Internet pelo Celular cresce a cada dia no Brasil

1305197881smartphones

A venda anual de Smartphones (celulares com mais recursos similares aos computadores), já passa a de Computadores pessoais no mundo, atualmente um em cada quatro celulares vendidos pertence a essa categoria de produtos.

A Banda Larga Móvel (internet para celular) teve um crescimento de 138% em 2010. Para ter uma ideia da evolução, a Banda Larga Fixa (Residencial ou Empresarial) cresceu apenas 21% no ano passado.

Segundo estudo a Huawei Technologies a Banda Larga Móvel computou em 2010, 20,6 milhões de acessos a internet através desses devices (aparelhos), contra 13,8 milhões de acessos pela rede fixa. A expectativa das empresas responsáveis pelo levantamento é que até o final de 2011, a banda larga móvel tenha subido para 32 milhões de acessos e a fixa, para 17 milhões.

Considerando apenas a utilização da internet móvel, o crescimento anual do Brasil está bem acima da média de crescimento mundial, que ficou em 33.7% (móvel) e 17.8% (fixa) durante o ano passado.

Mesmo com o grande crescimento da Banda Larga Móvel e dessa tecnologia no Brasil, o país ainda aparece bem atrás da média mundial em vendas de aparelhos celulares SmartPhones com acesso a internet, sinal de que o Brasil ainda pode crescer muito em vendas deste tipo de aparelhos (Tablets inclusive) e consequentemente de acessos através da Banda Larga Móvel.

Por outro lado, o serviço prestado pela operadoras no Brasil ainda é abaixo da expectativa, para muitos usuários, o serviço é qualificado como péssimo. Temos muito ainda pra melhorar realmente, mas é fato que a internet móvel está em expansão e é um caminho sem volta.

@JoaoKepler

Fonte Pesquisa: Meio&Mensagem e IDGNow

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Qual a diferença entre o Jornal OnLine e o WebJornalismo ?

O WebJornalismo é o jornalismo feito especificamente para internet. Inicialmente, o que era apenas uma versão OnLine dos jornais impressos veiculada na internet, o WebJornalismo acabou por seguir caminhos e princípios diferentes e incorporou muitas inovações e o conceito “em tempo real”, além de funcionalidades multimídia.

Na verdade, o jornalismo na Web é muito mais do que jornalismo OnLine (que seria apenas uma versão Online da edição impressa). Com base na convergência entre texto, som, imagem em movimento, entre outros recursos, o WebJornalismo explora todas as potencialidades que a internet oferece, na minha opinião, um produto muito mais atrativo ao leitor.

O ponto mais forte do WebJornalismo é a possibilidade de interação do leitor com suas opiniões, denúncias, debates, críticas, participação em Blogs, sugestões de pauta e envio de fotos e vídeos amadores gravados na hora dos acontecimentos pelo mundo. No WebJornalismo, não tem horário de fechamento da edição (não fecha nunca) e a cada segundo, novas informações podem alimentar as páginas, tudo é em tempo real, com ampla interatividade, "sem amarras” ou limites de espaço com links, áudios, vídeos e etc.

No Brasil existem grandes plataformas de WebJornalismo totalmente independentes das edições dos jornais impressos, a disposição dos leitores, sejam através de sites, sejam por aplicativos para celulares ou tablets, como o iPad. No Nordeste, por exemplo, dentre vários, destacamos os portais regionais www.cadaminuto.com.br de Alagoas e o www.180graus.com do Piauí, com a importante ressalva de serem modelos desconectados de empresas ou grandes companhias da mídia tradicional, porém, com enorme popularidade e quantidade de acessos únicos diários.

A migração do jornal impresso para o OnLine, embora as publicações OnLine apresentem uma grande quantidade de atrativos e vantagens que as mídias tradicionais não dispõem, eu particularmente acredito que o jornal em papel ainda terá o seu lugar na era Digital por um bom tempo, se couber aos jornais impressos, o papel da explicação, do detalhe, da interpretação e claro, da análise dos fatos, das causas e dos seus efeitos. Porém ter uma versão OnLine praticamente cópia da versão impressa, não podemos chamar isso NUNCA de WebJornalismo.

Como exemplo positivo de veículos ou jornal impresso que faz um belo trabalho no WebJornalismo, destacamos o Jornal do Commercio em Recife com seu www.ne10.uol.com.br

@JoaoKepler

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Conheça os Jovens da Geraçao Z

A definição Geração Z se aplica a geração de crianças e jovens nascidas principalmente no final da década de 90 até os dias de hoje.

Esta geração já nasceu OnLine. Desde pequenininhos estão acostumados com esse mundo Digital. Podemos afirmar que são nativos digitais, estando muito familiarizadas com a internet, não apenas acessando de suas casas, mas também pelos aparelhos celulares, ou seja, são extremamente conectadas à rede.

O Z da Geração Z é devido ao hábito de Zapear pelas coisas, em comum, essa juventude muda de um canal para outro na televisão. Vai da internet para o telefone, do telefone para o vídeo e retorna novamente à internet. Também tem a facilidade de trocar mais facilmente de uma visão de mundo para outra, na vida.

Mas diferente de outras gerações, uma característica positiva é que eles sabem migrar muito bem do OnLine para o OffLine, ou seja, do mundo virtual para o Real, sempre que precisam.

Eles conseguem ligar ao mesmo tempo a televisão, o rádio, o telefone, música e internet. Outra característica essencial dessa geração é o conceito de mundo que possuem, desapegado das fronteiras geográficas. Como informação não lhes falta, estão um passo à frente dos mais velhos, concentrados em adaptar-se aos novos tempos.

Outra característica além do tecnológico é que são críticos e dinâmicos e se preocupam mais com o ecológico. Eles lêem atenciosamente os rótulos, se preocupam efetivamente com o meio ambiente, são ensinados desde a escola da importância da natureza.

Há quem defenda que esta geração ao chegar no mercado de trabalho será dispersa, interpretando a facilidade multitarefas deles, ou seja, capacide de realizar várias atividades ao mesmo tempo. Esse característica pode ser positiva por um lado, mas há um outro, os especialistas afirmam que são pessoas que não tem o foco como seu forte e poderão tornar-se profissionais dispersos, que se concentram muito menos em uma só ocupação.

Pra mim a única verdade sobre essa geração é que um jovem, hoje, tem uma forma de pensar e agir que é diferente das gerações anteriores e o mercado tem se organizado para potencializar isso à seu favor.

Como exemplo, posto o link de um vídeo de 2 garotos (meus filhos) desta geração falando sobre seus projetos na internet. O mais velho, Théo (imagem ao lado) esta semana me surpreendeu com o desenvolvimento de um aplicativo esepecífico para iPhone na Apple Store. Veja -> http://www.youtube.com/watch?v=mJdLwWyrZl8&feature=youtu.be

.

Fonte Pesquisa: WikiPedia, Catho, Veja e EstagiárioY

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Cartões de Crédito, o que vem por ai!?

Muito se especula sobre o tema Cartão de Crédito, por isso, resolvemos trazer uma analise simples do que está acontecendo com esse Meio de Pagamento e o que vem por ai.

Pra começar os cartões de crédito de plástico não vão acabar como foi previsto que seria 100% substituído por aparelhos mobile, similares ou até mesmo biometria. O que vai acontecer são melhorias nos plásticos e a ampliação de suas funcionalidades como no passado recente, aconteceu a inclusão de chips e a eliminação de assinaturas, por exemplo. A multifuncionalidade será implementada, o mesmo cartão será utilizado para agregar múltiplas contas ou mais tipos de cartões diferentes e claro, várias utilidades. Ficando muito mais difícil a clonagem de um cartão específico e melhorando a usabilidade.

A principal alegação para a migração do plástico para outras alternativas é a questão da SEGURANÇA e SIMPLICIDADE.

Sobre simplicidade, já estamos vendo, além da melhorias no plástico, do outro lado, as funcionalidades nos CheckOuts com simples leitores integrados aos sistemas de frente de loja, Pinpads mais rápidos e sem fio e leitores manuais acoplados em devices como iPhone e iPad, entre outras alternativas. Tudo isso para agilizar e facilitar a vida de quem usa o cartão de crédito.

O Mobile Payment que é o pagamento com seu próprio celular, também já é uma realidade e tem uma grande e ampla estrada pela frente, porém, esta funcionalidade ainda não pegou no Brasil. Para esse modelo, existe o que é debitado na própria conta do celular ou aquele que pode ser feito carga por um sistema web por exemplo.

Nós portadores de cartão de crédito buscamos facilidade, praticidade e principalmente a rapidez na hora de pagar. Neste quesito, os sistemas de pagamento (CheckOut) via internet tem melhorado muito a integração com WebSites e incorporado o serviço em vários tipos de aparelhos, como por exemplo, a empresa PayPal que é uma das que participam desse mercado como “facilitador” entre o consumidor e as lojas virtuais que consegue dar essa sensação de facilidade bastando fornecer a conta de e-mail e a senha para debitar em um cartão de crédito já previamente cadastrado.

O cartão de crédito estará em qualquer aparelho que possa identificar com segurança o pagador e a conta.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Analógicos no mundo Digital

Ao longo desses últimos 3 anos tenho presenciado muita inovação, novas tecnologias e o crescimento das Redes Sociais no dia a dia das pessoas.

Por outro lado, tenho visto nesse período uma enormidade de gente avessa as tendências e fixas na resistência ao inevitável.

O Digital está em todo lugar, seja em um simples refrigerador até na maneira de fazer propaganda hoje. Uma das coisas que melhor representa esse novo mundo Digital na internet, são as Redes Sociais.

As Redes Sociais deixaram de ser apenas um utilitário para passar tempo, fazer amizades ou pra “curiar” a vida alheia. Vários tipos de Redes Sociais foram criadas e hoje são específicas para cada necessidade, conectadas por um ou vários tipos de relações, que partilham valores e objetivos comuns. Hoje existem, por exemplo, Redes de Relacionamento, de fotos, de trabalho, de música, de política, de contatos, redes profissionais, redes de mobilização social, redes comunitárias, de localização e de dicas, entre muitas e muitas outras.

Situações do tipo, “Eu não perco meu tempo com isso”, “isso é coisa de quem não tem o que fazer” e por ai vai .. por incrível que pareça, são frases ainda comuns nos dias de hoje, faladas por pessoas analógicas, que se recusam a se adaptar a esta realidade Digital. Obviamente que guardada as devidas peculiaridades, o mundo mudou e estamos em outra era.

Na realidade, essas pessoas resistentes, apesar de reconhecer que o mundo está Digital, mais competitivo, mais rápido, menos previsível, mais conectado, mais gente com conhecimento e tudo com menos tempo pra fazer, ainda se isolam em uma classe que prefere a “proteção” do “I don´t care about”.

Os equipamentos (computadores, tablets, celulares), são criados e inventados aos montes todos os dias e de fato é muito difícil uma pessoa que vive esse ideia analógica, acompanhar essa evolução tão rápida, porém, o que precisa ser absorvido e entendido é que esses equipamentos são cada vez menos importantes no contexto, o que importa é o que fazemos com eles. Se o Analógico pensar nos benefícios que o serviço pode lhe proporcionar a barreira de resistência diminui consideravelmente. O que não pode é ter preconceito sobre o novo e “se fechar em copas” para essa realidade. O que eu estou perdendo se não me adaptar ? A resposta está na convivência com seus pares, no conhecimento, na garantia do seu emprego, no networking, no acompanhamento dos seus filhos na escola e na sociedade, no contato com parentes, na integração com o mundo atual e principalmente na informação em tempo real.

Voce pode está pensando, ahhh João, você está falando de uma pessoa de 60 anos que não consegue se adaptar as novas tecnologias porque não foi criada nela. Errado! Existem pessoas novas de 30 anos que nasceram em um ambiente tecnológico, mas que pensam analogicamente. Meu pai, seu Braga, por exemplo, tem 78 anos e não foi criado neste mundo Digital, mas está nele, o twitter dele é @BragaJose

Está conectado sem perder a essência do mundo real é uma necessidade para qualquer idade, se relacionar (em todos os sentidos) no mundo virtual facilita as coisas no mundo real. Essa é a única verdade, o resto é blá, blá, blá!

Ser analógico no mundo Digital é careta! Se você é um e não concorda que precisa se integrar, não me xingue, procure pelo menos não externar publicamente seu desconhecimento.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Maximizando Problemas

Maximizando Problemas

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.
Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com