Sesc Alagoas promove Semana do Meio Ambiente

Ilustração 1274104118sesc

Segundo o Dicionário Aurélio da língua portuguesa, poluir significa manchar, corromper, sujar. A reciclagem é vista pelos ambientalistas como uma alternativa eficaz para diminuir o lixo acumulado no planeta. Mas antes de reciclar, que tal evitar o descarte de materiais inorgânicos na natureza, a exemplo do plástico, que demora mais de 100 anos para se decompor? Para levar à sociedade informações ambientais, o Sesc Alagoas, em parceria com o shopping Pátio Maceió, promove a Semana do Meio Ambiente, que acontece de 30 de maio a 5 de junho, no Pátio Maceió, Tabuleiro.


Um dos destaques da programação é uma exposição com obras de arte produzidas no projeto Ateliê Sesc Aberto à Comunidade, que conduz as pessoas a espaços e momentos atípicos no dia-a-dia, produzindo arte e reciclando. Criado em 2004, o Ateliê Sesc viabiliza o acesso gratuito de crianças, adolescentes e adultos de baixa renda à atividades artísticas, através de oficinas com artistas plásticos alagoanos, ministradas em seus próprios ateliês.


Além da exposição, o estande do Sesc irá oferecer material informativo sobre meio ambiente e a oportunidade de votação numa enquete sobre meio ambiente. Os votantes receberão um brinde.
No Brasil, os dados sobre reciclagem do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE que retratam a proporção de material reciclado de algumas matérias-primas industriais (latas de alumínio, papel, vidro, embalagens PET e latas de aço) são animadores. O Brasil é recordista mundial em reciclagem de latas de alumínio (89% em 2003, contra 50% em 1993). A reciclagem de papel subiu de 38,8% em 1993 para 43,9% em 2002. Já em coleta seletiva de lixo os indicadores mostram números incipientes no País. Somente 2% do lixo produzido no Brasil é coletado seletivamente. Apenas 6% das residências são atendidas por serviços de coleta seletiva, que existem em apenas 8,2% dos municípios brasileiros.


Segundo o representante da Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum), Ernande Baracho, Maceió produz 1.400 toneladas de lixo por dia. O que fazer com esse lixo? Como transformar esse lixo em geração de emprego e renda? A Semana do Meio Ambiente convida à reflexão. Para isso, as obras de arte produzidas ao longo dos seis anos do projeto Ateliê no Sesc, a partir de caixas e latas doadas pelos funcionários da instituição, passaram por uma seleção rigorosa. Entraram na exposição obras que provocam os visitantes a pensar sobre a autodestruição do homem, através das agressões ao meio ambiente.

SERVIÇO
Semana do Meio Ambiente
Período: 30 de maio a 5 de junho
Local: Shopping Pátio Maceió (Av. Menino Marcelo, 3.800 – Tabuleiro dos Martins – Maceió – AL.)
Hora: 10h às 22h
Obs.: haverá atendimento ao comerciário, trabalhador do Shopping Pátio, para confecção de carteiras do Sesc
Mais informações: 0800 284 2440


 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Veja o mapa da Virada Cultural 2010

Em 2010, a Virada Cultural de São Paulo está inflada. Com orçamento de R$ 8 milhões, o evento que começou em 2005 atinge seu auge em território e diversidade. Sim, o rap continua fora da programação e a reforma do Teatro Municipal inviabilizou o bem-sucedido projeto de álbuns clássicos ao vivo, mas nesta edição a festa procura fôlego nos palcos cada vez mais espalhados pelo Centro e nas atrações internacionais. A maratona começa às 18h de sábado (15), ao som dos cubanos Barbarito Torres e Ignacio Mazacote, do grupo Buena Vista Social Club, e segue pela noite, madrugada,manhã e tarde, sem parar, até às 18h de domingo. Navegue no mapa pelos destaques da festa e confira na sequência as pérolas da programação.

Praça Júlio Prestes
Av. Duque de Caxias, próximo à Sala São Paulo

18h: Barbarito Torres e Ignacio Mazacote (Cuba)
21h: Zélia Duncan
00h: Céu
03h: Living Colour (EUA)
06h: Instituto + Z'África Brasil
09h: Palavra Cantada
12h: Toquinho
15h: ABBA - the Show (Suécia - Inglaterra)
18h: Cantoria - Elomar, Xangai, Vital Farias e Geraldo Azevedo

Além da abertura com os músicos cubanos, o principal palco da Virada traz duas cantoras, uma com maior apelo popular (Zélia Duncan) e outra com carreira ascendente no exterior (Céu). Velho conhecido do público brasileiro, a banda norte-americana Living Colour deve reunir fãs fiéis na madrugada ao som de seu último álbum, The Chair in the Doorway (2009), assim como o Instituto acompanhado do Z'África Brasil, únicos expoentes da música negra na programação. À tarde, é a vez de uma homenagem ao grupo ABBA, mas não se engane com a propaganda de que a formação tem "dois membros originais": são apenas músicos de estúdio do quarteto. A Virada se despede com a rara chance de ver Geraldo Azevedo, Elomar, Xangai e Vital Farias recriarem o aclamado álbum Cantoria, de 1984.

Praça da República
Próximo à av. Ipiranga, virado para a Rua do Arouche

19h: Paulo Vanzolini
21h: Nelson Sargento
23h: Baile do Simonal - Simoninha e Max de Castro
01h: Jair Rodrigues
03h: Elza Soares e Sandália de Prata
05h: Orlandivo e Clube do Balanço
07h: Terreirão do Sobral
09h: Almir Guineto
11h: Reinaldo, o Príncipe do Pagode
13h: Leandro Sapucahy
15h: Arlindo Cruz
17h: Germano Mathias e Dicró

Dedicado ao samba, começa com veteranos e expoentes do gênero, arranjando espaço para um tributo à bossa de Wilson Simonal, levado a cabo pelos filhos Simoninha e Max de Castro. O domingo traz o samba contemporâneo de Arlindo Cruz e Leandro Sapucahy, e dá adeus com as composições bem-humoradas de Germano Mathias, ao lado de Dicró.

Bulevar São João
No Vale do Anhangabaú

19h: Hermeto Pascoal
21h: Airto Moreira
23h: Booker T (EUA)
01h: The Temptations - Feat. Glenn Leonard (EUA)
03h: Orquestra Popular de Frevo do Recife
05h: Edy Star - Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das Dez
07h: Nei Lisboa
09h: Nito Mestre (Sui Generis - Argentina)
11h: Tatit, Wisnik e Nestrovski
13h: Grupo Medusa
15h: Flora Purim
17h: Letieres Leite e Orkestra Rumpilezz

Descrito como um espaço para "virtuosos", começa com dois mestres da música instrumental: Hermeto Pascoal e Airto Moreira, do mesmo nicho de jazz que a cantora Flora Purim, na tarde de domingo, integra. Nas atrações internacionais, estão Booker T, lenda da soul music norte-americana; a nova encarnação do Temptations, um dos grupos vocais masculinos mais famosos dos EUA; e o argentino Nito Mestre, parceiro de Charly García no duo Sui Generis. O cantor gaúcho Nei Lisboa destoa do resto da escalação, mas deve atrair um punhado de fãs com chimarrão no início da manhã.

Vieira de Carvalho
Largo do Arouche, virado para a Av. Vieira de Carvalho

19h: Arrigo Barnabé - Caixa de Ódio: o Universo de Lupicínio Rodrigues
21h: André Abujamra - Desengonçalves, Canções de Nelson Gonçalves
23h: Frank Elvis & los Sinatras - Bailinho
01h: Sidney Magal
03h: Luis Caldas
05h: Double You
07h: Brothers of Brazil
09h: Waldirene
11h: Jerry Adriani
13h: Angelo Maximo
15h: Vanusa
17h: Wanderléa

Une desde homenagens a Nelson Gonçalves e Lupicínio Rodrigues, em seu centenário, até alguns nomes da Jovem Guarda, como Waldirene e Wanderléa. Na madrugada, festa com Sidney Magal e Luís Caldas. Culpe a diversidade, mas também entram na jogada Vanusa, Jerry Adriani, o poperô de Double You e os irmãos Suplicy, na pele do Brothers of Brazil.

Avenida São João
Av. São João, próximo a Rua General Osório, virado para a Av. Ipiranga

20h: Grand Mothers - Re:invented
22h: Big Brother & the Holding Co.
00h: Patrulha do Espaço
01h30: L.A. Guns
03h30: Velhas Virgens - Tributo a Adoniran Barbosa
05h30: Krisium
07h30: Imbyra
09h30: Pitty
11h30: CPM 22 - Só Ramones
13h30: Raimundos
15h30: Pequeno Cidadão
17h30: Titãs

Se o palco rock tem espaço para aberrações como a homenagem do CPM 22 ao Ramones e o Raimundos séculos 21, também trouxe atrações internacionais. As principais delas são a banda de Frank Zappa, Mothers of Invention – rebatizada de Grand Mothers – e a Big Brother & the Holding Co, que alçou Janis Joplin à fama. O L.A. Guns foi o grupo de Axl Rose e é recomendado apenas para fãs hardcore do Guns N' Roses. No meio de tudo isso, um alento: o Pequeno Cidadão, projeto infantil de Arnaldo Antunes, Edgard Scandurra e outros colaboradores.

Casper Líbero
Dois palcos, próximos às ruas Washington Luís e Mauá

19h: Juliana Kehl
20h40: Detetives
22h20: Tulipa Ruiz
00h: Dudu Tsuda
01h40: Cacau Brasil
03h20: Comma
05h: Naná Rizzini
06h40: Banda Dc
08h20: Rodrigo Campos
10h: Sambô
11h40: Rubra Pop Show
13h20: Karina Buhr
15h: Sweet Flavour Band
16h40: Mallu Magalhães

18h10: Musica do Mato (MT)
19h50: Caldo de Piaba (AC)
21h30: Black Drawing Chalks (GO)
23h10: Camarones Orquestra Guitarrística (RN)
00h50: Galinha Preta (DF)
02h30: Plastique Noir (CE)
04h10: Baba de Mumm-Rá (TO)
05h50: Vendo 147 (BA)
07h30: Hey Hey Hey (RO)
09h10: 4Instrumental (MG)
10h50: Aeromoças e Tenistas Russas (SP)
12h30: Nervoso e os Calmantes (RJ)
14h10: Terra Celta (PR)
15h50: Rinoceronte (RS)
17h30: Cabruêra (PB)

Com curadoria da Abrafin (Associação Brasileira de Festivais Independentes), traz desde nomes interessantes da cena indie (Black Drawing Chalks, Nervoso e os Calmantes, Tulipa Ruiz, Karina Buhr) a novidades da música nacional. A "veterana" Mallu Magalhães, na tarde de domiungo, parece perdida em um espaço dedicado aos, digamos, esquecidos da grande mídia.


Alameda Barão de Limeira
Próximo à Duque de Caxias

19h: Orquestra Brasileira de Música Jamaicana
21h: Pablo Moses (Jamaica)
23h: Cidade Negra e Ras Bernardo - Lute para Viver (1991)
01h: Fully Fullwood (Jamaica)
03h: Planta e Raiz
05h: Tribo de Jah
07h: Djambi
09h: Pedra Rara
11h: Leões de Israel
13h: Mano Bantu
15h: Clinton Fearon (Jamaica)
17h: Big Youth (Jamaica)

Inaugura um espaço específico para o reggae. Destaque para nomes atuais do Brasil e abra espaço para os jamaicanos – no caso, Pablo Moses e os grupos Fully Fullwood e Big Youth.

Estação da Luz
Espaço das orquestras

18h: Jazz Sinfônica
22h: Orquestra Sinfônica Municipal e Coral Lírico – "Carmina Burana"
00h: Orquestra Experimental de Repertório – "Porgy & Bess"
04h: Quinteto Conclave
07h: Banda Jazz Sinfônica de Diadema
10h: Banda Sinfônica do Estado
13h: Danilo Brito, Mike Marshall e Catherina Lichtenberg – Encontro de Bandolins
16h: Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp
17h: Tchaicovsky Pas de Deux – São Paulo Cia de Dança e Osesp

Estação da Luz
Palco da dança

19h30: Raça Cia de Dança de São Paulo
21h: Diários de Viagem – Omstrab
23h30: Gnawa – São Paulo Cia de Dança
01h10: Baseado em Fatos Reais – Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira Cia de Dança
02h20: Diálogo – Jean Abreu e Guga Stroeter
03h: Embodied Voodoo Game – Cena 11 Cia. de Dança
05h00: "She´s Lost Control" – Cia. Vitrola Quântica
06h15: Corpo de Passagem – Grua
08h30: Corpo de Baile Jovem da Escola Municipal de Bailado
09h: Yin – Stacattospciadança
11h30: Balé Popular do Recife e Antúlio Madureira
14h30: Kathak Teen Taal – Kanchan Maradan
15h15: Danses Concertantes, Sabiá e Forrolins – Cisne Negro
17h10: Kathak Dhamaar – Kanchan Maradan
18h: Canela Fina – Balé da Cidade de São Paulo

Melhores Pastéis de Feira da Cidade: as dez melhores barracas de pastel de feira dos bairros de São Paulo, eleitas recentemente, estarão distribuídas pelo Centro, acompanhadas por barracas de garapa e de frutas. Espaços cadastrados pela organização vão comercializar bebidas e alimentos ao preço mais baixo possível: esse foi o critério de seleção.

Galeria Prestes Maia: será o lugar de uma programação "alternativa", com enfoque na cultura da tatuagem, da suspensão (aquela em pessoas ficam penduradas com ganchos presos ao corpo) e de DJs com estilos diversos, de rock, pop, passando pelo country e até death metal.

Marchinhas de São Luiz do Paraitinga: montado no Largo da Misericórdia, próximo à Sé, o palco vai simular ao longo de 24 horas o carnaval da cidade do interior paulistano, atingida por enchentes no início deste ano.

Dimensão Nerd: na Praça Roosevelt, servirá de chegada para desfiles de fãs de Guerra e Jornada nas Estrelas e adeptos do Cosplay, fantasias de personagens fantásticos variados. Haverá ainda exposições, stands temáticos, mesas para RPGs e jogos de tabuleiro, discotegem correlata e espaço para editoras de quadrinhos.

Cinemas na Virada: a programação expande o projeto bem sucedido do ano passado e recupera o glamour dos cinemas históricos do Centro, hoje dedicados a produções pornô, com ciclos específicos. O Cine Windsor (Ipiranga, 174) exibirá filmes de zumbi; o Cine Dom José (Dom José, 306), filmes de lobisomem; e o Cine Arouche (Largo do Arouche, 426), musicais clássicos de Hollywood. A Cinemateca Brasileira coloca em suas duas salas uma belíssima programação dedicada à música, o HSBC Belas Artes privilegia o dito cinema gastronômico e Cine Olido, na Galeria Olido, sedia uma retrospectiva da Mostra Internacional de São Paulo.

Centro Cultural Banco do Brasil: além de abrir suas portas ao longo da noite, o CCBB promove uma sessão gratuita do espetáculo "Simplesmente Eu, Clarice Lispector", monólogo de Beth Goulart, às 22h. Entrada franca, mediante retirada de senha uma hora antes do início.

Unidades do Sesc: programação bastante variada. O Sesc Consolação reúne, a partir das 18h, covers de Amy Winehouse, Bee Gees, Michael Jackson e Madonna, entre outros. No Sesc Pompeia, a Orquestra Imperial comanda quatro horas de festa, entre as 20h e 2h, com ingressos de R$ 3 a R$ 12. Amantes do teatro tem uma boa oportunidade de assistir ao último espetáculo do Grupo Galpão, "Till, a Saga de Um Herói Torto", à 0h30, no Sesc Santana. Na mesma unidade, dois shows interessantes: Arnaldo Antunes, às 23h, e Movéis Coloniais de Acaju, às 3h30.

Casa das Rosas: três atrações musicais que valem seu tempo. Às 15h de sábado, Lanny Gordin, o guitarrista da Tropicália, se apresenta com sua banda. Às 19h, Sérgio Ricardo, que acaba de ganhar uma biografia, toca ao lado de Filó Machado. Na sequência, às 21h, Tetê Espíndola faz um apanhado de sua carreira.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

9° Período do Cesama prepara muito forró com II Farra Jus

1273760321evento

As festividades juninas começarão mais cedo em Arapiraca. A mais tradicional festa de Direito de Alagoas, o Farra Jus, realizado pelo 9° período de Direito do Centro de Ensino Superior Arcanjo Mikael de Arapiraca, acontece no próximo dia 21 de maio, às 22h, no Ginásio do Cesama.

A festa acontece pelo segundo ano consecutivo e pretende reunir um bom número de pessoas que gostam de um bom forró. Para esse ano, a organização decidiu mais uma vez inovar e traz como atrações o cantor José Orlando e Zelito com Expresso Forronejo.


Para animar ainda mais o Farra Jus, a coordenação do evento realizará uma promoção. Todas as pessoas que estiverem na festa e comprarem uma Ice, levam outra de graça. Ou seja, é animação na certa.


Não perca tempo. Adquira logo sua entrada e venha curtir não só a primeira festa junina do ano, mas, a que terá mais gente bonita, as melhores atrações e será a mais animada.

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Guilherme Leme encena O Estrangeiro, de Camus, no Teatro Sesi Arapiraca

Divulgação 1273670052imgguilherme

Baseado num dos mais famosos romances do século XX, o espetáculo O Estrangeiro, escrito pelo francês nascido na Argélia Albert Camus, será apresentado nos dias 13 e 14 de maio no Teatro Sesi Arapiraca. A história da montagem que já percorreu o Brasil antes de passar por Alagoas começou na Dinamarca, onde Guilherme e Vera Holtz foram passar o Natal há dois anos. Lá conheceram a versão do ator, diretor e amigo dinamarquês. “O Morten já tinha montado a peça e me deu pra ler a adaptação. Eu já gostava do livro e fiquei encantado com a possibilidade de levar O Estrangeiro aos palcos”, conta Guilherme.

 

O processo levou dois anos de maturação com leituras dramatizadas para amigos e público. Guilherme realizou uma primeira leitura na Casa da Gávea com direção de Vera Holtz. Em Brasília, fez uma leitura dramatizada com encenação dos irmãos Guimarães no teatro da Faculdade de Artes Dulcina de Moraes. E, recentemente, uma leitura para público na Oficina da Palavra – Casa Mário de Andrade, em São Paulo. Teve também alguns encontros de processo criativo com a amiga e diretora Monique Gardenberg, o filósofo Fernando Muniz e o jornalista e crítico literário Manoel da Costa Pinto. “É como se eu tivesse feito alguns workshops pelo Brasil até chegar o ponto de estrear mesmo, como uma fruta que amadurece, então chamei a Vera para me ajudar na direção, já que ela estava presente no ponto inicial da história”, explica Leme.

 

Mesmo cheia de compromissos na TV, Vera Holtz aceitou o desafio de dirigir o amigo. “Aceitei dirigir o Guilherme porque somos amigos há 20 anos e existe uma cumplicidade muito grande entre nós. Já trabalhamos juntos na TV e no palco, mas agora posso exercer um outro olhar, ver o Guilherme de fora”, explica. “Não tenho a pretensão de ser uma diretora, que considero quase uma entidade. Disse ao Guilherme que ele cuida da parte da encenação e eu dirijo o ator porque gosto muito da interpretação”, explica Vera, que está gostando do que ela chama de “exercício teatral”.

Outro desafiado nesta história é o consagrado iluminador Maneco Quinderé. Gulherme explica: “O Sol é fundamental no livro do Camus, o Sol é na verdade um personagem da história e eu queria contracenar com o Sol na peça. Cheguei pro Maneco e falei: ‘Você não vai iluminar, você vai atuar comigo em O Estrangeiro’. E o Maneco também aceitou sua primeira participação como iluminador/ator”. Completam a ficha técnica a jovem e talentosa cenógrafa, Aurora dos Campos, de A Forma das Coisas e Os Quartos de Tenesse, além da trilha incidental criada por Marcelo H.

 

Sinopse

Meursault, o personagem de O Estrangeiro, leva uma vida banal; recebe a notícia da morte da mãe, comete um crime, é preso, julgado, tudo gratuitamente, sem sentido, sendo assim mais um homem arrastado pela correnteza da vida e da História. Seu drama pode ser lido como o drama de qualquer pessoa do seu século, que se depara com o Absurdo, ponto central da obra de Camus.


Na trama, Meursault não encontra explicação nem consolo para o que acontece em sua trajetória, tudo acontece à sua revelia e nada faz o menor sentido. Ele não acha explicação na fé, religião ou ideologia, não tem onde se amparar. O que pode ser visto como uma vantagem: esse homem é livre, pode se fazer a si mesmo, sua vida está em aberto. Ele se depara, e se angustia, diante da Liberdade e do Absurdo, e quando descobre que essas duas condições são intrínsecas, finalmente encontra a paz. “Além de ser uma narrativa seca das desventuras de Meursault, condenado à morte por matar um árabe, é também uma autobiografia de todo mundo, do homem contemporâneo”, conclui Guilherme Leme.

 

Serviço:

O quê: apresentação do espetáculo O Estrangeiro
Onde e quando: no Teatro Sesi Arapiraca, dias 13 e 14 de maio, às 20h
Classificação etária: 14 anos
Ingresso: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada)
Duração: 1 hora
Informações: 2121-3087/3088 / 9308-0711 e www.centroculturalsesi.com.br
Endereço: Rua Engenheiro Camilo Collier, 520 – Primavera – Arapiraca


Ficha Técnica:

Texto: Albert Camus
Adaptação: Morten Kirkskov
Tradução: Liane Lazoski
Direção: Vera Holtz e Guilherme Leme
Interpretação: Guilherme Leme
Iluminação: Maneco Quinderé
Cenografia: Aurora dos Campos
Trilha e Música Incidental: Marcelo H
Produção: Galharufa Produções

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

A peça Nós Nus e os Outros leva o existencialismo de Sartre para o palco

Ilustração 1273159931fototeatro1

O existencialismo do francês Jean-Paul Sartre é interpretado e levado ao palco pela Cia. de Teatro Animus. Fundado por alagoanos em 2009, o grupo estreará o seu primeiro espetáculo, Nós Nus e os Outros, no dia 15 de maio, com apresentação também no dia 22, Teatro Sesc Jofre Soares, às 19h. A peça tem classificação de 12 anos.

Ateu, Sartre não acreditava no inferno cheio de estereótipos mostrados pelo cristianismo. Por isso, simplifica toda uma questão filosófica da existência humana, onde “O inferno são os outros”. Baseado no existencialismo sartreano, a peça Nós Nus e os Outros relata as condições humanas perante as ações antecedentes de cada personagem. Eles se encontram no “inferno”, lugar onde há o desnudamento racional.

O existencialismo sartreano preocupa-se com o sentido das vidas humanas, levando as verdades científicas para segundo plano. Para Sartre, o mundo como nós conhecemos é irracional, absurdo e está muito além da nossa total compreensão. O existencialismo acredita que o homem se faz em sua própria existência, as finalidades têm de ser atingidas pelos objetos criados pelos homens e que os seres humanos são demasiadamente subjetivos e complexos para funcionarem como meros objetos dentro da organização social. Dentro dessa perspectiva, a Cia. Animus faz sua estreia no cenário teatral alagoano.

A companhia foi fundada no dia 04 de setembro de 2009. Seu objetivo é a pesquisa no campo das artes cênicas, focando na criação de novos métodos de encenação e dramaturgia. Fazem parte do elenco os atores Nilton Carnaúba, Dira Eugênio, Tamires Melo, Jeane Porfírio, Felipe Monteiro e Cristiane Silva. Os dois últimos também assinam a direção.

 

 

Serviço

Temporada Sesc

Espetáculo teatral Nós Nus e os Outros

Cia. Animus

Data: 15 e 22 de maio

Local: Teatro Jofre Soares/ Sesc Centro (Rua Barão de Alagoas, 229, Centro)

Horário: 19h

Classificação: 12 anos

Ingressos: R$ 2 + 1kg de alimento não perecível ou R$ 4

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Prêmio Cultura Hip Hop vai beneficiar 134 iniciativas

Divulgação 12729941949935645m2

Interessados em participar do Prêmio Cultura Hip Hop 2010 - Edição Preto Ghóez - devem se dirigir até o dia 12 de julho aos Correios ou realizar a inscrição por áudio, vídeo ou internet. O edital foi publicado do Diário Oficial da União pela Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura (SID/MinC) no dia 16 de abril. ONGs, Associações e Grupos que tratam da criança e do Adolescente no Estado de Alagoas devem ficar atentos a esta oportunidade.

A primeira edição do concurso contemplará 134 iniciativas do movimento Hip Hop, com o valor de R$ 13 mil cada, divididas em cinco categorias (Reconhecimento, Escola de Rua, Correria, Conhecimento - Quinto Elemento, e Conexões). O prêmio terá recursos de R$ 1,7 milhão do governo federal.

A edição, intitulada Preto Ghóez, é uma homenagem do Ministério da Cultura a Márcio Vicente Góes. O Preto Ghóez, natural do Maranhão, foi a liderança responsável pela fundação do Movimento Hip Hop Organizado Brasileiro (MHHOB) e é autor do livro. A Sociedade do Código de Barras: O Mundo dos Mesmos e vocalistas do grupo Clã Nordestino. Faleceu em 09 de setembro de 2004.

As inscrições, para os concursos poderão ser feitas Mais informações no edital:
http://www.cultura.gov.br/site/wp-content/uploads/2010/04/edital-premio-cultura-hip-hop-2010-edicao-preto-ghoez-15-04-2010.pdf

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Entre tintas e pincéis...

Divulgação 1272994092convite

Após oito meses entre telas, pincéis e tintas, a artista plástica, Beta Basto, concluiu seu novo trabalho chamado Vertentes. Depois de sete anos retratando apenas os aspectos do folclore alagoano, a artista resolveu ousar em suas criações.

 

Nesse novo projeto, iniciado em outubro do ano passado, Beta Basto retrata o nu artístico. De onde vem a inspiração? Segundo ela suas criações surgem de maneira inconsciente. “A idéia vem, faço um desenho e passo para as telas. Às vezes o que penso de início muda completamente”, diz, acrescentado que pintar a figura humana é o que lhe traz fascínio e prazer.

 

A exposição será aberta na próxima terça-feira (11), a partir das 19h, no Museu Théo Brandão. Vertentes identifica bem essa nova fase da artista, e marca os dois caminhos seguidos na exposição: o folclore alagoano e o nu artístico. Serão 24 quadros, englobando os dois temas.

 

“É um nu com um ar de inocência, romantismo e certo mistério”, destaca Beta, com o entusiasmo de quem tem a pintura como uma terapia. “É um prazer indescritível quando vejo um trabalho pronto”, completa.

 

Suas primeiras experiências com a pintura começaram aos 20 anos de idade. Hoje com 62, Beta Basto já expôs seus trabalhos em outras capitais, a exemplo de Recife.

 

Para essa exposição, Beta afirma que as expectativas são positivas, apesar da ansiedade. “É um desafio, mas estou confiante que as pessoas irão apreciar meu novo trabalho”, conclui.

 

Os trabalhos da artista podem ser vistos até o dia 30 de maio, de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 17h, e aos sábados das 14h às 17h. A entrada é gratuita.

 

Serviço:

 

Exposição Vertentes

Artista Plástica – Beta Basto

Abertura: 11 de maio

Hora: 20h

Local: Museu Théo Brandão

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Os espetáculos teatrais “Alice!?” e “Uma noite em Tabariz” no Teatro de Arena

Divulgação 1272993857alice 1

“Alice” e “Uma noite em Tabariz” estão de volta no Teatro de Arena Sérgio Cardoso, no Projeto Dobradinha do Chapéu, nos dias 21,22, 28, 29 de maio e 04 e 05 de junho, sempre às 19h.

O espetáculo “Alice”, que se apresenta desde 2007, volta com inovações cênicas. A história da menina Alice é uma releitura da obra Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, sob a direção de Thiago Sampaio, e revela um outro País das Maravilhas: o teatro.

Publicada em 1865, a obra conquistou leitores de todas as idades ao apresentar uma aventura fascinante onde a fantasia acontece num mundo do inusitado e o surrealismo caminha com a realidade vivida pela protagonista. O escritor Lewis Carroll ficou conhecido como escritor de histórias infantis, mas ele foi muito mais do que um mero escritor. Os dois livros que escreveu com Alice como personagem principal podem parecer dirigidos para o público infantil à primeira vista, mas num olhar mais aprofundado percebe-se que são cheios de críticas sociais, ironias, citações e "transcriações".

O elenco da peça traz os atores Jonatha Albuquerque, Laís Lira, Magnun Angelo, Tácia Albuquerque e Thiago Sampaio, responsável pela direção. Ele também assina a adaptação, ao lado de Erisvaldo Tavares.

“Uma noite em Tabariz”, vencedor do prêmio Espia 2009 na categoria espetáculo do ano, conta histórias e estórias, dores e amores dos amantes da boemia do antigo bordel de Maceió, com texto de Luiz Sávio de Almeida e música de Macléim.

Personagens imaginários revelam, entre músicas e passos de tango, uma das noites mais badaladas na década de 50, no Tabariz. O prostíbulo, que era localizado na Rua Sá e Albuquerque, no bairro do Jaraguá, em Maceió, é a inspiração para criação dos personagens. Criado por Benedito Mossoró, o prostíbulo marcou a história da capital alagoana, sendo reconhecido em trabalho de conclusão de curso da Universidade Federal de Alagoas e tema de samba conhecido nacionalmente na voz de Martinho da Vila.

O escritor Luiz Sávio de Almeida, que conta em seu currículo com textos montados de teatro desde 1984, agora aparece com um rico texto que deslumbra o fascínio de relembrar as belas noites do bairro de Jaraguá. Macléim, cantor e compositor, revela sua criatividade musical fazendo uma transição por diversos ritmos, passando pelo tango, blues, bolero, baião até chegar no frevo, demonstrando um registro simultâneo de sons a vida dos personagens e aos amantes da noite.

O espetáculo traz os atores Fabrício Barros, Jailson Natividade, Joelle Malta, Laís Lira, Magnun Angelo, Thiago Sampaio e Tácia Albuquerque, que também é responsável pela direção, além dos músicos André Cavalcanti e Natalhinha Marinho.

 

O grupo

A Cia. do Chapéu iniciou suas atividades em 2002, realizando intervenções artísticas, performances teatrais e improvisações no Centro de Maceió, unindo o teatro a vida cotidiana. O primeiro espetáculo foi Apesar de Você, com texto de Thiago Sampaio e Amanda Daniele, que estreou em 2003 e fez apresentações até 2004. Em 2005, inicia as pesquisas para montagem do espetáculo Alice!?, adaptação de Erisvaldo Tavares e Thiago Sampaio do livro Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, estreando em 2007. No mesmo ano, o grupo realiza experiências voltadas a intervenções cênicas e urbanas, com a Jornada de Intervenções, em novembro. E, em dezembro realizou o primeiro Chá da tarde, que já está na terceira edição, onde discute as produções cênicas do ano, juntamente com outras companhias de teatro. Em 2009, estreou Uma noite em Tabariz, mesclando música e teatro em seu primeiro musical, experimentando possibilidades de dança, som e cena. Em abril de 2010, fez parte da produção da I Livre Conferência de Teatro de Maceió, mobilizando a classe artística para o desenvolvimento de ações culturais.

 

SERVIÇO

Temporada: Dobradinha do Chapéu

Espetáculos: “Alice!?” e “Uma Noite em Tabariz”

Grupo: Cia. do Chapéu

Local: Teatro de Arena Sérgio Cardoso

Datas:

21/05 (Alice!?) 22/05 (Uma noite em Tabariz)

28/05 (Alice!?) 29/05 (Uma noite em Tabariz)

04/06 (Alice!?) 05/06 (Uma noite em Tabariz)

Horário: 19h

Ingressos: R$5 (estudante) e R$10 (inteira)

Passaporte para os dois espetáculos: R$8 (estudante) e R$16 (inteira)

Classificação: 14 anos apenas para “Uma noite em Tabariz” (“Alice!?” a classificação é Livre)

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Em maio, cinema brasileiro no Cine Sesc 12h30

Divulgação 1272891543sesc

O cinematógrafo aportou no Brasil com Affonso Segretto, imigrante italiano que ao filmar cenas do porto do Rio de Janeiro em 1898, torna-se o primeiro cineasta do País. Mais de um século depois desses primeiros registros, o cinema brasileiro tem como saldo obras históricas e movimentos consagrados, a exemplo do cinema novo. Para celebrar essa produção brasileira, a edição de maio do Cine Sesc 12h30 traz uma mostra composta por filmes nacionais, com estilos e gêneros diversificados: Janela da Alma, Mutum, Engenho de Zé Lins, O Enfermeiro e A Quebradeira são títulos com fortes traços documentais, mesmo quando estabelecem roteiros ficcionais.


A mostra começa com um filme sobre o olhar: Janela da Alma faz um ensaio poético sobre a relação entre o ato de ver e o de compreender o que se vê. O escritor português e Nobel de literatura, José Saramago e mais 18 pessoas com diferentes graus de deficiência visual, de miopia discreta à cegueira total, falam como percebem o mundo com as dificuldades da visão e a importância das emoções como elemento transformador da realidade.


O Cine Sesc 12h30 segue em cartaz durante todas as terças-feiras de maio, sempre às 12h30, nas unidades Sesc Poço e Centro. Confira as sinopses.


SERVIÇO

Cine Sesc 12h30 – Cinema Brasileiro
Dias: 3, 10, 17, 24 e 31 de abril
Horário: 12h30
Local: Auditório Maron Emile Abi-Abib/ Sesc Poço (Rua Pedro Paulino, 40, Poço) e Teatro Sesc Jofre Soares/ Sesc Centro (Rua Barão de Alagoas, 229, Centro)
Entrada franca
Mais informações: 0800 284 2440

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Sesc Alagoas realiza primeira etapa do Palco Giratório 2010 no período de 03 a 07 de maio

Realizado em Alagoas desde seu surgimento, em 1997, o projeto Palco Giratório já se firmou em todo o Brasil como uma das mais importantes ações de incentivo à produção em artes cênicas – ao promover a circulação de espetáculos por todas as regiões do País, especialmente nas cidades onde não há nem mesmo um teatro, o projeto alcança aquele que é o seu maior objetivo: a formação de plateia.

Para dar continuidade a esse processo, em Alagoas a primeira etapa do Palco Giratório de 2010 acontece de 3 a 7 de maio e traz dois espetáculos de dança – Ideias de Teto e Estudo para Lesma – da Sua Cia de Dança, da Bahia. A Sua Cia. é formada por criadores e produtores com o intuito de pesquisar e produzir juntos. O grupo trabalha linguagens artísticas variadas, com diferentes suportes, abrangendo várias áreas do conhecimento, passando por trabalhos corporais, intelectuais, artísticos, políticos e conceituais. A coreografia Miami dos Mendigos, da Cia dos Pés, de Alagoas, integra a programação desta primeira etapa, que inclui ainda a oficina Conexões Criativas, ministrada pela Sua Cia. de Dança.

Uma colagem de imagens e da poesia de Manoel de Barros, o espetáculo Ideias de Teto se propõe a deslocar o pensamento, fazendo a plateia sentir-se teto, enxergando, assim, por um novo ângulo. Três bailarinas, em oito cenas independentes, utilizam-se da estrutura de um jogo para desenvolver a ideia.

Através da confluência entre dança, música, poesia e desenho, o espetáculo Estudo para Lesma, também conectado ao universo poético de Manoel de Barros, propõe uma investigação sobre as possibilidades de apoios do corpo numa superfície vertical a partir do ponto de vista de uma lesma, envolvendo o espectador pela possibilidade de desprender-se de uma lógica. Estudar para ser lesma é o desejo de perder o chão, deixar-se guiar pela consciência de ser lesma e, assim, fazer um passeio filosófico pela própria existência.


DIÁLOGOS COM A ARTE

Há 14 anos o Palco Giratório promove o diálogo entre produções de diferentes linguagens, além de estimular a produção artística através de oficinas. Em Alagoas, a primeira etapa do Palco Giratório 2010 promoverá a oficina Conexões Criativas, que através da ação corporal, do contato com objetos cênicos, do diálogo com as fontes de inspiração da obra e da observação, experimenta as conexões entre corpo, gravidade, poesia e criação coreográfica. A oficina, ministrada pelos integrantes da Sua Cia de Dança, acontece no dia 4 de maio, no Sesc Centro e, no dia 6 de maio, no Sesc Ler Palmeira dos Índios.

Para compor esse diálogo, a programação traz ainda a intervenção urbana Miami dos Mendigos ou As Privadas, da Companhia dos Pés, de Alagoas. Contemplada pelo Prêmio Funarte de Dança Klauss Viana 2008, a coreografia faz parte do projeto Poética da Cidade, que consiste em “dançar a cidade”, como define a coreógrafa da companhia, a bailarina Telma César. Miami dos Mendigos será apresentada nos dias 3, 4 e 5 de maio, na ponte do riacho Salgadinho, na avenida da Paz, em Maceió. A intervenção toma o espaço urbano enquanto elemento da poética da dança, propondo o diálogo entre a arquitetura e a investigação das possibilidades de contextualização histórico-cultural e abordando a questão da poluição de forma irônica.


PROGRAMAÇÃO PALCO GIRATÓRIO 2010 – PRIMEIRA ETAPA


Segunda-feira, 03/05

 

Apresentação da coreografia Miami dos Mendigos

Cia dos Pés (AL)

Local: ponte do riacho Salgadinho (Av. da Paz, s/n, Jaraguá – Maceió, AL)

Horário: 17h

Aberto ao público

Mais informações: 3326-3133 e 0800 284 2440


Terça-feira, 04/05

 

Apresentação da coreografia Miami dos Mendigos

Cia dos Pés (AL)

Local: ponte do riacho Salgadinho (Av. da Paz, s/n, Jaraguá – Maceió, AL)

Horário: 17h

Aberto ao público

Mais informações: 3326-3133 e 0800 284 2440

 

Oficina Conexões Criativas

Ministrada pela Sua Cia. de Dança (BA)

Local: Teatro Sesc Jofre Soares, Sesc Centro (Rua Barão de Alagoas, 229, Centro)

Horário: 14h às 18h

Inscrições: 1kg de alimento não perecível

Número de vagas disponíveis: 20

Mais informações: 3326-3133 e 0800 284 2440


Quarta-feira, 05/05

 

Apresentação da coreografia Miami dos Mendigos

Cia dos Pés (AL)

Local: ponte do riacho Salgadinho (Av. da Paz, s/n, Jaraguá – Maceió, AL)

Horário: 17h

Aberto ao público

Mais informações: 3326-3133 e 0800 284 2440

 

Apresentação do espetáculo Ideias de Teto (BA)

Sua Cia. de Dança (BA)

Local: Teatro Sesc Jofre Soares, Sesc Centro (Rua Barão de Alagoas, 229, Centro – Maceió, AL)

Horário: 20h

Ingresso: R$ 2,00 + 1kg de alimento ou R$ 4,00 sem o alimento

Mais informações: 3326-3133 e 0800 284 2440


Quinta-feira, 06/05

 

Oficina Conexões Criativas

Ministrada pela Sua Cia. de Dança (BA)

Local: Sesc Ler Palmeira dos Índios (Rua Genésio Moreira, 1.181, São Francisco – Palmeira dos Índios, AL)

Horário: 14h às 18h

Inscrições gratuitas

Número de vagas disponíveis: 20

Mais informações: 3326-3133 e 0800 284 2440


Sexta-feira, 07/05

 

Apresentação do espetáculo Estudo para Lesma

Sua Cia. de Dança (BA)

Local: Casa Museu Graciliano Ramos (Rua Luís Pinto de Barros, 90, Centro – Palmeira dos Índios, AL)

Horário: 20h

Entrada franca

Mais informações: 3326-3133 e 0800 284 2440

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.
Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com