizabeth Bishop. O texto é marcado justamente pela relação entre duas gerações distintas - avó e neta.

Embalado pelos acordes da música clássica, o visitante passeia, entre uma tela e outra, pelas muitas expressões da figura feminina que sustenta a exposição. A moça é retratada com cabelos ruivos em uma clara revisita ao arquétipo da Ofélia de Shakespeare.

Hilda se utiliza sem moderação da simbologia dos pássaros, mãos e vestidos, assim como dos tons em azul e vermelho, para fomentar a reflexão acerca da liberdade, dos conflitos internos e até mesmo das questões do feminismo.

A delicadeza do trabalho é um convite plástico, belo e irrecusável à autorreflexão.


Serviço:

A exposição A lágrima das coisas está aberta à visitação até o dia 18/11.
A Pinacoteca Universitária fica no 1º andar do Espaço Cultural Universitário Salomão de Barros Lima, localizado na Praça Visconde de Sinimbu, 206, no Centro de Maceió.
O espaço abre de segunda a sexta, das 8h30 às 18h.
Entrada franca.
Mais informações: (82) 3214–1545.


Postado em 05/09/2016 às 12:41 0

Em filme 'Aquarius', Sonia Braga entoa ode à resistência

Produção brasileira mais polêmica e comentada do ano está em cartaz em três cinemas de Maceió.



Crédito: Divulgação

A personagem de Sonia Braga é a única moradora que se recusa a vender o apartamento para uma grande construtora

Parece pouco provável, mas um único apartamento de um pequeno prédio localizado na orla de Boa Viagem, em Recife, pode ser a porta de entrada para um incômodo de grande extensão. Aquarius, filme brasileiro que concorre à seleção para disputar o Oscar de melhor produção estrangeira, se utiliza dessa proposta para levar às telas uma trama que se edifica justamente em cima da ideia de resistência do “menor” em relação ao “maior” e que se rebela, dadas as devidas proporções, contra a prevalência do chamado Darwinismo social.

Recheado de polêmicas desde o seu lançamento*, o filme do diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho já é, de longe, o mais comentado do ano no país. De acordo com o enredo, Clara (Sonia Braga) é uma jornalista e escritora aposentada que perde o sossego por conta do projeto de uma grande construtora que quer transformar o antigo prédio em que ela mora em um empreendimento de luxo. Mas a teimosa moradora não abre mão da convivência ao lado das memórias, discos, livros e individualidades que guarda entre as paredes de seu apartamento no Edifício Aquarius.

Alicerçado em um repertório musical aconchegante e que se conjuga perfeitamente ao conteúdo das cenas, o filme passeia por contrastes de tipos diversos: o moderno e o antigo, a juventude e a velhice, a soberba e a simplicidade, a tecnologia e o clássico, os valores e a falta de escrúpulos; o poderio e o empoderamento, sobretudo. É um ode à resistência.

Para além do confronto entre avessos, o filme conta para o espectador que não há prevalência entre velho e novo e que o conceito de riqueza é muito singular, podendo ir de uma conta bancária recheada a uma coleção de vinis e livros.

Aquarius já conquistou o prêmio de melhor filme nos festivais de Sidney e de Amsterdã, venceu e prêmio do Júri e de melhor atriz para Sonia Braga no festival de Lima e foi indicado à Palma de Ouro.

A questão de fundo da produção, aliada à atuação visceral de Sonia Braga, dá o recado: é preciso impedir que intervenções externas corroam seus valores e esvaziem seu poder de reação. Nem toda tentativa de dominação alcança o sucesso.

Esperamos que seja mesmo a “era de Aquarius” e que o filme tenha boa aceitação entre os críticos do Oscar.

A trama é, sem dúvida, um convite à reflexão!

Aquarius está em cartaz nas seguintes salas e horários:

Parque Shopping Maceió
VIP – 16h20 e 21h50

Maceió Shopping
15h05, 18h e 20h55

Arte Pajuçara
15h45 (somente quinta, terça e quarta – 01, 06 e 07/09)
16h30 (somente sexta – 02/09)
16h (somente sábado e domingo – 03 e 04/09)
20h10 (todos os dias)

*A equipe de Aquarius protestou contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff no lançamento do filme em Cannes, no mês de maio. No tapete vermelho, atores e diretor seguraram cartazes que faziam menção à suposta ideia de golpe e de fim da democracia no Brasil. Também houve gritos de “Fora, Temer”.

O protesto foi assunto mundial e, antes de ser chamado para fazer parte da comissão especial do Oscar, o crítico Marcos Petrucelli postou em seu Facebook declarações negativas sobre a atitude do diretor Kleber Mendonça Filho de se aproveitar do tapete vermelho para se insurgir contra o cenário político brasileiro. Por conta disso, os cineastas Aly Muritiba, Gabriel Mascaro e Anna Muylaert retiraram seus filmes da disputa à candidatura brasileira ao Oscar estrangeiro de 2017, como forma de declarar apoio a Aquarius e favorecer sua participação na disputa.

A obra também foi classificada pelo Ministério da Justiça como proibida para menores de 18 anos, medida que foi vista como uma retaliação do governo. No dia da estreia, contudo, a classificação indicativa foi reduzida para 16 anos.


Postado em 01/09/2016 às 12:32 0

Novas e velhas histórias se encontram em mais uma edição da Flimar

Homenageando Nise da Silveira e o cantor Fagner, a sétima edição da Festa Literária se estende até o próximo dia 3



A programação tem atividades que agradam todas as faixas etárias

As memórias retidas nas construções históricas de Marechal Deodoro estavam empolgadas na noite desta quarta-feira, 31. De longe logo se via: as paredes ostentavam sua melhor roupa e acompanhavam os passantes com um sorriso largo. Sem mistérios, compartilhavam com os curiosos o motivo de tanto entusiasmo. Tinha chegado o dia mais aguardado do ano, o dia em que velhas histórias recepcionam novas.

Em sua VII edição, a Festa Literária de Marechal Deodoro (Flimar) teve a programação dividida entre os dias 31 de agosto e 3 de setembro e, dessa vez, quem ganha todos os louros são a psiquiatra alagoana Nise da Silveira e o cantor cearense Raimundo Fagner, homenageados deste ano.

Recheado de opções culturais para “agradar a gregos e troianos”, o esquema de atividades da Flimar dará passagem, como de praxe, para lançamento de livros, palestras, oficinas, saraus literários, exposições de arte, concertos, mostra gastronômica, teatro, apresentações de folclore, roda de conversa, entre muitos outros.

Mas essa edição promete presentear os visitantes com uma dose mais caprichada de música em comparação com os anos anteriores. "A Flimar, apesar de ser uma festa literária, tem a característica de não focar apenas na literatura. Ela prestigia diversas manifestações culturais e, neste ano, a programação está bem mais musicada", contou ao Rivisitando o secretário de Cultura de Marechal Deodoro, Carlito Lima.

Três espaços pensados de acordo com faixas etárias concentram as atrações. A expectativa da organização do evento é receber cerca de 30 mil pessoas nas Flimar, Flimar Jovem e Flimarzinha durante os quatro dias do evento.

Lançamentos
O jornalista e poeta Manoel Constantino não contou história, trouxe logo dois de seus livros para participar da Festa Literária. Natural de Santana do Ipanema, mas radicado na cidade de Recife – PE, Manoel lança na sexta-feira, 2, “Anjo de rua”, classificado em primeiro lugar na categoria juvenil no Concurso Cepe de Literatura Infantil e Juvenil em 2010 e finalista do Prêmio Jabuti em 2012.


O escritor lança também “O diário quase ridículo de Aurora”, um livro totalmente artesanal que entrega ao leitor os enganos e desenganos de Aurora a partir de uma poesia confessional. Com capa de papelão pintada à mão, o livro é daqueles que você se sente convocado a levar para casa. “Lançar dois de meus livros no meu estado é voltar para um lugar que é meu. Sinto-me como se estivesse devolvendo o que colhi aqui”, comentou.

Homenagem
Pelo quinto ano consecutivo, a Flimar reserva um espaço para homenagear aqueles que contribuíram para o desenvolvimento da cultura em Alagoas. O escolhido deste ano para receber o prêmio Braskem-Flimar é o arquiteto e jornalista Ênio Lins.

Atual secretário de Estado da Comunicação, “imortal” do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas (IHGAL) e famoso por suas charges, Ênio comemora a iniciativa da Festa de premiar quem fomenta a cultura local. “Todo prêmio que se destina à atividade cultural é importante, e não só pelo prêmio em si, mas, sobretudo, pelo burburinho que ele gera no meio. É sempre um incentivo. Apesar de considerar uma injustiça minha escolha porque acredito que tem pessoas que merecem muito mais, não vou declinar", brincou.

O encerramento da Flimar vai ficar a cargo do homenageado Fagner, que se apresenta para o público em um palco montado na orla de Marechal no sábado, 3, a partir das 22h. A programação completa você confere abaixo.

É um convite à “deleitura”!

Programação completa:

Dia 31 de agosto
Auditório do espaço cultural santa Maria Magdalena da Alagoa do Sul
18:30 - Recepção aos convidados - Nelson da Rabeca
18:30 - Abertura, exposição de fotografia – Vanda Lima e Sônia Calazans
19:30 – Cerimônia de Abertura da VII Flimar pelo governador Renan Filho e o prefeito Cristiano Matheus
Hino Nacional - maestro Max Carvalho e cantora lírica Elvira Rebelo
Palestra de abertura - "O que representam os sete anos de Flimar na rede de educação de Marechal Deodoro" – Flávia Célia Souza

Adro do convento
20:30 - Concerto - Quarteto em clarinete Manguaba
21:00 - Camerata pro música de alagoas - Maestro Max Carvalho, soprano Elvira Rebelo. Participação especial, ator Chico de Assis.

Casa museu do Marechal Deodoro
19:00 - Abertura da Exposição de Desenho - Ângelo Roberto Mascarenhas

Dia 1º de setembro
Auditório do Espaço Cultural Santa Maria Magdalena da Alagoa do Sul
08:50 - 09:45 - "O idoso, a leitura, a literatura: ação transformadora " - Ronny Roselly
Participação especial: Ittala Nandi. Mediação: Miriam Salles
09:45 - 10:40 - "A internet é o fim dos jornais, revistas e livros?" - Chico Bruno e Alessandra Vieira. Mediador: Maurício Melo
10:40 - 11:40 - "De Jaciobá à prefeitura de Marechal", entrevista com Cristiano Matheus, prefeito de Marechal Deodoro. Jornalistas: Jorge de Moraes e Augusto César
11:40 - 12:30 - "Afinal, qual o propósito da poesia?" - Carla Nobre
Participação especial: Fernanda Morelli. Mediação: Ovídio Poli
14:00 - 14:45 - "A sala do piano, uma biografia romanceada do Barão de Penedo" - João Luiz Azevedo. Mediador: Geraldo de Majella
14:45 - 15:30 - "Minha vida com o poeta" - Gesse de Moraes. Mediadora: Carla Nobre
15:30 - 16:15 - "Minha amiga, Nise da Silveira" - Maurício Melo Júnior. Mediador: Everaldo Moreira
16:15 – 17:00 – "Nise da Silveira, uma visão feminina" - Mônica Montone, Miriam Salles, Isvânia Marques e Carla Pacheco
17:00 -18:00 - "O olhar de Nise" - Jorge de Oliveira. Mediadora: Ana Maria Rocha
18:00 -19:00 - "Panorama da cultura alagoana" - Geraldo de Majella Marques.

Arte e Cultura
Saguão do auditório espaço cultural
9:00 - 22:00 - Exposição de fotografias - Vanda Lima e Sônia Calazans

Orla Lagunar
9:00 - 20:00 - Feira de cultura e livro
9:00 - 14:00 - Passeios de escuna ecológica
10:00 - 22:00 - Mostra gastronômica

Casa museu do Marechal Deodoro
9:00 - 21:00 - Exposição de desenho - Ângelo Roberto Mascarenhas
19:00 – Sarau no quintal da casa do Marechal "A poesia de Fagner e de outros poetas" - Carla Nobre, Chico de Assis, Claufe Rodrigues, Mônica Montone, Inácio Vieira de Melo, Cosme Rogério, Rita Coruripe, Manoel Constantino, Efigênio Moura, Fernanda Morelli, Ronny Roselly. Mediadora: Letícia Elena

Convento (pátio interno)
09:00 - 21:00 - Museu de arte sacra
18:00 - "Volta à seca" peça teatral de Maurício Melo Júnior - Grupo Chico de Assis

Convento (adro)
19:00 - Sociedade musical filarmônica santa Cecília
20:30 - Sociedade musical Carlos Gomes

Praça Pedro Paulino (centro histórico)
16:00 - Apresentação de bois, quarteto Manguaba, teatro de rua, capoeira, seu Zezinho, saxofonista, banda de pífano, quarteto de trombone, entre outras peças artísticas.

Casa do patrimônio - Antiga cadeia
19:00 - 21:00 - Cinema - "O olhar de Nise", documentário de Jorge Oliveira

Dia 2 de setembro
Auditório do espaço cultural santa Maria Magdalena da Alagoa do Sul
09:00 - 10:10 - "E Ku Abo - Preta roda de conversa tempos de África, sobre lutas, ativismo e resiliência do povo preto, no Brasil" - Arísia Barros, Bianca Santana, Carlos Dias Machado. Mediadora: Arianne Barros
10:10 – 11:10 - "A guerra do Paraguai e os filhos de dona Rosa da Fonseca" - Juvêncio Lemos. Mediador: Cássio Cunha
11:10 - 12:10 "O capitão da cultura nas Alagoas" – Entrevista com Carlito Lima. Entrevistadores: Carlos R. Uchôa de Moura e Cássio Cunha
12:10 -12:40 - Apresentação dança e folclore da Facima (Faculdade de Maceió)
14:00 - 15:00 "A importância da música de Raimundo Fagner na divulgação da poesia brasileira" - José Inácio Vieira de Melo. Mediador: Cosme Rogério
15:00 - 16:00 - Fundação Raimundo Fagner - Tereza Tavares
16:00 – 17:00 - Vida e obra do poeta Fagner - Fausto Nilo
17:00 - 19:00 - Entrevista com Raimundo Fagner - Jornalistas e escritores: Cristiano Matheus, Mônica Montone, José Inácio Vieira de Melo, Jorge Moraes. Mediador: Cássio Cavalcante
20:00 - Show especial com o ator Saulo Laranjeiras

Arte e cultura
Saguão do auditório espaço cultural
9:00 - 22:00 - Exposição de fotografias - Vanda Lima e Sônia Calazans

Auditório do espaço cultural
20:00 - 21:30 - O homem show - Saulo Laranjeiras

Orla Lagunar
9:00 - 21:00 - Feira de cultura e livro
9:00 - 21:00 - Exposição de pintura e fotografia
9:00 - 14:00 - Passeios de escuna ecológica
10:00 - 22:00 - Mostra gastronômica

Casa museu do Marechal Deodoro
9:00 - 21:00 - Exposição de desenho - Ângelo Roberto Mascarenhas
19:00 – Sarau no quintal da casa do Marechal - Claufe Rodrigues, Mônica Montone, Chico de Assis, Cosme Rogério, José Inácio Vieira de Melo, Carla Nobre, Rita Coruripe, Fernanda Morelli,  Ronny Roselly. Mediadora: Letícia Elena

Convento (Adro)
19:00 - Sociedade musical nossa senhora da Boa Viagem
20:30 - Sociedade musical Manuel Alves dos Santos

Casa do patrimônio
19:00 - 21:00 - cinema - "Deus é brasileiro" - Cacá Diegues

Dia 3 de setembro
Auditório do espaço cultural santa Maria Magdalena da Alagoa do Sul
09:00 - 10:00 - "A literatura e a leitura, como formas de educação" - José Romero e Rosana Montalverne. Mediador: Ovídio Poli
10:00 - 11:30 - "Alagoas, a herança indígena" - Douglas Apratto, Jairo Campos, Jorge Vieira. Mediador: Edson Bezerra
11:30 - 12:30 - "Recital poesia" - Confraria: Nós poetas
14:00 - 15:00 - "A biografia como forma de literatura" - Regina Echeverria. Mediador: Maurício Melo
15:00 - 16:00 "A literatura e a justiça" - Andréa Pachá. Mediadora: Vânia Lima
16:00 - 17:00 - "A arte de contar histórias: o poder da palavra "- Rosana Montalverne. Mediador: Ovídio Poli
17:00 - 18:00 - "Intervalo para assistir o cortejo encerrando a Flimarzinha”
18:00 - 19:00 - "Recital Fagner" - Instituto Lumeeiro - Ricardo Cabús
19:00- Encerramento da Flimar pelo governador Renan Filho e o prefeito Cristiano Matheus. Entrega dos prêmios: "PRÊMIO ALAGOA DO SUL - 2016" (premiação aos que mais contribuíram para realização da VII FLIMAR, e "PRÊMIO BRASKEM-FLIMAR" (Prêmio anual à figura que dedicou seu trabalho, sua vida, à cultura alagoana) - Em 2016 o escolhido pela Comissão é o arquiteto-jornalista ÊNIO LINS.

Arte e Cultura
Centro Histórico
8:00 - 10:00 - Alvorada, caminhada poética pelo Centro Histórico de Marechal - CONFRARIA; NÓS POETAS.

Convento Santa Maria Magdalena
09:00 -21:00 - MUSEU DE ARTE SACRA ( aberto à visitação pública)

Saguão do Auditório Espaço Cultural
9:00 - 22:00 - Exposição de Fotografias - VANDA LIMA / SÔNIA CALAZANS

Casa Museu Marechal Deodoro
9:00 - 22:00 - Exposição de Desenho - ÂNGELO ROBERTO MASCARENHAS (Salvador)

Orla Lagunar
9:00 - 21:00 - Feira de Cultura e Livro
9:00 - 14:00 - Passeios Escuna Ecológica
10:00 - 12:00 - Corrida de Canoa na Lagoa Manguaba

Praça Pedro Paulino (Centro Histórico)
A partir das 16 horas - apresentação de BOIS, Quarteto Manguaba, Capoeira, Seu Zezinho, saxofonista, Banda de Pífano, Quarteto de Trombone, entre outras peças artísticas. Teatro de Rua, "Tudo Igual do País do Carnaval", "Confraria Nós Poetas"

Serenata pelas ruas da cidade
19:00 - Seresteiros de Marechal.

Convento (Adro)
Concerto: Músicas Clássicas e Populares
19:00 - Banda Filarmônica Aconchego
20:30 - Chorinho.com (depois serenata pela cidade)

Palco na Orla Lagunar
20:45 - MC2 - Show da Banda dos Rockets Poets CLAUFE RODRIGUES e MÔNICA MONTONE

Palco da Orla
22:00 - Grande Show de encerramento - RAIMUNDO FAGNER


Postado em 23/08/2016 às 08:32 0

Jane Austen vai às telas com um humor que contraria as convenções sociais

"Amor e amizade", do diretor Whit Stillman, está em cartaz no Centro Cultural Arte Pajuçara.



Foto: Divulgação

(à esq.) Chloë Sevigny e (à dir.) Kate Beckinsale

Imagine um filme em que todos os personagens trajam vestes típicas do século XVIII, moram em casarões tradicionais e mantêm uma expressão de seriedade durante quase todo o desenrolar do enredo. Automaticamente o espectador tem a impressão de que a trama vai explorar uma dramaticidade exacerbada, comum a produções que passeiam por temas controvertidos.

De cara, “Amor e amizade” descontrói essa imagem. A forma divertida com que os personagens são descritos quando surgem na tela dão a deixa: vem comicidade por aí.

Baseando-se na única comédia de Jane Austen, “Lady Susan”, escrita quando ela ainda era adolescente, o diretor Whit Stillman leva para as telinhas uma comédia/drama (mais comédia do que drama) ousada, vanguardista e que burla as convenções sociais.

A grande responsável por conduzir a história é Lady Susan Vernon, que ganha corpo com nada mais nada menos do que Kate Beckinsale. Vernon é uma viúva falida que tenta (sem sucesso) fugir dos boatos que circulam sobre a sua vida sexual, digamos, agitada.

Para além da sobriedade dos cenários e figurinos clássicos, diálogos inteligentes (as tiradas irônicas de Lady Susan são sensacionais) e tomadas curtas aguçam a sagacidade do enredo, assim como quebram a monotonia da história. A passagem  de uma cena para outra também ganha movimento com uma trilha sonora composta, na grande maioria, pelo som do violino.

O filme passeia por temas como a ingenuidade, o amor e a amizade (como o próprio nome sugere), mas fixa moradia mesmo nas questões da infidelidade, do divórcio, do interesse financeiro e do egocentrismo.

Mas não vá às salas de cinema esperando ver uma multiplicidade de cenários ou uma bela fotografia. Nesses pontos específicos a produção deixa claro que contou com um orçamento curto. 

Em cartaz em Maceió desde o último dia 18/08, o filme tem dividido opiniões que vão do ame ao odeie.

Segundo a assessora judiciária Christiane Avelino, a produção é pouco interessante. “Sou muito fã da Jane Austen. Já li diversos livros dela e vi filmes baseados em suas obras. Esse é muito diferente de todos os outros. A história não é envolvente”, disse.

Já a servidora pública Polianna Bugarin teve uma impressão bem diferente. “Eu me diverti demais. A Lady Susan tem uma perspicácia maliciosa que prende o espectador. Além disso, as reviravoltas são bem empolgantes", afirmou. 

"Amor e amizade" está em cartaz no Centro Cultural Arte Pajuçara. Os horários das sessões são os seguintes: 16h45 (exceto no dia 23/08) e 15h15 (somente no dia 23/08).

Sinta-se convidado a conferir e não deixe de contar ao Rivisitando de que lado você ficou.  


Postado em 16/08/2016 às 14:16 0

Um mergulho fotográfico na Lagoa Mundaú

Exposição do fotógrafo Roberto Fernandes está aberta à visitação na Galeria Gamma, no bairro da Jatiúca





As portas da galeria se abrem. Em vez de entrar no local, o visitante mergulha direto na Lagoa Mundaú. A cada braçada, uma nova fotografia. Aos poucos, o conjunto de registros reflete nos olhos toda a beleza daquela que é um dos grandes cartões-postais do estado de Alagoas.

O responsável pela imersão é o acervo de 28 imagens que compõe a exposição "Mundaú", do fotógrafo Roberto Fernandes. Com curadoria do artista plástico Rogério Gomes, as fotografias estão expostas na Galeria Gamma, localizada no bairro da Jatiúca, e ficam disponíveis para visitação até o dia 20 de setembro.

Escolhido para dar as boas-vindas a quem chega, o registro que inaugura a mostra é, pode-se dizer, um dos mais especiais. A fotografia tem oito anos e é a única originalmente captada de forma analógica (com os famosos filmes a partir dos quais eram feitas as revelações). As demais foram registradas com equipamentos digitais.

No processo de construção do estilo próprio de fotografar, Roberto nadou até as memórias da infância e foi nessas recordações que encontrou suas referências de luz. “Eu sempre tive admiração por fotografia. Desde criança. Lembro que meu avô tinha livros sobre o assunto e também materiais fotográficos e foi aí que eu comecei a me interessar”, contou.



Revelando a característica de revisita ao passado, os trabalhos de Roberto são sempre em preto e branco. Um não se distancia do outro. “É meu modo de entender a fotografia. Apesar de achar bonito, o colorido me confunde. Em preto e branco, a imagem me mostra tudo que preciso saber”, acrescentou.

Durante o processo de curadoria, Rogério Gomes pescou as 28 imagens em meio a uma compilação de cerca de 400 fotos. “O trabalho de seleção durou por volta de quatro meses. Estudamos todo o material e construímos a exposição seguindo a lógica de funcionamento da região da Lagoa”, explicou.

Na montagem, as imagens foram distribuídas em dois espaços. No primeiro pavimento, ficam as que exploram a beleza paisagística da Mundaú. Enquanto isso, no segundo as fotografias encenam o fluxo de atividades exploradas no local.

Para quem quer nadar na superfície, tem a pesca, tem o filé, tem o protagonismo da população. Já para os que buscam as profundezas, o trabalho traz nas entrelinhas um contexto social para além do encanto dos registros.

É um convite ao mergulho!



Serviço:
A exposição “Mundaú” fica aberta à visitação até o dia 20/09.
A Galeria Gamma localiza-se na Avenida Luiz Ramalho de Castro, 899, Jatiúca.
O espaço abre de segunda a sexta-feira, das 14h às 19h, e aos sábados das 9h às 13h.
Entrada gratuita.
Todas as fotografias estão disponíveis para compra.
Telefone para contato: (82) 3377-3979.


Postado em 15/08/2016 às 10:12 0

Apresentação



Há algum tempo eu vinha recebendo um convite especial. O universo cultural me chamava para uma visita. Embora soubesse que era deselegante e mesmo sem motivo aparente, adiava a proposta. Mas o convite era insistentemente renovado e se mostrava cada dia mais interessante.

Comecei a sentir o cheiro e o sabor do banquete que me aguardava. Até que recebi um ultimato: "Não faça mais desfeita. Aqui tem outros convidados à sua espera". Como boa anfitriã, a cultura me confidenciou que nossa bela Maceió estava pronta para me fazer sala e que a diversidade artística local iria por a mesa.

Não pude mais recusar. Ciente do cardápio, aprontei as malas e decidi bater à porta desse universo tão plural apenas com passagem de ida. Finalmente aqui estou eu Rivisitando Cultura. Convido você a consumir junto comigo. Vamos à degustação!